Tag: Colheitadeira

12 de fevereiro de 2021

Tribine, a maior colheitadeira do mundo em 2021


tribine a maior

tribine a maior

O principal diferencial da Tribine, para quem ainda não foi apresentado: graneleiro de 1000 bushel (27 toneladas) que vai de arrasto com a colheitadeira.

A Tribine – a maior colheitadeira do mundo – já foi mencionada em nosso blog algumas vezes. Em 2021, as notícias sobre a máquina ainda são poucas.

O site da Tribine destaca hoje um folder em PDF com a questão do sequestro de carbono como argumento de venda. O documento em inglês pode ser acessado neste link.

Apontado pela empresa como a reposta da agricultura para as mudanças climáticas, o carbon farming seria capaz de armazenar 450 milhões de toneladas de carbono nos solos americanos.

Segundo a Wikipedia:

O cultivo de carbono (ou carbon farming) é o nome de uma variedade de métodos agrícolas destinados a sequestrar o carbono atmosférico no solo e nas raízes, madeira e folhas das colheitas. Aumentar o teor de matéria orgânica do solo pode ajudar no crescimento das plantas, aumentar o teor de carbono total, melhorar a capacidade de retenção de água no solo e reduzir o uso de fertilizantes. Em 2016, as variantes do cultivo de carbono alcançaram centenas de milhões de hectares globalmente, dos quase 5 bilhões de hectares (1,2 × 1010 acres) de terras agrícolas mundiais. Os solos podem conter até cinco por cento de carbono por peso, incluindo a decomposição de matéria vegetal e animal e biochar. 

Mas onde entra a Tribine?

 

Tribine: visão interna do monstro.

O fabricante argumenta que a colheitadeira prejudica menos o solo, facilitar o uso de plantas de cobertura e promover o plantio direto.

Tribine colhendo trigo em 2020 nos EUA.

O folder é na realidade um atrativo para investidores interessados em financiar a máquina, que ainda está no estágio inicial de desenvolvimento. A empresa deixa vem claro que está precisando de cash para “cruzar a linha de chegada” e colocar o produto nas lavouras americanas até as colheitas do outono de 2021 (dos Estados Unidos).

 


26 de janeiro de 2021

O maior ferro velho de colheitadeiras do Reino Unido pode ser visto do espaço


ferro velho de colheitadeiras




ferro velho de colheitadeirasNós já falamos aqui sobre o “maior cemitério de colheitadeiras do mundo” logo no início do blog, em 2016. O tempo passou e o ferro velho localizado na região de Northumberland, no sul da Inglaterra, continuou sendo notícia nos sites internacionais, até mesmo fora do mundo das notícias sobre agricultura.

O site Chronicle Live postou diversas fotos e contou um pouco mais sobre a história de John Manners, dono do que pode ser considerado também uma espécie de parque de diversões pra muita gente.

O ferro velho de colheitadeiras, em fotos

São centenas de colheitadeiras de quase todas as marcas e modelos já fabricados, pelo menos na Europa. Todo ano, o dono do campo compra de 60 a 70 “novas” máquinas para o estoque, com peças vendidas para vários países do mundo.

A reportagem completa sobre o ferro velho de colheitadeiras (em inglês) e muito mais fotos você encontra neste link.


17 de janeiro de 2021

Claeys, a colheitadeira que é bisavó da New Holland


Claeys




Claeys

Foto: Leeds Lib Galleries / Leeds University. Vídeo: Claeys colhendo trigo, via Tractorspotter.

A Claeys começou a ser desenvolvida em 1906 pelo engenheiro belga Leon Claeys. Sua primeira fábrica de trilhadeiras só seria inaugurada em 1909 na cidade de Zegeldem. Em 1952, sai do chão da fábrica a primeira colheitadeira (do modo que conhecemos) da Europa.

Já com o nome Clayson, modelo M103. Foto: Wikipedia.

Série de colheitadeiras antigas em evento no Reino Unido, da West Cork Vintage Ploughing and Threshing Association. De Claeys até New Holland. Fonte: Agriland.

Chamar de bisavó da New Holland pode ser um pouco incorreto, mas a sequência é a seguinte: em 1964, depois de se tornar uma das maiores fabricantes de colheitadeiras da Europa, a Claeys foi vendida para Sperry New Holland. Em 1967, troca o nome para Clayson e em 1986 vai para as mãos da Ford. Em 1991 a Fiatagri compra a unidade da Ford e tudo vira New Holland.

É mais um exemplo da interminável sequência de aquisições e transformações na história das máquinas agrícolas ao longo das décadas.


5 de outubro de 2020

Colheitadeira Ideal em chamas: agricultor canadense grava tudo


Colheitadeira Ideal em chamas

Mike Mitchell, agricultor da província de Saskatchewan, postou um vídeo com o “durante e depois” do sinistro ocorrido durante a noite

Uma colheitadeira Ideal em chamas, no meio da noite em uma região sem cobertura de celular. Este é o cenário da tragédia gravada por Mike Mitchel, agricultor e youtuber nas horas vagas lá do Canadá. Ninguém ficou ferido no incêndio, ocorrido cerca de três semanas atrás em uma lavoura de grão-de-bico.

Colheitadeira Ideal em chamas

Tudo começou quando o operador notou algo “azul” no retrovisor, gritou “fogo!” no rádio para chamar a equipe e pulou da colheitadeira. Em segundos, a máquina já estava completamente tomada pelas chamas.

Como estavam trabalhando em comboio, os outros operadores imediatamente começaram a combater minimamente o fogo, protegendo o perímetro, até a chegada de um trator para circular o incêndio e salvar o resto da lavoura. Na correria, explosões dos pneus, o diesel queimando e muito vento.

O vídeo de Mike Mitchell tem 42 minutos e foi gravado em momentos diferentes, durante e depois do sinistro.

Depois de algum tempo, os bombeiros da cidade chegam ao local e prestam o devido socorro.

Colheitadeira Ideal em Chamas – Algumas semanas depois

Só sobrou sucata torrada. Vai direto para a reciclagem.

Aos 25 minutos do vídeo, o Mike volta para o local do sinistro (algumas semanas depois) e mostra a colheitadeira “torrada”, em detalhes. Muito metal retorcido e praticamente só a ponta da plataforma Honey Bee sem marcas do fogo.

A causa do incêndio

De acordo com o Mike, o incêndio foi causado por aquecimento em uma das caixas de engrenagens do rotor (direito), após vazamento de óleo.

A combinação de aquecimento das engrenagens, óleo na palha e proximidade do tanque de combustível de plástico foram determinantes no sinistro.

A colheitadeira estava trabalhando com o rotor em baixa rotação (300 rpm) colhendo grão-de-bico. Um último detalhe: o próprio agricultor conferiu no dia seguinte todos os rolamentos da máquina e nenhum apresentava defeito. O cara é detalhista. Agora é aguardar uma Ideal novinha, totalmente paga pelo seguro.

Veja também

Nova colheitadeira AGCO Massey Ferguson Ideal


27 de setembro de 2020

Pilotos de avião vão operar colheitadeiras na Austrália


Pilotos

Sem serviço por conta da pandemia do COVID-19, pilotos comerciais vão receber treinamento para voar baixo nas colheitadeiras

Como no mundo todo, os pilotos comerciais da Austrália estão sem trabalho por conta da pandemia e a proibição ou diminuição de voos de passageiros deixou as frotas das companias aéreas no chão.

E no agronegócio da Austrália o problema também é sério pela intensiva dependência dos trabalhadores sazonais nas colheitas, incluindo aí os operadores de colheitadeias, hoje impedidos de entrar no país. Alguém teve a feliz ideia de unir estes dois setores e dar emprego no campo para os pilotos.

Pilotos
2 Workin Oz é o nome da empresa responsável pelo treinamento de pilotos de avião para a operação de colheitadeiras. Acesse o site aqui.

Segundo reportagem da ABC Australia, faltam cerca de 1000 operadores de colheitadeira no país e os fazendeiros confiam mais nos pilotos treinados para trabalhar nas colheitas do que em operadores que começariam do zero. Outras atividades também estão demandando profissionais aposentados, como motoristas da caminhão.

Os pilotos vão trocar o cockpit dos aviões pelas cabines das colheitadeiras, com uma velocidade ligeiramente menor.

Saiba mais:

Border restrictions see out-of-work pilots retrain as machinery operators for WA grain harvest.

Veja também (antigo, só por curiosidade):

Tem vaga para tratorista na Austrália


14 de setembro de 2020

Agricultor toma todas e capota colheitadeira nos EUA


Agricultor Toma Todas

De porre, o agricultor saiu pelo asfalto e acabou capontando a John Deere depois de cair em uma vala. O caso acabou na delegacia.

Michael Carr, um agricultor de 45 anos da cidade americana de Berthold, no estado de Dakota do Norte, resolveu subir na colheitadeira para dar uma voltinha, totalmente bêbado. Não foi um acidente de trabalho: o cara realmente pegou a colheitadeira para “brincar”.

A aventura aconteceu no domingo, 30 de agosto e acabou em uma vala na beira do asfalto. As fotos abaixo, da Polícia de Berthold, explicam a situação:

Agricultor Toma Todas
Agricultor toma todas – o autor da façanha.

A colheitadeira John Deere S670 teve perda total. Já o Michael Carr foi preso por dirigir bêbado e teve mais uma bronca por falta de documentação da máquina. Já está preso e aguardando julgamento.


19 de agosto de 2020

John Deere x9 já tem preço definido no Reino Unido


John Deere X9 preço

A colheitadeira John Deere X9 tem tudo para ser a máquina mais cara disponível na terra da Rainha. É coisa para poucos nobres.

A colheitadeira mais nova da John Deere (e maior de todas do fabricante) já tem preço definido no Reino Unido, segundo o site Farmers Weekly. A John Deere X9 1100 com plataforma HDX de 12 metros sairá por módicas £850,328.

Em dinheiro brasileiro, o valor equivale a 6,2 milhões de Reais. Isso mesmo, R$ 6.170.075,12 no câmbio de hoje (R$ 7,26).

A colheitadeira sozinha sai por £725,908 (R$ 5.276.369,73). Para comparação, a rival Lexion 8900 custa £520,460 (R$ 3.783.040,54).

John Deere X9 preço – Veja também

John Deere X9 1000 e 1100 – mais dados sobre as Tops da marca.

John Deere X9 e Claas Lexion 780 lado a lado no Xtreme Testing.


3 de agosto de 2020

Colhendo e rebocando a carreta graneleira. Como assim?


colhendo e rebocando

Agricultor dono do canal Farm Dad Word Barf explica a façanha em vídeo bem didático no Youtube, acompanhado do filho

Thorin Meyer, agricultor americano que toca nas horas vagas o canal Farm Dad Word Barf no Youtube, gravou um vídeo acompanhado do filho pequeno explicando uma colheita um pouco fora do comum.

No vídeo, uma colheitadeira Claas Lexion 780 entra na lavoura de milho colhendo e rebocando uma carreta graneleira, ao mesmo tempo que vai descarregando na mesma, aumentando a capacidade. Quem vem buscar o grão na lavoura é uma carreta Balzer 1550 de três eixos, puxada por um trator Challenger.

A explicação para o arranjo é simples: como a lavoura é muito grande e distante da estrada, o trator não vence pegar todo o grão, daí a gambiarra para “aliviar” a Lexion.

A modificação caseira na carreta rebocada (para receber o grão da colheitadeira) também inclui uma placa que serve como defletora, para não receber a palha durante a colheita e um motor para tocar os chupins, ativado dentro da cabine. Câmeras acompanham toda a movimentação do grão.

O arranjo, visto de cima.

Colhendo e rebocando – o vídeo

Não deixe de assistir o vídeo acima (apesar de ser em inglês). É possível ativar as legendas automáticas, traduzidas para o português.

Para apoiar o canal, acesse o PayPal de Thorin Meyer.


28 de julho de 2020

Hege 125, uma colheitadeira de parcelas com motor de fusca


hege 125

A Hege 125 é um clássico no setor e este modelo tem um motor bem conhecido dos brasileiros

A colheitadeira de parcelas Hege 125 é cria do senhor Hans-Ulrich Hege, uma lenda na história da mecanização agrícola e considerado por muitos como o inventor deste tipo de máquina. O primeiro modelo foi lançado pela empresa que leva o nome do dono em 1963.

Só esta parte da história já mereceria um texto, mas para encurtar: depois da reunificação da Alemanha (resumindo muito) a marca passou para os suíços da Zürn Harvesting.

“Festa de Aniversário” do Dr. Hans-Ulrich Hege na fábrica da Zürn, em 2018. Saiba mais, aqui.

Hege nos EUA

Ainda é possível encontrar colheitadeiras de parcelas Hege 125 em propriedades dos Estados Unidos, restauradas e funcionando. Nas imagens abaixo, máquina e destaque do motor, em unidade que pertence ao centro de pesquisas agrícolas Snyder Research & Extension Farm, de Nova Jersey.

PS. Algumas unidades de 125 (modelo C) usavam motor diesel.

Hege 125
Hege 125
Hege em operação. Vídeo de Anders Borgen.

Se você está achando estranha a foto de capa deste artigo com uma lavoura e a cidade de Nova York ao fundo, saiba que não é montagem e já falamos sobre o assunto neste link aqui no blog. Outra história interessante com a participação de uma Hege.

Não existem na internet muitos dados técnicos disponíveis em detalhes sobre a Hege mas, enfim, é uma colheitadeira de parcelas e as imagens já mostram bastante coisa.


18 de junho de 2020

A viagem de colheitadeira mais longa do mundo


viagem de colheitadeira

Um comboio de colheitadeiras da marca Yenisei realizou a façanha de cruzar o território russo e entrar para o Livro dos Recordes

Em uma jogada de marketing aos moldes russos, o fabricante das colheitadeiras Yenisei, querendo mostrar ao país que suas máquinas poderiam aguentar qualquer trabalho, colocou um comboio delas para viajar cerca de 5000 quilômetros da cidade de Krasnoyarsk até Oriol.

A viagem de colheitadeira na Rússia – pelo Google Maps, são 4371 km, mas eles fizeram um caminho maior.

A viagem iniciou em 12 de maio de 2003 e durou incríveis 44 dias, garantindo um lugar no Livro dos Recordes como a “Mais longa jornada de uma colheitadeira“. Por onde passaram, fizeram exibições das máquinas e garantiram alguns contratos de fornecimento. Foram vendidas 400 colheitadeiras nas 13 regiões visitadas.

O comboio durante a viagem, em 2003. O Yenisei que batiza a colheitadeira é o nome de um rio da região do fabricante.

A fabricante

A Fábrica de colheitadeiras Krasnoyarsk é uma estatal dos tempos soviéticos que produzia de tudo. Criada em 1941, foi se especializando em máquinas agrícolas até o encerramento das atividades em 2013. Foram mais de 700 mil colheitadeiras produzidas para o mercado interno e também exportadas para Bulgária, China, Vietnã, Iraque, México e outros países.


16 de junho de 2020

John Deere X9 1000 e 1100 – mais dados sobre as Tops da marca


John Deere X9 1000

A John Deere atualizou os dados disponíveis sobre a linha X9 de colheitadeiras, suas especificações e acessórios. Confira aqui.

As nova série de super colheitadeiras terá (por enquanto) dois modelos: a John Deere X9 1000 e a John Deere X9 1100. Suas especificações técnicas e informações sobre acessórios foram atualizadas recentemente no site da empresa nos Estados Unidos.

Nós falamos aqui da série X9 em novembro de 2019.

A nova X9

Diz a John Deere no site especial da série X9:

Milho úmido. Palha resistente. Observando as condições de colheita abaixo do ideal à medida que o tempo passa. Todos nós já estivemos nesta situação. Você tem uma janela de colheita apertada e uma margem de lucro ainda mais apertada. Você precisa de mais produtividade e baixas perdas. Você precisa de uma colheitadeira que possa realizar o máximo de tarefas dia após dia, safra após safra.

Você precisa de uma colheitadeira X9. Essas novas colheitadeiras oferecem em média 45% mais capacidade de colheita em todas as culturas, sem sacrificar a qualidade dos grãos – ao mesmo tempo em que usam 20% menos combustível. A X9 1100 pode colher até 12 hectares por hora de trigo. E pode colher até 182 toneladas de milho de alta produtividade por hora, o que é mais do que suficiente para encher 7 caminhões semi-reboque por hora.

Isso é colheita na potência de X.

(em uma tradução livre)

John Deere X9 1000

Os dois modelos possuem duplo rotor de 24 polegadas. O motor é o John Deere PowerTech, PWS 13.6 L de 549 hp na X9 1000 e PSS 13.6L de 603 hp na X9 1100. Na tabela abaixo, uma comparação simples entre as novas X9 e a maior até então (e disponível no site da JD brasileira) S790:

Confira aqui as opções de plataformas para milho e outras.

A John Deere promete na X9 1000 (em relação a s790) até 134% de capacidade no trigo e 130% na soja. Na X9 1100, 170% para o trigo e 145% para a soja.

Uma curiosidade: na opção mais avançada de cabine, a X9 vem com bancos de couro ajustáveis eletronicamente, aquecidos e com massagem.

Top dos tops

Quem compra a X9 com todos os pacotes opcionais mais avançados (cabine, tecnologia, iluminação) recebe a versão signature edition, com um emblema especial na máquina.

Ainda sem preço disponibilizado no site, só podemos lembrar o leitor de que a S790 começa em US$ 566 mil nos EUA. Este signature edition vai custar caro 🙂

Quando mais informações forem disponibilizadas na internet, atualizaremos o post. #JohnDeere #X9.


15 de junho de 2020

Köla Hydromat, uma colheitadeira que você não conhece


Köla Hydromat

Köla HydromatA Köla Hydromat foi a primeira colheitadeira do mundo com transmissão hidrostática, fabricada pela empresa alemã Ködel & Böhm

Fabricada entre 1966 e 1969, a Köla Hydromat tinha a pioneira transmissão hidrostática com dois motores hidráulicos nas rodas, tracionando a colheitadeira que tinha um visual bem avançado para os anos 60, com um acabamento na cor branca ou vermelha.

 
Vídeo da Köla Hydromat (sem som) direto dos arquivos da SDF.

O motor era Perkins de 6 cilindros e 106 hp e o tanque graneleiro tinha capacidade para 2800 litros. As plataformas variavam entre 3,6 e 6 metros. Mais especificações pode ser vistas no site Kone Data e aqui.

Köla Hydromat
Köla Hydromat
Köla Hydromat
Acima: três imagens da colheitadeira, catalogadas no arquivo histórico da Deutz.

A Köla virou a base de diversos modelos de colheitadeiras da Deutz-Fahr (chegou a ser vendida com o novo nome como Fahr M1250) e influenciou as séries 1300 e 1600.

A Ködel & Böhm

A fabricante da Köla Hydromat foi fundada em 1870 na cidade de Lauingen, na Alemanha. No início, produzia cortadores de beterraba, até que em 1890 foi projetada a primeira debulhadora, conseguindo ser a líder no setor em toda a Europa nos anos 30, com a marca de 100 mil máquinas entregues.

A fabricação de colheitadeiras começou nos anos 60. No final da década, a empresa seria vendida para o grupo Deutz (KHD) que mais tarde seria a Deutz-Fahr que conhecemos.

Veja também: Trator Deutz D 16006.

Fontes

História da engenharia agrícola (Geschichte der Landtechnik).


13 de maio de 2020

De colheitadeira, até o último dia


De colheitadeira

Cortejo fúnebre levou corpo de agricultor usando sua própria colheitadeira pelas ruas da cidade, pilotada pelo filho

Guy Stafford, um agricultor da cidade de Corsham, na Inglaterra, faleceu no último dia 29 de abril, com 74 anos. Deixou esposa, três filhos e cinco netos.

Adorador da vida no campo e querido por toda a comunidade, seu funeral virou uma verdadeira homenagem: uma colheitadeira New Holland pilotada por um de seus filhos levou o caixão em cortejo por 15 quilômetros até o local do sepultamento, uma área reservada em sua própria fazenda. O sepultamento ocorreu no último dia 8 de maio.

De colheitadeira até o último dia: obtuário de Guy Stafford, publicado no site da empresa funerária responsável pelo cortejo.

Por conta das circunstâncias atuais da pandemia, a cerimônia de sepultamento foi reservada.

Veja também

Corsham farmer Guy Stafford’s coffin was carried on the front of a massive combine harvester.

Colheitadeira é atração em casamento na República Tcheca.

Foto de capa: Trevor Porter.


4 de maio de 2020

A moto Laverda é parente da colheitadeira? Saiba aqui!


moto laverda

A marca de moto Laverda foi muito famosa e prestigiada na Itália, mas qual é a relação com a colheitadeira que leva o mesmo nome?

A colheitadeira Laverda, para muitos, é sinônimo de máquina para colheita em morro, com suas lendárias máquinas hillside. A empresa foi fundada em 1873 na cidade de Breganze, na Itália. O primeiro modelo de colheitadeira (M 60) foi lançado em 1956, enquanto a M100 AL (de 1971) foi reconhecida como a primeira colheitadeira no mundo com nivelamento automático.

Modelo M100 AL em lavoura.
Modelo mais recente da Laverda: herança do passado.

Em 2011, a Laverda passou a ser uma marca da AGCO. O parque fabril da cidade de Breganze é um centro de excelência e berço das novas colheitadeiras IDEAL.

A moto Laverda

Sim, são “parentes”. A Moto Laverda S.A.S. – Dottore Francesco Laverda e fratelli foi fundada em 1949 pelo neto do fundador da Laverda das máquinas agrícolas, o Francesco que coloca o nome na empresa, com o nobre objetivo de melhorar a economia da região de Breganze no período pós-guerra. O início foi humilde: trabalho depois do expediente na fábrica de máquinas agrícolas e peças feitas até mesmo na cozinha da casa do próprio Francesco.

Laverda 750 SF. Créditos

A primeira moto de 75cc veio ao mundo no mesmo ano de fundação, com modelos futuros ganhando reputação também no mundo da corridas da Itália, com boas colocações em diversas competições.

Depois de um reinado nos anos 70 e de ser reconhecida por fabricar a moto de série mais rápida do mundo (Laverda Jota), a marca teve idas e vindas, enfrentou a crise e a concorrência com as japonesas e, finalmente, foi comprada pela Piaggio em 2004 (quando já pertencia a Aprilia).

Laverda 1000 Jota. Não esqueça de ligar o som!!!

Saiba mais

Whatever happened to Laverda? – Motorcycle News.

Laverda – Models & Brand History. Autoevolution.


24 de abril de 2020

Colhendo trigo (e palha) no Paquistão


colhendo trigo

 

Mesmo com alternativas modernas para a mecanização da coleta de palha de trigo, algumas comunidades ainda mesclam o uso de colheitadeiras com práticas centenárias

Um operador colhendo trigo, atravessando a lavoura sem deixar para trás qualquer vestígio de palha. Esta é uma imagem comum no Paquistão e na Índia, onde a mecanização agrícola tem características bem peculiares.

New Holland CR-8080 com coletor de palha, colhendo trigo. Reprodução do canal Different Angle no Youtube.

Primeiro, a terceirização é muito comum nestas regiões. Em época de colheita, caravanas de operadores autônomos com suas colheitadeiras antigas cruzam as estradas atrás de trabalho.

Colhendo trigo

Com a falta de recursos nas micro e pequenas propriedades, aluga-se o serviço e muitas vezes o negócio é à moda antiga: lona no chão e o produto descarregado ali mesmo, enquanto dezenas de pessoas juntam a produção em sacos.

Mas falando em palha, outra situação bem comum é o uso de colheitadeiras antigas com coletores de palha. A máquina não deixa nada no chão e vai acumulando em uma pequena caçamba, descarregando quando este chega no limite da capacidade, para que o contratante faça bom uso do produto.

A palha (ou Bhoosa como eles chamam por lá) é coletada, colocada em grandes caixotes de madeira montados no solo e pisoteada até ficar compactada na “forma”. Depois, a cobertura é selada com barro. A técnica milenar para o estoque de comida para os animais é o final do processo, que iniciou na máquina.

O caixote de palha, selado com barro. Veja mais aqui.

É claro que estes países também contam com propriedades usuárias de mecanização, balers, enfardadeiras e tudo mais na colheita de trigo e outras atividades. O interessante é observar que mesmo nos dias de hoje, as técnicas de antigamente ainda fazem sucesso, por necessidade ou tradição.

 


14 de abril de 2020

O racha entre uma colheitadeira e um Shelby GT-350


racha

O mundo agrícola é representado no racha por uma colheitadeira Fahr M44 levemente modificada com motor V8 de 500 hp

O norueguês Harald Bore resolveu comprar uma antiga colheitadeira Fahr M44, de 1967 dos projetistas finlandeses Petri Plosila e Raine Savioja, que transformaram a maquininha em um monstro com motor 8.2V8 de 500 hp “doado” por um Cadillac Eldorado ano 1976.

A gambiarra pesa 18 toneladas e alcança 152 km/h. Infelizmente, não consegue mais colher com tanta modificação. Já o norueguês afirma hoje em dia que estava um pouco bêbado no momento da compra.

racha
Os competidores lado a lado: foto do The Sun / Getty Images.

O racha

A gambiarra aceitou o desafio de disputar um racha com um Shelby GT350, organizado pelo canal do Youtube britânico Barcroft Cars.

Confira o vencedor no vídeo acima. Imperdível. Spoiler: ninguém morreu no desafio.

Saiba mais

Classic Shelby GT 350 Duels Combine Harvester In Weirdest Drag Race Ever.

CORN TO BE WILD Farmer in Finland’s combine harvester does 95mph making it fastest in the world.

Veja também

Viúva Negra, o trator de 5 motores.


27 de março de 2020

Colheitadeira vira veículo futurista em série da Amazon Prime


Tales from the loop

Colheitadeira modificada aparece na série de ficção científica “Tales From The Loop”, baseada na arte de Simon Stålenhag

Tales From The Loop é uma série de ficcção científica que conta a história de uma pequena cidade no futuro, cheia de robôs e com um cenário pós-apocalíptico (como nos filmes que contam o que acontece com a terra após o fim do mundo). Embaixo da cidade está “instalada” uma máquina gigante feita para “explorar os mistérios do universo”. O resto, só assistindo para entender.

A colheitadeira aparece em 00:45

O visual da série é adaptado de um livro de 2014 do artista sueco Simon Stålenhag.

Tales from the loop

Entre os veículos que aparecem na série, um chama a atenção: uma colheitadeira muito parecida com uma New Holland TR99 aparece modificada para se tornar uma espécie de veículo com locomoção anti-gravitacional.

Veja também: Okja: a marca John Deere em um filme contra a suinocultura.

A colheitadeira

São poucas as imagens disponíveis na divulgação da série, mas tudo indica que a colheitadeira usada como base para a fabricação do veículo (real ou desenhada por computador) é uma New Holland TR99.

New Holland TR99, colheitadeira do final dos anos 90.
TR99 vista por trás: as imagens são do site de leilões AuctionTime.

No modelo da série, a frente ganhou uma espécie de capô, foi retirado o tupo de descarga e as rodas foram substituidas por discos anti-gravitacionais que fazem a gambiarra do futuro flutuar. Nos dias de hoje, certamente faria muito sucesso pela compactação do solo (ou total falta dela).

A série está prevista para estreiar no serviço de streaming Amazon Prime Video no dia 3 de abril.

Tales from The Loop

Inspirado pelas maravilhosas pinturas de Simon Stålenhag, o Tales from the Loop explora as aventuras alucinantes das pessoas que vivem acima do Loop, uma máquina construída para desvendar e explorar os mistérios do universo – tornando possíveis coisas anteriormente relegadas à ficção científica.

Site oficial.


24 de março de 2020

Fortschritt, a colheitadeira da Alemanha Oriental


Fortschritt

A Fortschritt fabricava também tratores e implementos, do “outro lado” do Muro de Berlim, durante a Guerra Fria

Fortschritt em alemão significa “progresso” e era o nome usado pela marca de colheitadeiras, tratores e implementos subsidiária da Industrieverband Fahrzeugbau (IFA) na Alemanha Oriental, que também mantinha linhas de produção para motos, carros e caminhões.

O design de muitos modelos de automóveis da IFA era inspirado na DKW, marca que tem um lugar especial no coração dos brasileiros, mas isso é outra história. Vamos voltar para o mundo agrícola.

A fabricação de colheitadeiras começou em 1948, à partir de maquinário soviético (S-4 Stalinets), com os primeiros motores à gasolina. Em 1953 foram fabricados os primeiros modelos com motores diesel, com a série E-170.

Modelo E-173: motor de 54 hp 4 cilindros. Plataforma de 3 metros. Fonte: Agro-Techweb.
Uma Fortschritt E516 B em operação nos dias atuais.

Nos anos 80, saiu o modelo E516 B e a empresa já exportava colheitadeiras para diversos países, em especial na Europa e Escandinávia. Até Cuba acabou recebendo alguns implementos da empresa.

Com a queda do Muro de Berlim e a reunificação da Alemanha, a marca entrou em dificuldades financeiras, até ser privatizada, comprada pela MDW Mähdrescherwerke GmbH. Em 1997, a Fortschritt passou para as mãos da CASE IH. Com esta associação, modelos foram vendidos com o nome CF.

FORTSCHRITT MDW 527 , um dos últimos modelos da empresa. Via Agrotrader.

O site AgroDoctor conta uma história curiosa: depois que a Case IH comprou a empresa, algumas colheitadeiras ainda fabricadas pela planta antiga foram repintadas com o vermelho da Case (eram azuis). Quando unidades foram vendidas para o Cazaquistão, o sol do país fez derreter a tinta vermelha da colheitadeira durante a lida, exibindo o nome original da máquina.

Até hoje é possível encontrar modelos originais ou já com o nome MDW em funcionamento, em diversos locais da Europa.

Veja também: Kolos SK-6, a colheitadeira soviética com “cara” de lagosta.


20 de fevereiro de 2020

Kolos SK-6, a colheitadeira soviética com “cara” de lagosta


Kolos SK-6

A Kolos SK-6 foi produzida entre 1973 e 1979 no complexo industrial Taganrog , hoje território russo

Com um visual bem fora do comum, a Kolos SK-6 se destacava por uma enorme cabine em formato de torre, com peças horizontais que formavam uma espécie de persiana no topo das janelas. Adicione os faróis e pronto: a colheitadeira ganhou o apelido de lagosta.

A “lagosta” em foto de família. Créditos: Farmweb.
Vídeo recente da colheitadeira (2019), descarregada da plataforma.
Linha de produção da Kolos SK-6 em Taganrog. Fonte: Лучший комбайн СССР СК-6 «КОЛОС», прокормил всю ДЕРЖАВУ (Youtube).

A Kolos tinha dois tanques graneleiros, um de cada lado da cabine que contava com porta traseira (o grão caía em uma esteira e era dividido entre os tanques). O motor SMD-64 de 147 hp ficava logo atrás, tapando a visão traseira. O desempenho era de 8,5 toneladas por hora em uma velocidade máxima de operação de 7.4 km/h.

O projeto tinha alguns problemas: só funcionava bem em terreno plano, o motor era fraco para toda a máquina e a visão para o operador era bem difícil. No geral, a estrutura até que era boa, já que algumas estão em operação até hoje.

Saiba mais no Zavod (site em russo).

Veja também: PZL M-15 Belphegor, o avião agrícola mais esquisito do mundo.


6 de dezembro de 2019

Palesse GS 4218 CNG, a colheitadeira movida a gás metano


Palesse GS 4218 CNG

Empresa da Bielorrússia investe em colheitadeira a gás, com apelo ambiental

Nós já falamos aqui no blog sobre a Palesse GS4118K, uma colheitadeira movida a gás natural em 2017. Agora, é a vez de sua irmã mais nova chegar ao mercado, recentemente apresentada na Agritechnica 2019.

A Gomselmash apresentou a Palesse GS 4218 CNG na Alemanha como o primeiro modelo de colheitadeira “amiga do meio ambiente” por ser movida a gás metano comprimido. Os cilindros são feitos de fibra de carbono, reforçando a segurança. Já o gás, em caso de vazamento, evapora muito rapidamente e sem o risco de queima (segundo os fabricantes).

A máquina tem oito cilindros de gás que juntos levam 1816 litros ou 400 m3 de gás comprimido. O tempo para recarga é de 15 minutos e a autonomia é para 8 horas de trabalho.

Outra promessa do modelo é a redução de emissão de gases tóxicos em até 3 vezes em relação ao diesel e uma economia de até 40% nos custos de combustível.

Já os dados adicionais da máquina você pode conferir no site da Gomselmash, em PDF.



Publicidade