Tag: Protestos

8 de fevereiro de 2021

Mia Khalifa, uma voz em defesa dos agricultores indianos


Mia Khalifa

Mia Khalifa, atriz aposentada de certos filmes com má fama e que certamente você conhece, entrou na briga para defender os agricultores da Índia. A crise com o governo está feia por lá e nós já falamos sobre o caso no Blog do Farmfor aqui e aqui, pelo menos.

 

Mia Khalifa versus Priyanka Chopra

A atriz usou o Twitter várias vezes nas últimas semanas para defender os agricultores e “chamar para o pau” a atriz Priyanka Chopra Jonas – que é da Índia – por não dar atenção para os protestos. Mia Khalifa é libanesa e na crise causada pela mega explosão da área portuária de Beirute em agosto de 2020, também arranjou confusão com a cantora Shakira, pelo mesmo motivo.

O tweet do puxão de orelha.

As chamadas virtuais para a crise na Índia vindas de celebridades não são unanimidade entre o público indiano e o próprio governo. Enquanto alguns agradecem gente famosa gritando para o mundo que o país tem problemas, outros pensam que é apenas uma jogada de marketing sem conhecimento de causa ou pior: reforço das próprias agendas políticas.

Segundo o site National Herald, desde as manifestações que começaram no dia 26 de janeiro, 127 pessoas já foram presas e mais de 1000 contas bloqueadas no Twitter por espalhar fakenews.

Veja também

Mia Khalifa questions Priyanka Chopra Jonas’ silence on farmer protests


29 de janeiro de 2021

Governo corta a internet para controlar protestos de agricultores na Índia


governo corta a internet




governo corta a internet

 

Para tentar dificultar a organização dos agricultores, governo corta a internet no estado de Haryana, próximo da capital da Índia, Nova Déli.

No Dia da República, 26 de janeiro, agricultores organizados por sindicatos e partidos de esquerda (em especial o Partido Comunista da Índia) levaram os tratores para a capital e os protestos foram marcados por brigas, tratores avançando nas barricadas da polícia, a polícia batendo de volta nos manifestantes e até uma morte: um homem capotou o trator ao avançar contra policiais. Mas os protestos continuam e novos grupos seguem para a capital.

 

tatuagem de trator

Curiosidade: jovens agricultores indianos que participam dos protestos estão fazendo tatuagens de trator, como símbolo de luta pelos direitos.

 

Chuva de Fakenews

As fakenews estão ajudando a tornar a situação incontrolável. As notícias falsas que correm a internet por lá misturam vídeos antigos aos atuais das manifestações, mostram ações da polícia como se fossem de agora e até celebridades que algum dia fizeram foto ao lado de um trator são mostradas agora como apoiadoras dos protestos, dando endosso às causas. Foi o caso com Mahendra Singh Dhoni, famoso jogador de cricket da Índia.

Pessoas físicas e até jornalistas já estão encarando processos por publicações de fakenews. Uma delas acusava a polícia pela única morte do protesto, quando um vídeo posterior mostrou que a vítima, Navreet Singh, morreu ao capotar o próprio trator depois de avançar em uma barricada. Ele era recém-casado e morador da Austrália. Voltou para a Índia justamente para casar, mas resolveu de última hora participar das passeatas.

Governo Corta a Internet

Segundo o site News18, o governo cortou a internet em 17 dos 22 distritos do estado de Haryana, além das regiões de Sonipat, Palwal e Jhajjhar.

Além do quebra-pau já ocorrido na capital, as caravanas de agricultores estão brigando com as populações locais das cidades por onde passam. Entra a polícia e tudo piora, ao estilo do país: surra de bastão e ataques de espada.

 


26 de janeiro de 2021

Tratores cercam o Ministério da Agricultura na Alemanha


tratores cercam




 

tratores cercam

Os agricultores estão mais uma vez protestando na Alemanha. Desde o início desta terça, 26 de janeiro, tratores cercam o Ministério da Agricultura (em bom alemão: Bundeslandwirtschaftsministerium – mas podemos chamar pela sigla, BMEL).

 

Veja também: Agricultores nas ruas da Alemanha pedem a demissão de políticos.

 

A pauta é grande: segundo o site Top Agrar Online, os agricultores do grupo “Land schafft Verbindung – Das Original” querem a criação de uma comissão independente para a definição dos preços de custo de todos os alimentos produzidos na Alemanha (preços mínimos), uma política que obrigue os atacadistas e varejistas a importarem alimentos produzidos de acordo com os padrões alemães, que pelo menos 80% da carne, leite e cereais fornecidos à população sejam de origem alemã e outras questões técnicas sobre fertilizantes, bem como agilidade no suporte financeiro para alívio dos efeitos da pandemia.

Já o grupo Freien Bauern (agricultores livres) pede rotulagem obrigatória de origem das matérias primas utilizadas nos alimentos, nenhuma ratificação de acordos de livre comércio com o Canadá e países do Mercosul e fim da regulamentação de fertilizantes, entre outras questões.

Agricultores rumo a Berlim, ainda na madrugada do dia 25/1. Foto: Eure Hatter Landwirte.

Tratores cercam importantes prédios do governo em Berlim

 

As manifestações de 2019

Segundo o canal Moderner Landwirt no Youtube (vídeo acima), mais de 8600 tratores e 40000 agricultores foram para Berlim nos protestos de 2019. O Portão de Brandemburgo virou um grande estacionamento de máquinas agrícolas. Se depender dos grupos organizados, vão repetir o sucesso do evento, apesar da pandemia.

 


23 de janeiro de 2021

Partido Comunista da Índia está por trás dos tratoraços no país


Partido Comunista da Índia




 

Partido Comunista da Índia

 

Os agricultores da Índia preparam o que deverá ser o maior protesto da história do país e um dos maiores do mundo em número de tratores nas ruas para o próximo dia 26 de janeiro. Por trás de muitos destes grupos de descontentes está a mão do Partido Comunista da Índia, inflando os protestos e organizando as marchas.

Os marxistas do CPI postam abertamente nas redes sociais os preparativos para os protestos e os pré-eventos organizados nas pequenas cidades, rumo ao grande encontro na capital do país, Nova Déli.

Acima: fotos de agricultores e seus tratores em preparação: fonte Twitter do Partido Comunista da Índia.

O Partido

O PCI (M) foi formado no Sétimo Congresso do Partido Comunista da Índia realizado em Calcutá de 31 de outubro a 7 de novembro de 1964. O PCI (M) nasceu na luta contra o revisionismo e o sectarismo no movimento comunista no âmbito internacional e a nível nacional, a fim de defender os princípios científicos e revolucionários do marxismo-leninismo e sua aplicação apropriada nas condições indianas concretas.

O PCI (M) combina a bela herança da luta anti-imperialista e o legado revolucionário do indiviso Partido Comunista fundado em 1920. Ao longo dos anos, o Partido emergiu como a principal força de esquerda do país. O PCI (M) tem crescido constantemente desde a sua formação em 1964. O número de membros do Partido, que era de 118.683 na altura da sua formação, cresceu para 10.00.520 em 2018. O Partido tem procurado aplicar de forma independente o marxismo-leninismo ao Condições indianas e para elaborar a estratégia e táticas para uma revolução democrática popular, que pode transformar a vida do povo indiano.

O PCI (M) está empenhado em realizar esta transformação básica, realizando um programa para acabar com a exploração imperialista, grande burguesa e latifundiária. O PCI (M), como partido de esquerda líder, está empenhado em construir uma frente de esquerda e democrática que possa apresentar uma alternativa real às políticas existentes da burguesia-latifundiária.

Nas últimas eleições, o PCI (M) tem disputado em média 15 por cento do total de cadeiras. (A Índia segue o sistema “primeiro após o posto” e a representação não proporcional) Nas eleições de 2019 para a Lok Sabha (câmara baixa do Parlamento indiano), o PCI (M) ganhou 3 assentos. A Câmara Baixa do Parlamento tem uma força de 543. No Rajya Sabha (Câmara Alta), o CPI (M) tem 5 membros.

O PCI (M) está atualmente chefiando um governo estadual – Kerala. Em Kerala, a Frente de Esquerda Democrática liderada pelo CPI (M) foi eleita nas eleições realizadas em 2016. O governo da Frente de Esquerda liderado pelo CPI (M) esteve ininterruptamente no poder em Bengala Ocidental desde 1977 até maio de 2011. A Frente de Esquerda liderada pelo CPI (M) dirigia o governo em Tripura até 2018

O CPI (M) tem representação nas seguintes assembléias legislativas nos estados de Kerala, Bengala Ocidental, Tripura, Rajasthan, Himachal Pradesh, Jammu e Caxemira, Odisha e Maharashtra.

Fonte: Site do partido.

 


19 de janeiro de 2021

Tratoraço na Índia: agricultores preparam o maior protesto na história


tratoraço na índia




Os agricultores estão prometendo um grande tratoraço na Índia para o próximo dia 26 de janeiro, data nacional do país quando festejam o Dia da República, ou R-day.

Em 26 de janeiro de 1950, a atual constituição da Índia entrou em vigor. No mesmo dia, em 1930, foi declarada a independência (conhecida como Purna Swaraj), deixando o país livre do domínio britânico. É uma dupla comemoração.

Protestos menores considerados “ensaios” para o grande dia já são organizados em diversas regiões, com a saída destes locais programada para os dias 20 e 21, rumo à capital, Delhi.

Tratoraço na Índia – os motivos

Nós já contamos aqui no Blog do Farmfor sobre esta instabilidade na Índia, causada por reformas do governo que pretendem mudar subsídios agrícolas e quebrar monopólios do governo. Relembre em Agricultores vão para as ruas na Índia contra as reformas do Governo, publicado em novembro de 2020.

Há uma briga na justiça tentando barrar o protesto neste dia, já que entra em conflito com as comemorações nacionais previstas para a área central da cidade. Os agricultores (e os sindicatos) prometem não atrapalhar, deixando um número estimado em 25 mil tratores protestando apenas na periferia.

Curiosidade

A página do Farmfor no Facebook (se você ainda não segue, faça o favor) costuma receber diversas mensagens de agricultores da Índia, pedido ajuda na divulgação dos protestos.

Veja também

Farmer unions build up for Republic Day tractor parade with village-level rallies 

AAP to join Jan 26 tractor parade ‘as a farmer’: Bhagwant Mann


28 de novembro de 2020

Agricultores vão para as ruas na Índia contra as reformas do Governo


agricultores vão

Seguidores da nossa página no Facebook estão mandando relatos da situação na Índia: milhares de agricultores estão marchando do estado de Punjab até a capital do país, Nova Delhi, para protestar contra a reforma agrícola em curso.

Recebidos com jatos de água e bombas de gás lacrimogênio pelas forças do governo, os agricultores reclamam do que chamam de “privatização do setor agrícola” e reformas injustas.

As Leis

Segundo o site indiano ZeeNews, três pacotes de leis pretendem aumentar os canais de comercialização, quebrar monopólios (incluindo mercados públicos controlados pelo próprio governo) e criar bases para contratos envolvendo agricultores. O principal temor dos líderes está na possibilidade destas leis criarem um caminho para o fim do sistema de preço mínimo adotado no país. Dos 31 sindicatos presentes nos protestos, 13 possuem ligação direta ou indireta com partidos comunistas.

Imagens dos protestos na BBC.

Estima-se que os governos dos estados na Índia também perderão arrecadação: só em Punjab, 13% dos impostos arrecadados são oriundos dos mercados públicos estatais. Agricultores vão protestar e o governo vai com uma mão jogar gás e jatos dágua. Com a outra, lamentar a perda de dinheiro. Uma briga atípica que o mundo agrícola conhece bem.

 


7 de junho de 2020

O dia em que agricultores jogaram cobras venenosas em prédio do governo na Índia


cobras venenosas

Agricultores jogaram 40 cobras venenosas em escritório da “Receita Federal” indiana para protestar contra cobrança de propinas e morosidade nos serviços

Em 2011, dois agricultores da região de Lucknow no estado indiano de Uttar Pradesh, perderam a paciência com as autoridades tributárias do país. Como resultado, resolveram protestar de forma mortal: descarregaram 3 sacos com 40 cobras – algumas venenosas – no escritório do equivalente a nossa Receita Federal.

A aventura virou notícia no britânico Daily Mail na época.

O incidente gerou pânico nos funcionários, que subiram nas cadeiras para escapar das cobras, enquanto outros tentavam matar com pedaços de pau as serpentes. Ninguém ficou ferido ou foi picado.

Os autores do atentado foram identificados como Hukkul Khan e Ramkul Ram. O último, além de agricultor é um conhecido encantador de cobras da região. É o homem chamado nos vilarejos quando uma cobra é encontrada nas propriedades, daí a experiência com o assunto e o grande estoque disponível de cobrar assassinas em casa.

Apesar de tudo, ninguém foi preso.

Veja também

Agricultor solta abelhas em oficial de justiça e vai parar na cadeia na França.


28 de maio de 2020

Agricultores nas ruas da Alemanha pedem a demissão de políticos


agricultores nas ruas

Relatório ambiental colocou agricultores como culpados pela extinção de algumas espécies de animais. A resposta foi rápida: tratores nas ruas

Na sequência dos eventos já relatados aqui no blog com o texto “Mais de 1700 agricultores protestam contra o governo na Alemanha“, os agricultores voltaram para as ruas do país para encarar o governo. Agora, pedem a demissão da Ministra do Meio Ambiente Svenja Schulze e Dalva Flasbarth, uma secretária também da área ambiental.

Um relatório do ministério apontou que os agricultores são responsáveis também pela extinção de espécies de animais (principalmente borboletas, outras espécies de insetos e pássaros). Para quem estiver com o idioma em dia, o documento pode ser acessado aqui.

Um mar de tratores nas ruas.
https://www.facebook.com/topagrar/videos/549172272655653/

Agricultores nas ruas da Alemanha: veja também

Schwere Zeiten für Schmetterlinge


3 de fevereiro de 2020

Agricultores jogam toneladas de esterco em praça durante protesto na França


esterco em praça

Por trás dos protestos, uma nova lei que limita a área de plantio nas propriedades agrícolas francesas, em vigor desde primeiro de janeiro

Os agricultores franceses mostraram toda a raiva contra o governo nesta segunda, 3 de fevereiro. Um grupo pilotando mais de 120 veículos agrícolas, principalmene tratores e carretas, se dirigiu até a Praça Foch na localidade de Saint-Omer (perto de Calais) e despejou toneladas de esterco no chão.

A praça da cidade, já cheirosa durante o protesto.

Os protestos foram motivados por uma nova lei federal que institui a chamada “Zona de Não Tratamento”, uma área ao redor das residências onde fica proibida a aplicação de defensivos agrícolas. Em alguns casos, a área chega a ser de 10% da propriedade.

As fotos dão de MARC DEMEURE – VDNPQR via La Voix Du Nord.

Os agricultores querem revisões na lei, compensação financeira pelas perdas e moratória para dívidas.

Muitos alegam que foram pegos de surpresa pela nova regulamentação e estão com dívidas nos bancos e impostos para pagar, tudo baseado é claro na área total da propriedade para cultivo.

Esterco na Praça – Saiba mais:

Saint-Omer: des agriculteurs en colère ont recouvert la place Foch de terre.

Veja também

Agricultores realizam protesto gigante na França.


27 de dezembro de 2019

Agricultores argentinos protestam contra medidas do novo governo


agricultores argentinos

Agricultores argentinos colocam tratores nas ruas e destroem lavouras de soja em protesto contra o aumento de impostos do novo governo socialista

O novo governo do socialista Alberto Fernandez começou com o pé esquerdo (sem trocadilho) com os agricultores argentinos. As medidas econômicas aprovadas pelo Senado acabaram levando os produtores com seus tratores para as ruas nesta sexta, dias depois de imagens com lavouras de soja destruídas tomaram conta da internet.

https://twitter.com/BlueValerie_/status/1210736748470259712

Entre as novas políticas econômicas do país estão a taxação de 30% para a compra de dólares americanos e aumento de impostos para exportações agroindustriais.

Os impostos para exportação de soja e derivados poderá ficar em 33%. Milho, trigo, sorgo, girassol e cevada em 15%. Carnes, produtos lácteos hortaliças, madeira e manufaturados de algodão, 9%.

Entidades que representam produtores já estão em ampla negociação com o governo para rever as políticas. Leia em El Gobierno analiza cambios en el esquema de retenciones, do site Cadena 3.

O projeto LEY DE SOLIDARIDAD SOCIAL Y REACTIVACIÓN PRODUCTIVA EN EL MARCO DE LA EMERGENCIA PÚBLICA pode ser baixado inteiro (em espanhol) neste link.


7 de dezembro de 2019

Ignorados, agricultores da Alemanha protestam acendendo fogueiras


Ignorados

O final de semana é de protesto na Alemanha. Desta vez, a briga pegou fogo, literalmente. A semana também promete grandes manifestações.

Desde meados de novembro, os agricultores da Alemanha estão organizando enormes protestos no país contra as políticas do governo federal, como já abordamos aqui no blog em “Agricultores cercam Berlim e colocam 5000 tratores nas ruas da capital“.

Ignorados em suas reivindicações, os produtores rurais organizaram o acendimento de fogueiras em diversas partes do país, apelidadas de “fogueiras de alerta”.

Os ignorados não vão ficar apenas nas fogueiras

O final de semana é apenas para concentração. Está previsto outro mega protesto para terça, 10 de dezembro, com o fechamento de uma importante estrada da Alemanha, a Mainzer Straße, durante 8 horas. A previsão inicial é de 2500 participantes, mas com a esperança de que 9000 tratores compareçam.

Os protestos de hoje na região de Chiemgau. Acessem o site samerbergernachrichten.

Para relembrar: os agricultores são contra a tentativa do banimento do glifosato e o controle da adubação, questões que estão entre os objetivos do governo federal na Alemanha, além na narrativa crescente de culpar o campo por todos os males ambientais no país (e até no mundo).


26 de novembro de 2019

Agricultores cercam Berlim e colocam 5000 tratores nas ruas da capital


agricultores cercam berlim

Agricultores da Alemanha dobram a aposta e colocam ainda mais máquinas nas ruas da cidade, nesta nova etapa dos protestos contra as políticas agrícolas do governo federal

A pauleira na Alemanha não é brincadeira: os agricultores cercam Berlim em número recorde nesta terça, 26 de novembro. Estima-se que 10000 estão nas ruas com 5000 tratores. Os protestos são contra as políticas do governo federal que atacam em cheio os produtores.

Em outubro de 2019, nós comentamos aqui no Blog do Farmfor, em Mais de 1700 agricultores protestam contra o governo na Alemanha sobre a situação no país. Sem solução, os agricultores escalaram o movimento.

Entre as medidas pretendidas pelo governo que mais enfurecem os agricultores estão a limitação da adubação nitrogenada e a proibição do uso de glifosato em 2023.

https://www.facebook.com/landschafftverbindung/videos/727887307706536/

Os comboios com tratores entraram na cidade ainda durante a noite, causando congestionamentos de mais de 20 km.

O movimento batizado de Land schafft Verbindung (o campo cria conexões, em uma tradução livre) foi todo organizado pelas redes sociais.

Agricultores Cercam Berlim – Fotos

Foto de Monika Skolimowska
Foto de Kay Nietfeld
Foto de Bernd von Jutrczenka

Saiba mais:

5600 Trecker in Berlin: Bauern-Protest gegen Agrarpolitik.

Liveticker: Das sagten die Redner bei der Bauern-Kundgebung.

Página do movimento no Facebook.


23 de outubro de 2019

Mais de 1700 agricultores protestam contra o governo na Alemanha


agricultores protestam

Os tratores foram para as ruas na cidade de Oldenburgo para protestar contra o pacote agrícola do governo federal

Os agricultores da região da Baixa Saxônia, na Alemanha, tomaram as ruas da cidade de Oldemburgo para protestar contra as políticas agrícolas do governo alemão.

Um mar de tratores na Alemanha.

A polícia confirmou o número de 1700 veículos e congestionamentos de mais de 10 km nos arredores da cidade, tamanha demonstração de força que você confere no vídeo abaixo:

Outras cidades estão recebendo protestos similares, em grande número. Entre as políticas do governo federal que geraram a onda de protestos estão a proibição do uso do glifosato no país após o ano de 2023 e o limite do uso de fertilizantes (em especial N e esterco). No final das contas, é a vilanização do agricultor alemão, taxado de poluidor e culpado de vários males ambientais.

Saiba mais

German farmers shut down streets in nationwide protest against government plans.

Trecker-Kolonne hat Oldenburg wieder verlassen.


2 de outubro de 2019

Holandeses colocam 2200 tratores na rua contra o governo


holandeses

Protesto foi realizado no dia primeiro de outubro e juntou mais de 10 mil agricultores holandeses insatisfeitos com as políticas para o setor

Os agricultores holandeses se organizaram e tomaram as ruas e estradas até a cidade de Haia, para protestar contra diversas políticas do governo, em especial, o endosso da narrativa que coloca os produtores como culpados das mudanças climáticas.

Segundo o jornal La Vanguardia, a polícia forneceu a contagem oficial de 2200 tratores na concentração final do evento, com 10 mil pessoas participando. Apenas 75 tratores estavam autorizados para entrar na manifestação, mas todos os bloqueios montados foram furados. Como efeito, 1136 km de engarrafamentos na região também foram registrados.

Imagens do protesto, direto do canal The Netherlands & Dutch Culture.
Imagens noturnas dos comboios, via canal Miché Media.

O manifesto dos holandeses

O grupo Agractie, um dos organizadores dos protestos, emitiu uma espécie de manifesto em seu site:

“Nos últimos anos, políticos, mídia e ativistas esboçaram uma imagem negativa dos agricultores. Não somos traficantes de animais e poluidores ambientais; somos apaixonados por nosso setor. A falta de confiabilidade do governo e das autoridades é uma razão para que protestarmos. Os problemas da Holanda não pertencem aos nossos pratos “.

Imagem da concentração final.

O que vem acontecendo no país e revoltando o setor: uma comissão do governo federal sugeriu recentemente em um relatório que seria adequado o fechamento de propriedades rurais ineficientes, especialmente as produtoras de suínos e aves, além de colocar limites no tamanho das já em operação “adequada”.

Os agricultores holandeses estão de parabéns. Já o resultado das manifestações, só o tempo poderá revelar.

Uma cobertura completa dos acontecimentos está neste site (em inglês).

Veja também: Agricultores realizam protesto gigante na França.


15 de fevereiro de 2019

Pecuaristas italianos jogam leite de viaduto em protesto pelos preços baixos


Pecuaristas italianos

Grupo deu um banho de leite nos veículos que passavam por rodovia movimentada na Sardenha

Produtores de leite da Sardenha, ilha italiana de 1,6 milhão de habitantes no mar Mediterrâneo, foram para a rua protestar contra o preço do leite e as práticas do mercado no país.

O preço pago ao produtor por lá é o mais baixo desde 1970, cerca de 56 centavos de euro por litro.

Além de jogar milhares de litros no chão da rodovia, parte do grupo subiu em um viaduto e promoveu uma pequena chuva de leite, dando um banho nos carros e caminhões que passavam pelo local. Outro grupo fez um protesto parecido em um bairro de Roma, mas incluindo farta distribuição de queijo para a população.

Via NBC News.


9 de fevereiro de 2018

Agricultores realizam protesto gigante na França


Agricultores realizam protesto

Estradas trancadas, pneus queimados e despejo de esterco nas ruas para defender a manutenção dos subsídios aos agricultores franceses

 

Na última quarta, 8 de fevereiro, centenas de agricultores franceses foram para as ruas “tocar o terror” contra o governo do país, trancando estradas, linhas de trem, queimando pneus e despejando cargas de esterco ou feno em locais estratégicos.

As atividades são em protesto contra medidas do governo que pretendem diminuir os subsídios agrícolas, fazendo com que o faturamento de alguns produtores perca até 7000 euros por ano.

Os protestos acontecem principalmente na região de Occitânia, no sudeste da França.

Saiba mais sobre as manifestações pelo Twitter, acompanhando as hashtags #agriculteurs mais recentes ou pela #ManifestationsAgricoles.

Mais informações também pelo Farmers Weekly. As imagens são de propriedade de Fred Scheiber/Sipa/ Rex/Shutterstock.


6 de dezembro de 2017

Agricultores fecham terminal da Petrobras em Passo Fundo


Petrobras em Passo Fundo

O protesto é contra o aumento do preço dos combustíveis

 

Agricultores, sindicatos rurais e movimentos políticos estão realizando um protesto em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul. Organizados, foram até o portão do terminal da Petrobras na cidade e bloquearam o portão. Desta forma, os caminhões não saem para o abastecimento dos postos de gasolina.

O protesto é contra o aumento de combustível e até mesmo pelo preço do gás de cozinha.

 

 

É preciso protestar também contra o monopólio da estatal, única alternativa no comércio de combustíveis no país.


8 de novembro de 2017

Morte de agricultor gera protestos em Passo Fundo, RS.


Morte de Agricultor

Tratores na rua para exigir mais segurança no campo e respeito das autoridades

 

No dia 25 de outubro, bandidos invadiram uma propriedade na localidade de São Roque, interior de Passo Fundo. Na empreitada, balearam o agricultor Antônio Roberto Lubian, de 58 anos. A vítima ligou para o 190 durante a invasão e os atendentes chegaram a ouvir os tiros pelo telefone enquanto prestavam o serviço na central.

Quando chegaram no local, os policiais encontraram o agricultor baleado na varanda da casa. Levado ao hospital, não resistiu aos ferimentos e faleceu. Um dos bandidos foi capturado no mesmo dia: tratava-se de um foragido do regime semi-aberto.

No dia 30, vazou na internet o decreto de prisão preventiva do bandido. Além das formalidades, o documento do Juiz de Direito Dalmir Franklin de Oliveira Junior continha um parágrafo que causou revolta na população:

Diante da informação prestada pelo preso em seu depoimento de que sofreu agressões, comprovadas pelo atestado médico-legal (fl. 23), e da não apresentação do flagrado para audiência de custódia, o que pode ser verificado no termo de audiência retro, oficiem-se à Polícia Civil (DPPA) e à Brigada Militar, solicitando-lhes que investiguem eventual ocorrência de abusos. Do mesmo modo, oficie-se à Comissão de Cidadania e Direitos Humanos do Estado do Rio Grande do Sul, para ciência e providências.

A preocupação com o bem-estar do bandido e a suposta ameaça ao trabalho da polícia foram o estopim para que os sindicatos rurais da cidade organizassem um protesto em frente ao fórum, marcado para a última terça, 7 de novembro.

 

 

Um dia antes do protesto, o diretor do Fórum de Passo Fundo, Juiz de Direito Alan Peixoto de Oliveira, emitiu uma nota de esclarecimento sobre o caso:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Neste momento, entende-se imprescindível esclarecer a sociedade de Passo Fundo, em especial, os moradores da Localidade de São Roque, sobre a atuação do Poder Judiciário no caso que envolveu o lamentável crime de latrocínio que atingiu aquela comunidade.

Logo após a prisão em flagrante, enviado o auto ao Juiz de Plantão, foi decretada a prisão preventiva do indiciado. Conforme determina a lei e exige o Conselho Nacional de Justiça – artigo 7.5 da Convenção Interamericana de Direitos Humanos (Pacto de San José da Costa Rica), após a prisão, foi realizada audiência de apresentação/custódia do detido, sem que o mesmo fosse conduzido pela SUSEPE (Superintendência de Serviços Penitenciários) até a presença do Juiz.

Durante o ato, a advogado de defesa insistiu na apresentação do preso, alegando que ele estaria ficado bastante lesionado por causa da prisão, o que não se pode verificar no ato processual, já que o preso não estava presente. Todavia, o próprio advogado advertiu que, no auto de prisão em flagrante, constava o exame de lesões.

Assim, sem condições de averiguar a veracidade das informações prestadas pelo advogado, e diante de possível ocorrência de abuso de autoridade e lesões corporais, consubstanciada pelo auto de exame, o Juiz Plantonista determinou a expedição de ofícios à Brigada Militar, Polícia Civil e Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Estado, todos órgãos encarregados de investigar e averiguar as circunstâncias em que ocorreu a prisão e as lesões supostamente sofridas pelo detido.

Importante registrar que os fatos poderiam ter sido esclarecidos em audiência, mas lamentavelmente não o foram pela falta de condução. Não pode uma autoridade pública, em especial o Juiz de Direito, diante da possível ocorrência de ilícito que atinge qualquer cidadão, omitir-se da adoção das providências necessárias para a apuração.

O Magistrado é responsável pela garantia do direito de todos e deve primar pelo respeito à lei.


23 de janeiro de 2017

Agricultores europeus espalham toneladas de leite em pó na rua


Agricultores europeus

Protesto contra o preço baixo do leite deixou branca a sede da Comissão Européia em Bruxelas

 

Os produtores de leite europeus estão furiosos com a política de preços da UE. Nesta segunda, mandaram um recado para o continente, espalhando toneladas de leite em pó nas ruas em Bruxelas, na Bélgica.

 

 

Produtores da Bélgica, Alemanha e França se uniram para exigir da UE mais medidas para o controle de produção, especialmente depois da liberação de cotas de produção em 2015. A relação entre pequenos e grandes produtores no mercado é uma bagunça e, para ajudar, a UE colocou no mercado, recentemente, 22 mil toneladas de leite em pó, diretamente do estoque regulador.

 

 

 

O protesto foi organizado, em parte, pela Via Campesina.



Publicidade