Tag: Leite

26 de junho de 2020

Laticínio britânico treina seus produres para a coleta durante a pandemia


Laticínio Britânico

Produtores vão receber treinamento para pilotar os caminhões, coletar e medir a qualidade do leite nas propriedades

Com um alto número de motoristas da frota de caminhões responsáveis pela coleta de leite de licença por conta do contágio com o coronavírus, a Arla Foods adotou uma estratégia para enfrentar o problema. Os próprios produtores receberão treinamento para assumir a tarefa.

Veja também: Veja como é feita a coleta de leite em uma propriedade da Inglaterra.

Segundo o site da empresa, 19 produtores de leite e 10 membros da equipe de agricultura foram treinados para coletar leite nas propriedades, medir temperatura, tirar amostras e registrar os procedimentos. Algo que já acompanham faz muito tempo, mas agora vão jogar do outro lado.

Um laticínio britânico dos mais antigos

O laticínio britânico Arla Foods é uma cooperativa das maiores e mais antigas no Reino Unido, com início das atividades no ano de 1880. Responsável pela coleta e processamento de leite em cerca de 2400 propriedades, opera com as marcas B.O.B. (leite com sabor), Cravendale (leite), Arla Explorers (biscoitos), Big Milk (leite enriquecido com nutrientes), Skyr (iogurte), Lacto Free (leite sem lactose), Farmers Milk e Arla Protein (suplemento alimentar).

Saiba mais

Arla reveals it has trained its farmer owners to provide a back-up option for milk collection during Covid-19 pandemic.


8 de maio de 2020

A volta do leiteiro no Reino Unido


volta do leiteiro

Vinte e oito anos depois de entregar a última garrafa, pecuarista volta às origens e inicia serviço de entrega de leite “de porta em porta”

A pandemia do coronavírus prejudicou produtores rurais no mundo todo, com diversos relatos de leite jogado no lixo e colheitas sem ter trabalhadores disponíveis para o trabalho. No meio da desgraça, alguns agricultores conseguiram criar alternativas para manter a propriedade na ativa.

O exemplo aqui vem da região de Worcester, na Inglaterra. A Bennetts Farms é uma propriedade em atividade desde o ano de 1918, hoje tocada por Tristan Bennett, de 34 anos, representante da quinta geração da família. Com a entrega de leite para os laticínios paralisada, ele e a família decidiram colocar em prática um antigo plano: entregar leite de porta em porta, tal como faziam antigamente. A última garrafa de leite saiu da porteira no ano de 1992.

https://www.instagram.com/p/B_4O_Chp2dL/

A ideia da entrega de leite na comunidade foi colocada no facebook da propriedade e logo as encomendas começaram a chegar. Após um bom planejamento e a compra de equipamentos (incluindo um caminhão para a entrega) o serviço entrou em operação. É a volta do leiteiro em grande estilo, com ares de modernidade: pedidos pela internet e entrega de leite pasteurizado integral, não homogenizado.

A volta do leiteiro – são três opções de embalagens plásticas. Com o aumento das vendas, a propriedade pretende migrar para garrafas de vidro retornáveis.

O Tristan declarou para o site britânico The Shuttle que a demanda é bem alta e as pessoas gostam de comprar produtos dos agricultores locais. Além do leite, a Bennetts Farms vende carne e mantém um pequeno local para eventos no ambiente rural.

Uma boa ideia, ainda distante das possibilidades dos pequenos produtores brasileiros, mas poderá ser o futuro em propriedades próximas de centros urbanos. Pequenas marcas, vendendo direto para o consumidor.


12 de abril de 2020

Supermercado e laticínio unidos para doação de leite em Portugal


leite para hospitais

Ação conjunta doará 25 mil litros de leite para hospitais , ajudando também a escoar a produção das propriedades

O laticínio português Montiqueijo fez uma parceria com a rede de supermercados Recheio Cash & Carry para doar 25 mil litros de leite para os hospitais do país.

O leite da marca Amanhecer será embalado e distribuído pelo supermercado em 125 mil unidades de 200 ml cada.

O leite será consumido pelos pacientes internados e também pelos profissionais de saúde destes estabelecimentos.

A notícia vem em boa hora. Já divulgamos aqui no blog a triste situação dos produtores de leite em Portugal (de ovelha), no Reino Unido e nos Estados Unidos. Ações assim são um alento nesta época obscura de pandemia e quarentenas.

Que mais empresas sigam o exemplo, no mundo todo.

Visto primeiro no Agroportal.


10 de abril de 2020

Um milhão de litros de leite descartados por dia no Reino Unido


um milhão de litros

Propriedades leiteiras são orientadas a descartar a produção do dia e já não recebem a visita do caminhão de coleta. O leite já falta nos supermercados

Uma reportagem do site Daily Mail destacou a crise na pecuária leiteira do Reino Unido, causada pela pandemia do coronavírus. Os efeitos em cadeia refletem a falta de venda e escoamento de produtos lácteos nas indústrias. Um milhão de litros de leite são descartados todos os dias pelos produtores britânicos.

Os laticínios estão mandando mensagens para os produtores avisando que o caminhão da coleta não mais passará e que toda a produção deve ser descartada. É a primeira vez em décadas para muitos. Na família destacada pela reportagem, o fato nunca aconteceu em quatro gerações.

Veja também: Veja como é feita a coleta de leite em uma propriedade da Inglaterra.

Os bares, restaurantes e cafés do Reino Unido são responsáveis pelo consumo de metade de todo o leite produzido por lá. Com todos fechados por conta do coronavírus, o mercado sentiu e entrou em colapso.

Ainda que só uma parte dos 10000 produtores britânicos responsáveis por um rebanho de 1,8 milhão de animais esteja descartando o produto neste momento, a tendência é que o número aumente, caso as restrições para a população continuem.

Enquanto isso, nos supermercados, faltam (ou são fornecidos de forma racionada por cliente) leite, manteiga, requeijão e queijos diversos.

Um milhão de litros por dia jogados no lixo: pior que a guerra.

Uma última e irônica consideração: a avó de Robert Mallet, um dos produtores entrevistados pelo Daily Mail, disse que a situação de agora está pior do que na época da segunda guerra mundial. Naquele tempos, os produtos eram entregues pelos próprios produtores tanto para o esforço de guerra quanto para os consumidores locais. Agora, os produtores de leite perderam o controle da situação.


4 de abril de 2020

Coronavírus causa descarte de leite nos Estados Unidos


coronavírus causa descarte

Produtores americanos também estão sofrendo com o cancelamento de contratos e já descartam milhares de litros de leite nas fazendas

Os efeitos da pandemia de coronavírus estão afetando os produtores rurais em diversos países do mundo. Como já divulgamos aqui recentemente sobre a situação em Portugal com o descarte de leite de ovelha, desta vez destacamos os problemas relatados nas redes sociais pela produtora e ativista do agro Nikki Boxler, da Boxler Maple Farms.

A produtora usou o Instagram para desabafar sobre a situação na propriedade onde foi obrigada a descartar uma carreta inteira de leite recentemente, por ordem do laticínio. “A indústria de laticínios é a primeira a sentir o efeito das grandes crises, por trabalhar com um produto tão perecível”, relata.

Uma carreta inteira de leite descartado.

O leite foi descartado pois a indústria está com o estoque cheio, sem condições de receber mais caminhões. Ao mesmo tempo, sem vender por conta do fechamento de escolas, restaurantes e serviços de fornecimento de refeições.

https://www.instagram.com/p/B-k8KT9lwm0

A propriedade de Nikki Boxler fica no estado de Nova York, um dos mais afetados no país pela pandemia de coronavírus.

Coronavírus causa descarte também em outros estados americanos

https://www.facebook.com/HartschuhDairyFarm/videos/238070283982738/
No estado de Ohio, a Hartschuh Dairy Farm mostra nas redes o mesmo problema.

Segundo o jornal USA Today, propriedades no estado de Wisconsin chegam a jogar fora quase 100 mil litros de leite por dia por não conseguir entregar nos laticínios. Por enquanto, as cooperativas ainda estão pagando os produtores, mesmo no leite descartado. Mas o caixa não é eterno e não se sabe quanto tempo a situação ruim irá durar.


19 de março de 2020

Coronavírus provoca descarte de leite em Portugal


coronavírus provoca

Impossibilitado de escoar a produção, agricultor de Portugal joga fora milhares de litros de leite de ovelha e lamenta em vídeo nas redes sociais

Um agricultor da região de Cabeço de Vide, cerca de 200 km de Lisboa, amargou um enorme prejuízo com a sua produção de leite de ovelha por culpa do coronavírus. Seu comprador, um laticínio produtor de queijo, parou a fabricação e simplesmente não recebe mais o insumo.

Veja também: Coronavírus: agricultores estão ajudando a desinfetar ruas na Espanha.

Outros laticínios da região vão no mesmo caminho. Sem alternativas, só restou ao produtor jogar fora tudo o que estava armazenado nos resfriadores.

https://www.facebook.com/100003299659321/videos/3039710109482281/
O lamento, em vídeo.

Portugal já está em estado de emergência e tem (em 19/3/2020) 785 casos de infecção e três mortes.

Saiba mais

Covid-19. A situação ao minuto em Portugal e no mundo.


5 de março de 2020

Moo Too – o movimento feminista contra a pecuária leiteira


Moo Too

Ativistas dos direitos dos animais consideram que tirar leite de vaca é equivalente a abuso e organiza protestos em diversas partes dos EUA

Mais um para a lista dos inimigos do agro: ativistas que consideram a produção leiteira um abuso sexual e organizam protestos contra a atividade, com encenações em locais com grande fluxo de pessoas ou cobertura da mídia.

O nome Moo Too é um trocadilho que faz alusão ao movimento feminista Me Too, este sim dedicato ao abuso sexual sofrido por mulheres iniciado em 2017 e com participação de personalidades do cinema, notadamente denunciando grandes casos dentro da própria indústria, como as acusações de assédio do produtor de cinema Harvey Weinstein.

Voltando ao mundo animal, estes ativistas insistem na ideia que vacas são violentadas para a produção de leite, que seus bezerros são afastados logo nos primeiros minutos após o nascimento e que em geral há muito sofrimento nas propriedades.

O discurso não é novo, mas o foco e a adoção do nome Moo Too é mais um passo na escalada contra o agronegócio e que logo deverá chegar ao Brasil por imitação.

Ideias endossadas até por acadêmicos

O Departamento de Estudos de Gênero da Universidade de Nova Iorque publicou um estudo dizendo que ordenhar vacas é equivalente a abuso sexual, provoca trauma relacionado a gravidez e que as vacas recebem tratamentos hormonais sem consentimento. Além destas máximas absurdas, uma série de comparações com as mulheres é feita pelo documento.

O estudo pode ser acessado aqui: Readying the Rape Rack: Feminism and the Exploitation of Non-Human Reproductive Systems.

Veja também: Produtor de leite desafia o “Coringa”: venha conhecer a vida na fazenda.

Alguns ativistas não são pacíficos

No dia 16 de fevereiro, um discurso do candidato democrata a presidência dos Estados Unidos, Bernie Sanders, foi invadido por ativistas segurando placas com a singela mensagem #LetDairyDie – deixe a indústria de laticínios morrer, em uma tradução livre – com direito a retirada forçada do microfone enquanto o político discursava e algumas integrantes fazendo topless.

Veja também (com restrições, o texto é favorável ao movimento)

Op-Ed: The abuse of dairy cows is a feminist issue. Yes, the ‘Moo Too’ movement is here.


12 de fevereiro de 2020

Produtor de leite desafia o “Coringa”: venha conhecer a vida na fazenda


Coringa

Reação veio após discurso militante do ator que interpretou o vilão Coringa, Joaquin Phoenix, durante o Oscar 2020

O ator Joaquin Phoenix tem uma vida paralela no ativismo vegano desde muito tempo. Em alta por conta do papel no filme Coringa, faturou o prêmio de melhor ator no Oscar de 2020. Durante o discurso “da vitória”, aproveitou o momento e disparou a velha narrativa vegana contra os produtores de leite.

O discurso legendado do Coringa Joaquin Phoenix. Créditos: canal Imperador das Legendas no Youtube.

Eu acho que estamos muito desconectados do mundo natural. Nos sentimos no direito de inseminar artificialmente uma vaca e quando ela dá a luz nós roubamos sua cria, mesmo que ela chore. Então pegamos o seu leite e colocamos no café ou em nosso cereal“, disse o ator, entre outras afirmações.

O Coringa (em sua versão “civil”).

Pois um produtor de leite do estado de Wisconsin, nos EUA, não gostou do trololó do ator e fez um desafio ao homem que até então nem conhecia: “venha até a minha propriedade e conheça a realidade da vida na fazenda. Você não tem ideia de como são as coisas por aqui. Venha passar algumas horas aqui. Nosso trabalho é muito importante: ajudar a alimentar o mundo. E o que você faz, Sr. Phoenix? Ah sim, entreter o mundo.“.

O desafio foi feito através da TV local WISN, afiliada da rede ABC.

A Federação Nacional dos Produtores de Leite também não gostou nada do discurso

A nota da federação americana foi matadora. “O trabalho duro dos produtores de leite vai continuar ainda muito tempo depois das pessoas já terem esquecido quem ganhou o Oscar de melhor ator em 2020“.

Lacre no palco, resposta rápida das entidades e produtores. É assim que se faz.

Veja também

Ativistas dos direitos dos animais invadem propriedade e matam leitões


5 de dezembro de 2019

Evolution S4 – alimentador automático para bezerros


Evolution S4

Sistema realiza a automação da alimentação individual de até 140 bezerros e é todo controlado por computador

A JFC Agri é uma empresa da Irlanda que desenvolve soluções para a pecuária e outras áreas, de cochos “normais” até o fantástico Evolution S4. O sistema é praticamente uma “mamãe robô” para os bezerros.

O Evolution S4 monitora até 140 bezerros e disponibiliza dietas personalizadas (até 7 programas nutricionais) para cada animal.

O sistema é composto por um mixer e dispenser e o alimentador em si. Abaixo, fotos e vídeo:

As unidades principais do sistema
O painel de controle.
O bezerro acessa o alilmentador.
Operação do sistema.

Evolution S4 – Vídeo

O preço do sistema ná é divulgado abertamente, mas você pode entrar emcontato com o fabricante no site.


14 de novembro de 2019

Maior laticínio dos Estados Unidos entra em processo de falência


Dean Foods

Baixa demanda por leite, novos hábitos de consumo e competição com novos produtos quebraram a quase centenária Dean Foods

A Dean Foods, maior empresa de laticínios dos Estados Unidos e fundada em 1925, entrou em processo de falência nesta semana. Entre as causas ventiladas no mercado estão o cada vez mais baixo consumo de leite no país e a competição com produtos alternativos, orgânicos e vegetais.

Funcionários da empresa comemorando o Dia do Leite em 2017.

As gigantes do ramo também estão sofrendo com a concorrência das marcas próprias criadas pelas redes de supermercados, em uma população que consome 37% menos leite em relação aos anos 70.

Oficialmente, a falência foi pedida com base nas dívidas e obrigações com fundos de pensão. O documento também cita a possibilidade de venda total dos ativos.

A Dairy Farmers of America é apontada como possível compradora da empresa.

Saiba mais

Dean Foods goes bankrupt; to sell assets.

A Milk Giant Goes Broke as Americans Reject Old Staples.

Supermercado começa a produzir o próprio leite e laticínios cancelam contratos com produtores nos EUA.


19 de outubro de 2019

A maioria das vacas leiteiras nos EUA descendem de apenas 2 touros


vacas leiteiras

Falta de diversidade genética é vista por especialistas como ameaça ao rebanho leiteiro nos Estados Unidos

A National Public Radio destaca reportagem sobre o rebanho leiteiro americano e uma curiosidade: a maioria das vacas nas propriedades do país descendem de apenas dois touros.

Como os produtores tendem a comprar sêmen quase sempre dos animais que mais se destacam no catálogo dos poucos fornecedores (geralmente pelo índice da produção das filhas deste touro, registrado ao longo do tempo) , a diversidade genética foi empobrecendo no país.

vacas leiteiras
Vacacs leiteiras: duas grandes famílias nos Estados Unidos.

Os dois touros que são considerados os ancestrais quase únicos nos Estados Unidos nasceram entre os anos 50 e 60. São eles o Round Oak Rag Apple Elevation e o Pawnee Farm Arlinda Chief.

Pesquisadores da Pennsylvania State University estão tentando reverter este quadro, criando novas linhagens com sêmens que estão guardados há muito tempo pelo “Ministério da Agricultura” americano. Estas amostras estão em uma instalação do governo em Fort Collins, no Colorado.

Os resultados e a comparação genética destas “bovinas perdidas no passado” ainda serão objeto de estudo por muito tempo. Até lá, o rebanho americano seguirá com suas duas grandes famílias.

Leia também: Holanda inaugura primeira fazenda flutuante para gado leiteiro do mundo.


10 de outubro de 2019

Laticínio dos EUA lança edição especial de Iogurte para ajudar produtores


Laticínio dos EUA

A Chobani criou uma versão do seu iogurte grego em homenagem ao dia do agricultor nos Estados Unidos, com parte dos lucros destinada a entidade agrícola

A Chobani, empresa americana do ramo de laticínios, vai lançar durante o mês de outubro uma edição especial do seu iogurte grego para homenagear e ajudar financeiramente os produtores de leite do país. Dia 12 de outubro é comemorado o “dia do agricultor” nos EUA.

A promoção em destaque no site da Chobani.

Cada pacote com 4 unidades do iogurte vendido destinará 10 centavos de dólar para a American Farmland Trust, uma entidade sem fins lucrativos que ajuda agricultores com projetos, assistência técnica, pequenos empréstimos e consultoria ambiental.

Segundo a empresa, nos últimos 10 anos uma média de 5 propriedades produtoras de leite fecharam as portas nos Estados Unidos. A iniciativa pretende proteger os que ainda estão na atividade, em um país que perde mais de meio milhão de hectares de propriedades rurais por ano.

Comercial da Chobani: investimento pesado em marketing.

Consideradas vitais para as economias locais, as propriedades leiteiras estão sentindo os impactos econômicos na atividade, a falta de sucessão familiar (com o envelhecimento da população agrícola) e a concorrência com produtos alternativos ao leite.

Leia também

Supermercado começa a produzir o próprio leite e laticínios cancelam contratos com produtores nos EUA.

Leite artificial quer acabar com a pecuária leiteira mundial.


24 de julho de 2019

Pai é suspeito de envenenar o rebanho do próprio filho na França


envenenar o rebanho

Briga de família teria resultado em diversos problemas para casal que tentou inovar na propriedade localizada no interior da França

Brigas de família envolvendo algum tipo de sucessão rural não são raras, mas esta superou todos os limites. Um pai é o principal suspeito do envenenamento do rebanho do próprio filho, matando cerca de 140 animais.

A polícia francesa está investigando a morte dos animais e outros eventos “misteriosos” ocorridos na propriedade que fica na cidadezinha de Pageas, de apenas 603 habitantes.

Tudo começou em 2009, quando Pascal Chazelas (o filho) assumiu a propriedade da família, recém saído da escola agrícola e cheio de ideias mais modermas para aplicar na produção. O pai, Jean-Louis, era contrário a qualquer novidade.

Antes da morte dos animais, vários eventos “misteriosos” aconteceram no local: pneu do trator cortado, cano de irrigação quebrado da noite para o dia e o galpão dos animais aberto no meio da madrugada.

Depois que os dois gatos da famíllia morreram “do nada”, o próprio Pascal começou a ficar doente. No hospital, foi diagnosticada a ingestão quase mortal de um metal pesado. Logo após este episódio, foi descoberto que o pai de Pascal comprou uma apólice de seguro onde ele seria o único beneficiário da morte do próprio filho, com um prêmio de 150 mil euros.

O casal e uma sobrevivente.

Já as 140 vacas mortas por envenenamento foram para o laboratório e por lá identificaram uma altíssima quantidade de nitritos e nitratos nas carcaças.

A perda do rebanho ocasionou prejuízos para toda a comunidade, já que a propriedade mantinha negócios com diversas pessoas da pequena localidade. Mesmo com a questão do seguro e todo o histórico das brigas familiares, o pai ainda não passa de um suspeito, de acordo com a polícia. Faltam provas.

O casal está organizando uma “vaquinha” pela internet, para tentar dar a volta por cima e cobrir os prejuízos, neste endereço.

Saiba mais: Mysterious ‘poisoning’ of 140 cows as French farmer feuds with his father.

Leia também: Restos de poda levam bovinos à morte na Inglaterra.


4 de junho de 2019

Holanda inaugura primeira fazenda flutuante para gado leiteiro do mundo


fazenda flutuante

Fazenda flutuante começou a operar em meados de maio com 32 animais, ao custo de 3,2 milhões de dólares

A Floating Farm é um projeto em execução na Holanda que pretende criar alternativas para a produção de alimentos. Na prática, uma “barcaça” capaz de abrigar os animais e lidar de forma inteligente com todos os itens que envolvem a produção de leite. Entram insumos, saem leite e dejetos processados como fertilizantes.

Ancorada no porto de Roterdã, a fazenda flutuante começou a operar em meados de maio, com 32 animais. O empreendimento chama a atenção do mercado, atraindo visitantes de diversos países para conhecer de perto a novidade.

Garrafa de leite produzido na Floating Farm: tuda a produção é vendida em quiosques na cidade.

A construção da fazenda flutuante começou em março de 2018. Os responsáveis pelo empreendimento que custou 3,2 milhões de dólares são o Courage (um centro de estudos para inovação no setor de laticínios), Uit Je Eigen Stad (uma empresa de agricultura urbana) e a Beladon, contrutora de soluções flutuantes para diversos setores. Segundo os organizadores, outras experiências serão desenvolvidas no futuro, com criação de frangos e estufas para produção de hortaliças.

Dados extras sobre a fazenda flutuante:

32 animais com ordenha robotizada, automação para coleta de dejetos (a urina é coletada em separado e estocada em tanques para aproveitamento da amônia), alimentador automático e piso de borracha. O galpão principal tem 40 x 32 metros e possui iluminação por LED.

Floating Farm – Fazenda Flutuante – ainda em 2018.

Saiba mais: Cows Set Sail at World’s First Floating Dairy.

Leia também: Textos sobre Bovinocultura no Blog do Farmfor.


6 de maio de 2019

Incêndio mata 550 vacas leiteiras nos EUA


incendio mata 550 vacas

O sinistro destruiu o confinamento free stall da propriedade que fica na cidade de Copenhagen, no Estado de Nova York

Os produtores de leite Doris e Walt Kennell, da cidade de Copenhagen, no estado de Nova York, perderam 550 de seus 600 animais após um incêndio nas instalações ocorrido no último dia 25 de abril.

Foram perdidas 504 vacas, 40 novilhas e 4 touros, enquanto outros animais tiveram que ser sacrificados por conta dos ferimentos, dias depois.

Bombeiros de diversas cidades da região participaram do atendimento na ocorrência. A suspeita para o sinistro é de curto no circuito elétrico de uma bomba usada para retirar esterco do galpão, mas o caso ainda está sendo investigado.

Participaram do atendimento os bombeiros do Copenhagen Volunteer Fire Department, Lowville Fire Department, New York State Police, Castorland Fire Co., Martinsburg Fire Department, West Carthage Fire Department Tankers, Rutland Volunteer Fire Department, Lewis County Search & Rescue e Lewis County Fire Coordinators. As fotos desta postagem são do Copenhagen Volunteer Fire Department e do Rutland Volunteer Fire Department.

Com informações do site Dairy Herd e do Watertown Daily Times.


5 de maio de 2019

Veja como é feita a coleta de leite em uma propriedade da Inglaterra


coleta de leite

O canal The Funky Farmer mantém atualizações no Youtube sobre o dia a dia na propriedade familiar inglesa e contou como o caminhão coleta o produto

O agricultor inglês Rich Cornock é também produtor de leite na localidade de Tytherington, em South Gloucestershire. Olhando o mapa da Inglaterra, fica para o oeste, duas horas distante de Londres e perto de Bristol. Sua propriedade é histórica: está em atividade desde os anos 1600 e já foi ocupada por três famílias diferentes. Já o bisavô de Rich comprou a terra no início do século 20.

O apoio governamental é destacado. A propriedade está em um esquema de apoio que dura dez anos chamado Higher Level Stewardship (HLS), que dá dinheiro para que agricultores exerçam em paralelo atividades ambientais. Eles plantam pastagem, cultivam flores nativas para animais silvestres e dão manutenção em açudes, sendo bem pagos por isso. A média de pagamento total para os agricultores que aderem ao sistema é de 1000 libras por hectare.

A coleta do leite

A propriedade tem contrato com o laticínio Muller, a maior empresa do ramo no Reino Unido. De dois em dois dias, o caminhão compacto (tanque de 13500 litros) da Wincanton, à serviço do laticínio, comparece no local para a coleta do leite.

Logo na chegada, o motorista do caminhão tanque liga o agitador do resfriador da propriedade e conecta a mangueira coletora. Antes de ligar a bomba, pega frascos para tirar amostras do leite e cola etiquetas de papel nos tubos, geradas na propriedade. É a identificação do produtor.

O sistema do caminhão não deixa bombear o leite antes de 2 minutos depois do início da operação. É o tempo necessário para o motorista agitar o leite e tirar as amostras.

Desligado o agitador do tanque, o motorista coleta o leite com uma concha plástica e enche os tubos de amostra. O produtor recebe os resultados do teste do leite no dia seguinte!

Os 2629 litros de leite são sugados em poucos minutos, então o motorista aciona o sistema de lavagem no tanque do produtor. A bomba aponta a temperatura de 2,25 C no leite coletado.

Um recibo com diversos dados sobre a coleta é impresso pelo sistema do caminhão. Tudo acompanhado de coordenadas de GPS do local. O número gerado pelo recibo é anotado no tubo de amostra do leite.

Com o leite coletado, o caminhão deixa a propriedade.

A sequência pode ser vista no vídeo abaixo, direto do canal The Funky Farmer:

A propriedade tem 145 acres (cerca de 58 hectares) e conta com um rebanho de 80 animais da raça holandesa. O produtor inglês recebe 28.94 pence por litro (centavos de libra, cerca de R$ 1,50 ao câmbio de hoje).

Leia mais sobre Leite, no Blog do Farmfor.


21 de março de 2019

Campanha de laticínio australiano gera 10 mil mensais de renda extra ao produtor


Renda extra

Venda de leite especial com acréscimo de 10 centavos no litro já começou a render os frutos desejados

Os produtores da Austrália passaram por diversos problemas extremos com o clima no país nos últimos anos, com secas e enchentes devastadoras. Por conta deste cenário, a rede de supermercados (que tem laticínio próprio) Woolworths lançou uma edição especial de um leite chamada Drought Relief Milk, com acréscimo de 10 centavos no preço e uma etiqueta informando ao consumidor que este aumento iria direto para os produtores.

Nós já contamos esta história aqui no blog no post Supermercado da Austrália aumenta o preço do leite e repassa o valor direto para os produtores, em fevereiro.

Os resultados da campanha já começaram a aparecer: produtores estão recebendo uma renda extra todo final do mês que chega a dez mil dólares, segundo reportagem do site Nine News.

Peter Garrat, um dos produtores beneficiados pelo programa.

O programa é todo controlado por auditores independentes, garantindo que os 10 centavos a mais cobrados do consumidor pelo supermercado sejam destinados ao fundo, que distribui o bônus para 450 produtores de leite no país.

Uma boa ideia que poderia ser adaptada para o Brasil, dentro da nossa realidade e para tragédias não apenas do clima.


22 de fevereiro de 2019

Açores quer abater 10 mil vacas para aumentar o preço do leite


Açores

Arquipélago no Atlântico pensa em tomar medidas drásticas para melhorar a situação dos produtores de leite, um uma queda de braço com laticínios

O Arquipélago de Açores fica no Atlântico, distante cerca de 1600 km de Portugal. As 9 ilhas que fazem parte do arquipélago possuem 2322 km2 , com uma população de 247 mil habitantes. Em 2015, o rebanho leiteiro de Açores era de 89 mil cabeças que produziram 250 milhões de litros, resultando em 58,6 milhões de litros de leite UHT e 12 mil toneladas de queijo. Para saber mais dados sobre a agricultura do Açores, acesse este documento em PDF.

Agora, enfrentando uma crise de preço e conflitos com os laticínios, a associação dos produtores do arquipélago pensa em adotar uma solução radical para o preço baixo recebido pelo leite na região: abater 10 mil cabeças, já agora no mês de maio.

O valor pago ao produtor pelo litro de leite no Açores é o mais baixo da Europa, ficando em cerca de 27,49 centavos de euro, sendo que é considerado um dos melhores em qualidade, em toda a União Européia.


18 de fevereiro de 2019

Supermercado da Austrália aumenta o preço do leite e repassa o valor direto para os produtores


Woolworths

A rede de supermercados Woolworths decidiu elevar o preço para ajudar os produtores do país após enchentes que dizimaram propriedades

As imagens na TV australiana mostrando propriedades alagadas e o gado sofrendo com as cheias causou um impacto enorme na opinião pública do país. Para aliviar a crise, a rede de supermercados Woolworths (uma das maiores da Austrália) resolveu elevar em 10 centavos o preço do litro vendido ao consumidor. A diferença no preço promete ser repassada diretamente aos produtores.

Não é a primeira vez que a rede cria alternativas para os produtores parceiros. Quando a pecuária leiteira australiana sofreu com a seca em 2018, a empresa criou uma edição especial de leite chamada “Drought Relief Milk“, com preço superior e a diferença também repassada aos atingidos. Foram arrecadados mais de 5,8 milhões de dólares com a iniciativa, repassados para 285 produtores.

Edição especial de leite com adicional no preço.

Imaginem a situação: uma grave crise afeta o setor leiteiro e o supermercado cria um leite “edição especial” mais caro, mas avisando ao consumidor que a diferença vai para um fundo de suporte aos agricultores. O cliente escolhe por conta própria comprar o leite normal ou o solidário.

Em 2011, a mesma rede começou a vender o litro de leite a 1 dólar, incentivando outros supermercados a baixarem o preço. O movimento quase quebrou os produtores australianos. Em 2013, para reparar os danos causados na imagem do grupo, a Woolworths criou uma marca nova e começou a trabalhar diretamente com os produtores, com processamento próprio. Desde então, o tripé produtores, supermercado e consumidores tem melhorado o relacionamento, mesmo que seja com a ajuda dos grandes eventos climáticos.

Para saber mais: Woolworths to axe $1-a-litre fresh milk.


19 de dezembro de 2018

Termovisor auxilia pesquisa inovadora que prevê diagnóstico de mastite em bovinos


termovisor

Análise termográfica infravermelha de temperaturas da pele do úbere e tetos das vacas diagnosticou 74 animais com a doença.

Estudo concluiu que a termografia possui alta capacidade de diagnóstico preditivo e o diagnóstico ocorre antes que o animal apresente qualquer sintoma clínico ou alteração física no leite

A Fluke, líder global em tecnologia portátil de teste e medição eletrônica, mais uma vez inova e auxilia uma pesquisa que pode revolucionar a maneira de diagnosticar doenças bovinas. A companhia compartilhou sua tecnologia a fim de auxiliar o diagnóstico precoce da mastite clínica e subclínica em bovinos leiteiros.

O Termovisor Fluke Ti450 permitiu realizar o diagnóstico da doença em vacas, por meio da análise termográfica infravermelha de temperaturas superficiais da pele do úbere e tetos, em relação ao corpo e ao reto do animal. O estudo, idealizado por Luana Rodrigues, estudante de Medicina Veterinária no Centro Universitário de Jaguariúna (UniFAJ), teve início em julho deste ano e foi apresentado na última semana no Congresso Nacional de Iniciação Científica, na UNIP Pinheiros, em São Paulo.

A mastite é uma doença que causa infecção e inflamação nas glândulas mamarias das vacas. Conforme explica a autora da pesquisa, essa moléstia ocasiona perda econômica do rebanho, e consequente prejuízo ao produtor. “Quando o animal apresenta mastite, o leite começa a ser produzido com alto teor de célula somática e não é autorizado para venda, conforme o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), prioriza”, explica Luana.

Tecnologia

A tecnologia do termovisor consegue identificar a temperatura superficial da pele do bovino. Segundo Luana, o aumento da temperatura é um dos sintomas quando ocorre a inflamação das glândulas mamárias. “A ferramenta da Fluke é utilizada no momento de medir o grau de temperatura das regiões em questão. Se a temperatura estiver mais elevada em relação ao resto do corpo, significa que existe uma inflamação, e a mastite é diagnosticada”, afirma.

O Gerente de Produtos de Termografia da Fluke, Carlos Rubim, acredita que a termografia, atualmente, pode ajudar em diversos setores, não apenas na engenharia. “O objetivo da Fluke é colaborar cada vez mais com pesquisas e estudos que beneficiem diversos segmentos. A alta tecnologia de nosso termovisor permite mensurar a partir da emissão de raios nos bovinos, as mudanças na temperatura corporal e cabe ao profissional fazer bom uso do equipamento”, comenta.

A pesquisa resultou na confirmação de 74 animais positivos e concluiu que a termografia pode ser utilizada no auxílio do diagnóstico da doença, pois possui alta capacidade de diagnóstico preditivo semelhante aos testes Caneca de Fundo Preto (CFP) e California Mastits Test (CMT). É importante ressaltar que esse diagnóstico ocorre antes que o animal apresente qualquer sintoma clínico ou alteração física no leite.

Sobre a Fluke

Fundada em 1948, a Fluke Corporation é a líder mundial em ferramentas de teste eletrônicas, profissionais e compactas, e softwares para medição e monitoramento de condições. Os clientes da Fluke são técnicos, engenheiros, eletricistas, gerentes de manutenção e meteorologistas que instalam, solucionam problemas e gerenciam equipamentos industriais, elétricos e eletrônicos e processos de calibração.

Leia mais sobre bovinocultura no Blog do Farmfor.



Publicidade

  • 1
  • 2