Tag: Bovinocultura

22 de maio de 2021

Bezerro de três olhos é encontrado no Reino Unido


bezerro de três olhos

bezerro de três olhos

A veterinária que fez a descoberta do bezerro de três olhos disse que nunca viu nada igual

A veterinária Malan Hughes estava realizando uma inspeção de rotina na região de North Wales, no Reino Unido, fazendo exames de tuberculose em bovinos quando encontrou um bezerro saudável com três olhos. O terceiro, bem no meio da testa.

A foto foi postada no Twitter no dia 10 de maio e chamou a atenção de um grande número de pessoas, de protetores de animais pedindo mais informações para que o bezerro seja transferido para um abrigo de animais “especiais” até habitantes da Índia que ficaram bem “tocados” pelo animal. E não é por nada: um bezerro que nasceu assim por lá sete anos atrás – batizado de Lord Shiva –  virou uma espécie de divindade, adorada pelos locais que fazem peregrinações para visitá-lo. O tereceiro olho representa (para os hindus) sabedoria.

O bezerro da raça British Blue tem quatro meses de idade e não há informação se o “terceiro olho” é funcional.

Veja também

Calf with three eyes is unlike any animal vet has ever seen

Bizarre three-eyed calf one of strangest things ever seen by Gwynedd vet


13 de fevereiro de 2021

Arroba da Vaca ou do Boi: como surgiu a unidade de medida para gado


arroba da vaca

Arroba da Vaca ou do Boi – você já ouviu esta frase por aí

A arroba da vaca ou do boi é uma expressão comum no cotidiano do agronegócio brasileiro. A arroba é uma unidade de massa que equivale em terras brasileiras a 15 kg.

Em “terras brasileiras” pois o valor difere de país para país. Na Arábia Saudita, equivale a 11,3 kg. Em regiões da Espanha 16,3 kg e no Brasil e em Portugal 14,688 kg, arredondados para 15kg.

Taula de Ariza, texto de 1448 com o que pode ser o primeiro uso registrado de @ no mundo.

Uma arroba equivale a quarta parte do quintal  – o nome arroba vem do árabe al-rub (quarta parte) ou arrúb no árabe hispânico -, outra unidade de medida. O quintal era considerado pelos antigos como o peso que uma mula poderia carregar. Para deixar tudo mais complicado, este também tinha variações.

Pausa no preço do boi gordo para falar do @ “arroba” da internet

 

arroba da vaca

O arroba do teclado e símbolo que separa o usuário do servidor no endereço de e-mail tem uma origem diferente. Ele começou a aparecer nas máquinas de escrever antes do final do século 19 para ser usado como “A Comercial”. Nos países de língua inglesa, o @ era abreviatura de “comercial at”, antecedendo o preço dos produtos por unidade. Ex. 3 livros @ £20 = £60. Via Wikilengua.

Cotações – Preço do Boi Gordo e outras, consulte aqui.

Veja mais Curiosidades no Blog do Farmfor.


19 de outubro de 2020

Robô da Lely corta o pasto e entrega na boca das vaquinhas


robô da lely

O Lely Exos é um conceito de robô que promete auxiliar os produtores na alimentação dos bovinos, tudo de forma autônoma

Imagine um robô que sabe da necessidade nutricional de cada vaca do rebanho, sai do galpão, corta o pasto e entrega direto para o animal, tudo de forma automática. Este é o Lely Exos, da tradicional fabricante de equipamentos para gado leiteiro localizada na Holanda.

Assista – novo robô da Lely

Aparência do Lely Exos.
Protótipo em atividade.

O conceito do robô foi apresentado ao mercado no início de Outubro, com a promessa de diminuir custos na mão de obra e na alimentação dos bovinos, oferecendo o pasto “fresco” sob demanda.

Veja também

Lely Multipower 420, um dos maiores tratores dos anos 70.


24 de setembro de 2020

Ciclistas ajudam no parto de uma vaca no interior de São Paulo


ciclistas ajudam

O parto diferenciado aconteceu em uma propriedade de São José do Rio Preto e virou notícia nos principais portais do país

Uma turma de ciclistas fazia o passeio de sempre pela zona rural da região de São José do Rio Preto, no estado de São Paulo, quando algo inusitado (para o grupo) acontecia bem ali, na beira da estrada: uma vaca deitada no pasto, parindo um bezerrinho. O caso aconteceu no dia 15 de setembro.

A reação automática da empresária e ciclista Sandra Noeli foi a de pular a cerca e, acompanhada de um colega, dar uma força no parto, puxando o animal. Depois de alguns minutos de trabalho, o bezerrinho saiu. A façanha foi gravada em vídeo, que foi parar nas redes sociais e o resto é história.

Foto: reprodução do Facebook.
https://www.facebook.com/sandra.noeli.9/posts/1022292488233264

O fato repercutiu em vários sites de notícias do Brasil e foi parar na Rede Globo, no programa Encontro Com Fátima Bernardes. No dia da exibição, sem a apresentadora oficial.

Não querendo estragar a história, segundo veterinário consultado pelo G1, o parto da vaca aconteceria de forma normal, mesmo sem a ajuda do grupo de ciclistas. Mas valeu a experiência. E fica aqui o nosso abraço para a Sandra (a parteira ciclista) e seus colegas.

Ciclistas ajudam no parto de vaca – veja também

Todos os posts sobre bovinocultura no Blog do Farmfor.


4 de abril de 2020

Coronavírus causa descarte de leite nos Estados Unidos


coronavírus causa descarte

Produtores americanos também estão sofrendo com o cancelamento de contratos e já descartam milhares de litros de leite nas fazendas

Os efeitos da pandemia de coronavírus estão afetando os produtores rurais em diversos países do mundo. Como já divulgamos aqui recentemente sobre a situação em Portugal com o descarte de leite de ovelha, desta vez destacamos os problemas relatados nas redes sociais pela produtora e ativista do agro Nikki Boxler, da Boxler Maple Farms.

A produtora usou o Instagram para desabafar sobre a situação na propriedade onde foi obrigada a descartar uma carreta inteira de leite recentemente, por ordem do laticínio. “A indústria de laticínios é a primeira a sentir o efeito das grandes crises, por trabalhar com um produto tão perecível”, relata.

Uma carreta inteira de leite descartado.

O leite foi descartado pois a indústria está com o estoque cheio, sem condições de receber mais caminhões. Ao mesmo tempo, sem vender por conta do fechamento de escolas, restaurantes e serviços de fornecimento de refeições.

https://www.instagram.com/p/B-k8KT9lwm0

A propriedade de Nikki Boxler fica no estado de Nova York, um dos mais afetados no país pela pandemia de coronavírus.

Coronavírus causa descarte também em outros estados americanos

https://www.facebook.com/HartschuhDairyFarm/videos/238070283982738/
No estado de Ohio, a Hartschuh Dairy Farm mostra nas redes o mesmo problema.

Segundo o jornal USA Today, propriedades no estado de Wisconsin chegam a jogar fora quase 100 mil litros de leite por dia por não conseguir entregar nos laticínios. Por enquanto, as cooperativas ainda estão pagando os produtores, mesmo no leite descartado. Mas o caixa não é eterno e não se sabe quanto tempo a situação ruim irá durar.


12 de fevereiro de 2020

Produtor de leite desafia o “Coringa”: venha conhecer a vida na fazenda


Coringa

Reação veio após discurso militante do ator que interpretou o vilão Coringa, Joaquin Phoenix, durante o Oscar 2020

O ator Joaquin Phoenix tem uma vida paralela no ativismo vegano desde muito tempo. Em alta por conta do papel no filme Coringa, faturou o prêmio de melhor ator no Oscar de 2020. Durante o discurso “da vitória”, aproveitou o momento e disparou a velha narrativa vegana contra os produtores de leite.

O discurso legendado do Coringa Joaquin Phoenix. Créditos: canal Imperador das Legendas no Youtube.

Eu acho que estamos muito desconectados do mundo natural. Nos sentimos no direito de inseminar artificialmente uma vaca e quando ela dá a luz nós roubamos sua cria, mesmo que ela chore. Então pegamos o seu leite e colocamos no café ou em nosso cereal“, disse o ator, entre outras afirmações.

O Coringa (em sua versão “civil”).

Pois um produtor de leite do estado de Wisconsin, nos EUA, não gostou do trololó do ator e fez um desafio ao homem que até então nem conhecia: “venha até a minha propriedade e conheça a realidade da vida na fazenda. Você não tem ideia de como são as coisas por aqui. Venha passar algumas horas aqui. Nosso trabalho é muito importante: ajudar a alimentar o mundo. E o que você faz, Sr. Phoenix? Ah sim, entreter o mundo.“.

O desafio foi feito através da TV local WISN, afiliada da rede ABC.

A Federação Nacional dos Produtores de Leite também não gostou nada do discurso

A nota da federação americana foi matadora. “O trabalho duro dos produtores de leite vai continuar ainda muito tempo depois das pessoas já terem esquecido quem ganhou o Oscar de melhor ator em 2020“.

Lacre no palco, resposta rápida das entidades e produtores. É assim que se faz.

Veja também

Ativistas dos direitos dos animais invadem propriedade e matam leitões


5 de dezembro de 2019

Evolution S4 – alimentador automático para bezerros


Evolution S4

Sistema realiza a automação da alimentação individual de até 140 bezerros e é todo controlado por computador

A JFC Agri é uma empresa da Irlanda que desenvolve soluções para a pecuária e outras áreas, de cochos “normais” até o fantástico Evolution S4. O sistema é praticamente uma “mamãe robô” para os bezerros.

O Evolution S4 monitora até 140 bezerros e disponibiliza dietas personalizadas (até 7 programas nutricionais) para cada animal.

O sistema é composto por um mixer e dispenser e o alimentador em si. Abaixo, fotos e vídeo:

As unidades principais do sistema
O painel de controle.
O bezerro acessa o alilmentador.
Operação do sistema.

Evolution S4 – Vídeo

O preço do sistema ná é divulgado abertamente, mas você pode entrar emcontato com o fabricante no site.


30 de setembro de 2019

Produtora faz sucesso com venda de protetores de orelha para bovinos


protetores de orelha

Ideia veio depois da perda de um galpão da propriedade em um incêndio. Proteger os animais é essencial no inverno rigoroso do estado de Wisconsin, nos EUA

A pecuarista Holly Poad, da fazenda Triple P na cidade de Lone Rock, no frio Wisconsin (EUA), acabou ficando sem o principal galpão da propriedade após um incêncio.

Preocupada com a proteção dos bezerros, criou uma gambiarra para não permitir que o frio queime as orelhas dos animais: uma espécie de protetor de orelha misturado com touca que ganhou o nome de Moo Muffs. O inverno por lá chega fácil nos 10C negativos.

Os protetores de orelha não são novidade: pecuaristas de regiões mais frias no hemisfério norte adotam a prática. Foto: Cans Moleman, da Irlanda.

O primeiro protótipo não passava de um pedaço de pano com alguns botões, mas evolui para uma peça com corte melhorado e tecido à prova d’água. O Moo Muffs ficou conhecido na internet e as pessoas começaram a encomendar peças. Hoje já existe parceria com uma confecção americana para a produção em série do invento.

https://www.facebook.com/moomuffs/videos/623706161386999/
Moo Muffs: o acessório não atrapalha o bezerro na hora da mamada.

Protetores de Orelha na Internet

O Moo Muff custa US$ 20,00 e é vendido diretamente pelo Facebook, em uma página dedicada ao produto.

Saiba mais: A farmer invented ‘calf earmuffs’ to keep newborn calves warm and the photos are adorable.

Leia também:

Pecuarista faz campanha para participar do programa Ellen DeGeneres.

Anuland FieldSense, o monitor de pasto com inteligência artificial.


15 de setembro de 2019

Anuland FieldSense, o monitor de pasto com inteligência artificial


abuland fieldsense

O dispositivo usa sensores, câmeras e inteligência artificial para monitorar pastos e mandar dados diários para o aplicativo que acompanha o produto

O FieldSense é um lançamento da empresa irlandesa Anuland que promete revolucionar a administração de pastagens com a geração contínua de informações sobre o estado dos campos.

O dispositivo é um pequeno “poste” que fica instalado no meio da pastagem que monitora solo, rendimento das plantas, umidade e adubação, tudo alimentado por energia solar e baterias.

Os dados são enviados para a internet, para monitoramento e análise constante dos aplicativos que acompanham a solução.

O sistema está em fase de lançamento e deverá custar cerca de 170 euros mensais e 500 para a instalação (com um contrato mínimo de 12 meses). Saiba mais no site de pré-venda.


24 de julho de 2019

Pai é suspeito de envenenar o rebanho do próprio filho na França


envenenar o rebanho

Briga de família teria resultado em diversos problemas para casal que tentou inovar na propriedade localizada no interior da França

Brigas de família envolvendo algum tipo de sucessão rural não são raras, mas esta superou todos os limites. Um pai é o principal suspeito do envenenamento do rebanho do próprio filho, matando cerca de 140 animais.

A polícia francesa está investigando a morte dos animais e outros eventos “misteriosos” ocorridos na propriedade que fica na cidadezinha de Pageas, de apenas 603 habitantes.

Tudo começou em 2009, quando Pascal Chazelas (o filho) assumiu a propriedade da família, recém saído da escola agrícola e cheio de ideias mais modermas para aplicar na produção. O pai, Jean-Louis, era contrário a qualquer novidade.

Antes da morte dos animais, vários eventos “misteriosos” aconteceram no local: pneu do trator cortado, cano de irrigação quebrado da noite para o dia e o galpão dos animais aberto no meio da madrugada.

Depois que os dois gatos da famíllia morreram “do nada”, o próprio Pascal começou a ficar doente. No hospital, foi diagnosticada a ingestão quase mortal de um metal pesado. Logo após este episódio, foi descoberto que o pai de Pascal comprou uma apólice de seguro onde ele seria o único beneficiário da morte do próprio filho, com um prêmio de 150 mil euros.

O casal e uma sobrevivente.

Já as 140 vacas mortas por envenenamento foram para o laboratório e por lá identificaram uma altíssima quantidade de nitritos e nitratos nas carcaças.

A perda do rebanho ocasionou prejuízos para toda a comunidade, já que a propriedade mantinha negócios com diversas pessoas da pequena localidade. Mesmo com a questão do seguro e todo o histórico das brigas familiares, o pai ainda não passa de um suspeito, de acordo com a polícia. Faltam provas.

O casal está organizando uma “vaquinha” pela internet, para tentar dar a volta por cima e cobrir os prejuízos, neste endereço.

Saiba mais: Mysterious ‘poisoning’ of 140 cows as French farmer feuds with his father.

Leia também: Restos de poda levam bovinos à morte na Inglaterra.


12 de julho de 2019

Vaca revoltada foge de casa e vai morar com bisões na Polônia


vaca revoltada

Bovina da raça limousin foi encontrada por observadores de pássaros pastando em reserva natural entre a Polônia e a Bielorrússia

Uma vaca da raça limousin foi flagrada em pelo menos dois momentos integrando uma manada de bisões na floresta Bialowieza, uma área de preservação ambiental com cerca de 150 hectares, situada entra a Polônia e a Bielorrússia.

No final de 2017, um observador de pássaros conseguiu fotografar a rebelde. Um especialista em bisões conseguiu encontrar novamente o animal em 2018, reportando para as autoridades ambientais da Polônia que ela está bem, aparenta ser nova e bem resistente ao inverno da época.

Partiu fazer novos amigos.

A alegria da fujona está com os dias contados: quando for encontrada novamente pelo pessoal da patrulha ambiental, será capturada. Se ficar e acabar cruzando com os novos amigos, corre sério risco de morrer durante a gestação ou no parto, dada as complicações do estranho cruzamento. Mesmo que tudo desse certo, ainda seria contaminação biológica do quase extinto rebanho de 600 bisões europeus.

Saiba mais: TVN 24 e aqui.


11 de junho de 2019

Saiba como funciona o transporte de animais monitorado por computador


transporte de animais

Muito além do GPS, o sistema desta empresa canadense permite acompanhar em tempo real temperatura, comportamento do motorista e o bem estar animal

A startup canadense Transport Genie Ltd fornece um interessante serviço para os produtores do país. Por meio de uma rede de sensores instalada nos caminhões que transportam bovinos, suínos e pintos de um dia, entrega diversas informações para os clientes e também para os próprios motoristas.

Os sensores registram se houve variação extrema de temperatura capaz de prejudicar o bem estar animal (condições de micro-clima) e também o comportamento do motorista: acelerômetros captam freiadas bruscas e aumentos na velocidade. Os dados usam blockchain, sendo impossível a adulteração futura. Produtor e cliente recebem os registros sobre a viagem e executam as ações necessárias no caso de um evento negativo.

Através da rede de dados das operadoras (3G/4G), todas as leituras e as coordenadas do GPS são enviadas para a base.

A empresa atua no Canadá e recentemente fechou um contrato com a suíça Prodavi, para monitorar caminhões que transportam aves.

Com o aumento do interesse das empresas no monitoramento de todos os processos envolvendo o recebimento de mercadorias, a adoção de soluções como esta serão comuns no médio prazo, para produtores de todos os tamanhos.


4 de junho de 2019

Holanda inaugura primeira fazenda flutuante para gado leiteiro do mundo


fazenda flutuante

Fazenda flutuante começou a operar em meados de maio com 32 animais, ao custo de 3,2 milhões de dólares

A Floating Farm é um projeto em execução na Holanda que pretende criar alternativas para a produção de alimentos. Na prática, uma “barcaça” capaz de abrigar os animais e lidar de forma inteligente com todos os itens que envolvem a produção de leite. Entram insumos, saem leite e dejetos processados como fertilizantes.

Ancorada no porto de Roterdã, a fazenda flutuante começou a operar em meados de maio, com 32 animais. O empreendimento chama a atenção do mercado, atraindo visitantes de diversos países para conhecer de perto a novidade.

Garrafa de leite produzido na Floating Farm: tuda a produção é vendida em quiosques na cidade.

A construção da fazenda flutuante começou em março de 2018. Os responsáveis pelo empreendimento que custou 3,2 milhões de dólares são o Courage (um centro de estudos para inovação no setor de laticínios), Uit Je Eigen Stad (uma empresa de agricultura urbana) e a Beladon, contrutora de soluções flutuantes para diversos setores. Segundo os organizadores, outras experiências serão desenvolvidas no futuro, com criação de frangos e estufas para produção de hortaliças.

Dados extras sobre a fazenda flutuante:

32 animais com ordenha robotizada, automação para coleta de dejetos (a urina é coletada em separado e estocada em tanques para aproveitamento da amônia), alimentador automático e piso de borracha. O galpão principal tem 40 x 32 metros e possui iluminação por LED.

Floating Farm – Fazenda Flutuante – ainda em 2018.

Saiba mais: Cows Set Sail at World’s First Floating Dairy.

Leia também: Textos sobre Bovinocultura no Blog do Farmfor.


15 de maio de 2019

Forragem hidropônica de cevada


Forragem Hidropônica

Método inovador para a produção de forragem hidropônica com sementes de cevada usa estufas de alta tecnologia e controle por computador

A empresa americana Fodder Group, fundada em 2006, desenvolveu um método altamente tecnológico para a produção de forragem hidropônica, sendo o carro chefe a variedade produzida com grãos de cevada.

Containers que funcionam como estufas recebem grãos em calhas e um sistema de irrigação e iluminação por LED complementa o trabalho, tudo controlado por computadores. Depois de 5 dias, o conteúdo das calhas está pronto para ser servido diretamente no cocho.

O processo da Fodder, quando comparado a outros que usam caixas, demonstram uma melhor fluidez no trabalho, do plantio até a distribuição aos animais. Além de bovinos, a forragem atende bem equinos, ovinos e até suínos. A forragem é produzida sem qualquer produto químico, defensivo ou fertilizante.

Os grãos são colocados em um cano, para facilitar o trabalho…
Forragem Hidropônica
Preparados para crescer.
Depois de 5 dias, ficam assim.
Forragem Hidropônica

Forragem Hidropônica – Vídeo sobre o sistema (em inglês)

Para os curiosos com a informação nutricional, no quadro abaixo estão as especificações para a forragem de cevada. De outros produtos, neste link.

O sistema promete ser uma alternativa em alguns casos mais barata (na realidade americana) e garantia de fornecimento de parte da alimentação do gado pelo ano inteiro, bastando o acesso às sementes, água e energia.

Outros dados sobre a forragem hidropônica

Nos EUA, o custo fica em 10 centavos por kg de forragem. 1kg de grãos produz 5 kg de forragem de cevada. O produto servido não tem substrato; o próprio amontoado de sementes brota e vira um emaranhado de planta e raízes. É só tirar da calha e servir.

O sistema também recebe críticas, como a publicada neste site especializado.

Um sistema similar existe em Portugal. Confira neste vídeo do Youtube.


6 de maio de 2019

Incêndio mata 550 vacas leiteiras nos EUA


incendio mata 550 vacas

O sinistro destruiu o confinamento free stall da propriedade que fica na cidade de Copenhagen, no Estado de Nova York

Os produtores de leite Doris e Walt Kennell, da cidade de Copenhagen, no estado de Nova York, perderam 550 de seus 600 animais após um incêndio nas instalações ocorrido no último dia 25 de abril.

Foram perdidas 504 vacas, 40 novilhas e 4 touros, enquanto outros animais tiveram que ser sacrificados por conta dos ferimentos, dias depois.

Bombeiros de diversas cidades da região participaram do atendimento na ocorrência. A suspeita para o sinistro é de curto no circuito elétrico de uma bomba usada para retirar esterco do galpão, mas o caso ainda está sendo investigado.

Participaram do atendimento os bombeiros do Copenhagen Volunteer Fire Department, Lowville Fire Department, New York State Police, Castorland Fire Co., Martinsburg Fire Department, West Carthage Fire Department Tankers, Rutland Volunteer Fire Department, Lewis County Search & Rescue e Lewis County Fire Coordinators. As fotos desta postagem são do Copenhagen Volunteer Fire Department e do Rutland Volunteer Fire Department.

Com informações do site Dairy Herd e do Watertown Daily Times.


5 de maio de 2019

Veja como é feita a coleta de leite em uma propriedade da Inglaterra


coleta de leite

O canal The Funky Farmer mantém atualizações no Youtube sobre o dia a dia na propriedade familiar inglesa e contou como o caminhão coleta o produto

O agricultor inglês Rich Cornock é também produtor de leite na localidade de Tytherington, em South Gloucestershire. Olhando o mapa da Inglaterra, fica para o oeste, duas horas distante de Londres e perto de Bristol. Sua propriedade é histórica: está em atividade desde os anos 1600 e já foi ocupada por três famílias diferentes. Já o bisavô de Rich comprou a terra no início do século 20.

O apoio governamental é destacado. A propriedade está em um esquema de apoio que dura dez anos chamado Higher Level Stewardship (HLS), que dá dinheiro para que agricultores exerçam em paralelo atividades ambientais. Eles plantam pastagem, cultivam flores nativas para animais silvestres e dão manutenção em açudes, sendo bem pagos por isso. A média de pagamento total para os agricultores que aderem ao sistema é de 1000 libras por hectare.

A coleta do leite

A propriedade tem contrato com o laticínio Muller, a maior empresa do ramo no Reino Unido. De dois em dois dias, o caminhão compacto (tanque de 13500 litros) da Wincanton, à serviço do laticínio, comparece no local para a coleta do leite.

Logo na chegada, o motorista do caminhão tanque liga o agitador do resfriador da propriedade e conecta a mangueira coletora. Antes de ligar a bomba, pega frascos para tirar amostras do leite e cola etiquetas de papel nos tubos, geradas na propriedade. É a identificação do produtor.

O sistema do caminhão não deixa bombear o leite antes de 2 minutos depois do início da operação. É o tempo necessário para o motorista agitar o leite e tirar as amostras.

Desligado o agitador do tanque, o motorista coleta o leite com uma concha plástica e enche os tubos de amostra. O produtor recebe os resultados do teste do leite no dia seguinte!

Os 2629 litros de leite são sugados em poucos minutos, então o motorista aciona o sistema de lavagem no tanque do produtor. A bomba aponta a temperatura de 2,25 C no leite coletado.

Um recibo com diversos dados sobre a coleta é impresso pelo sistema do caminhão. Tudo acompanhado de coordenadas de GPS do local. O número gerado pelo recibo é anotado no tubo de amostra do leite.

Com o leite coletado, o caminhão deixa a propriedade.

A sequência pode ser vista no vídeo abaixo, direto do canal The Funky Farmer:

A propriedade tem 145 acres (cerca de 58 hectares) e conta com um rebanho de 80 animais da raça holandesa. O produtor inglês recebe 28.94 pence por litro (centavos de libra, cerca de R$ 1,50 ao câmbio de hoje).

Leia mais sobre Leite, no Blog do Farmfor.


19 de abril de 2019

Aeroporto da Irlanda libera o corte da grama para fabricação de silagem


aeroporto da irlanda

A grama no entorno das pistas do aeroporto de Dublin é retirada com ensiladeiras e transportada por diversas equipes de trabalho

Recentemente, a Irlanda passou por uma grande crise nos estoques de silagem por questões climáticas. Na época, o aeroporto de Dublin liberou, de forma emergencial, que produtores cortassem a grama em volta das pistas para que fosse fornecida aos animais.

Agora, a atividade deu certo e o aeroporto continua liberando o corte. Uma mão lava a outra: a grama é aparada e os produtores contam com uma fonte de matéria-prima para silagem.

O trabalho é feito em um ambiente de segurança máxima: todos os tratoristas são revistados na entrada e na saída, passam por máquinas de raios-x e diversas etapas para verificação. Também é exigido muito cuidado com a velocidade da ensiladeira para que a grama não levante e invada a pista.

https://www.youtube.com/watch?v=V1_Pz3l9bl0

O vídeo acima, do site Agriland, mostra um pouco do trabalho das equipes que cortam a grama entre terminais de carga e aviões. Não deixa de ser uma atividade curiosa, as vaquinhas vão comer um pouco de “comida de aeroporto”.


31 de março de 2019

Agersens, a startup que coloca GPS no pescoço das vacas, alimentados com energia solar


Agersens

A Agersens é uma startup da Austrália que está modernizando a bovinocultura do país com o uso de piquetes virtuais

Nós já falamos aqui sobre o pastejo rotacionado sem cercas, desenvolvido por uma empresa dos EUA. Agora, na Austrália, uma startup investe na mesma tecnologia, subsidiada por um órgão governamental. A Agersens desenvolveu um GPS que é colocado no pescoço dos bovinos e é alimentado por energia solar. O sistema batizado de eShepherd gerencia cercas virtuais onde o “toque no arame” é substituído por um tom de áudio que vai treinando o animal aos poucos, fazendo com que o mesmo não ultrapasse as barreiras controladas pelo GPS.

https://www.youtube.com/watch?v=8SaM0lsG8Y4
https://youtu.be/sU4Egn2uaL4

Os piquetes são desenhados rapidamente no computador e transmitidos para as unidades que estão instaladas nos animais, através de redes sem fio.

O contato com a empresa Agersens pode ser feito pelo site.


22 de fevereiro de 2019

Açores quer abater 10 mil vacas para aumentar o preço do leite


Açores

Arquipélago no Atlântico pensa em tomar medidas drásticas para melhorar a situação dos produtores de leite, um uma queda de braço com laticínios

O Arquipélago de Açores fica no Atlântico, distante cerca de 1600 km de Portugal. As 9 ilhas que fazem parte do arquipélago possuem 2322 km2 , com uma população de 247 mil habitantes. Em 2015, o rebanho leiteiro de Açores era de 89 mil cabeças que produziram 250 milhões de litros, resultando em 58,6 milhões de litros de leite UHT e 12 mil toneladas de queijo. Para saber mais dados sobre a agricultura do Açores, acesse este documento em PDF.

Agora, enfrentando uma crise de preço e conflitos com os laticínios, a associação dos produtores do arquipélago pensa em adotar uma solução radical para o preço baixo recebido pelo leite na região: abater 10 mil cabeças, já agora no mês de maio.

O valor pago ao produtor pelo litro de leite no Açores é o mais baixo da Europa, ficando em cerca de 27,49 centavos de euro, sendo que é considerado um dos melhores em qualidade, em toda a União Européia.


18 de fevereiro de 2019

Onda de frio mata 1600 bovinos em um dia nos EUA


Onda de Frio

Tempestades de neve e ventos de até 128 km/h também causaram estragos em propriedades do estado de Washington

Pecuaristas da região de Sunnyside, no estado de Washington, nos EUA, amargaram prejuízos e a morte de mais de 1600 bovinos por conta da onda de frio inédita para a localidade.

As propriedades por lá são, na maioria, preparadas para o clima quente da região: galpões sem paredes e instalações sem proteção para eventos desta magnitude. Com o frio que chegou rapidamente, o gado se acumulou nos cantos das estruturas e muitos acabaram morrendo pelo frio intenso ou por machucados causados pelo agrupamento. Outras 28 cabeças foram sacrificadas por conta dos ferimentos.

Os prejuízos, só em animais, ficaram em 3,2 milhões de dólares, sem contar a perda na produção. Nenhum produtor ou funcionário ficou ferido no incidente, que exigiu um trabalho heroico para a tentativa de deslocamento dos animais e improviso com coberturas emergenciais, até mesmo com montes de feno, sem muito resultado.

Propriedades em regiões mais baixas ou cercadas por montanhas não foram afetadas pela onda de frio que chegou rapidamente, durou cerca de 24 horas e causou todo este prejuízo.

Após toda esta tragédia, produtores e autoridades ainda precisam lidar com toda uma logística para dar o destino correto para centenas de carcaças e ainda desbloquear estradas e permitir o acesso até as áreas atingidas.

Saiba mais no site Capital Press (em inglês).



Publicidade

  • 1
  • 2