Tag: India

10 de setembro de 2021

Virus Nipah provoca medo de novo surto na Índia


nipah

Transmitido por morcegos, suínos e por contato entre humanos, a mortalidade do vírus Nipah fica entre 40 e 75%, de acordo com a Organização Mundial da Saúde

Um menino de 12 anos da região de Kozhikode, no estado de Kerala (Índia)  faleceu no último domingo, 5 de setembro, vítima do vírus Nipah. Não existe vacina para o vírus que causa febre alta, vômitos e convulsões. O período de incubação é de 4 a 14 dias, com sintomas durando até 14. A infecção é associada com encefalite e pode levar ao coma.

As autoridades de saúde do país entraram em alerta e isolaram a área, com extensa busca e testagem de todas as pessoas que tiveram contato direto ou indireto com a vítima – 188 ao todo, que já estão em quarentena.

morcego nipah

Desta vez, o suspeito na transmissão é o morcego. Ele morde os frutos das árvores que são ingeridas pelos habitantes, causando a infecção. 

O estado de Kerala já sofre atualmente com o Coronavírus, sendo o campeão de casos diários no país. Na última segunda, 6, dos 31222 novos casos de COVID-19 da Índia, 20000 eram de Kerala (o estado tem 39 mil quilômetros quadrados de território e uma população de 33 milhões segundo o censo de 2011. Menor que o estado do Rio de Janeiro, com quase o dobro da população).

Em 2018, um surto do Nipah matou 17 pessoas também em Kerala. O vírus foi detectado pela primeira vez em 1998, na Malásia, onde porcos foram identificados como vetores da contaminação.

Bom conteúdo sobre o vírus Nipah – Capacitação para lidar com epidemias ajuda a conter surto do vírus Nipah, mantido pelo governo americano. Acesse neste link.

O problema do Toddy

Não se trata do achocolatado bem famoso no Brasil e rival número 1 do Nescau, mas uma bebida tradicional da Índia. Também conhecido como vinho de palma, é feito com a fermentação da seiva de palmeiras. O Toddy está na mira das autoridades, já que pode ser um potencial transmissor do vírus, infectado por morcegos que vivem nas árvores.

Rambutão também é suspeito

rambutão

O rambutã (Nephelium lappaceum), é o fruto da rambuteira, uma árvore tropical de tamanho médio, da família das Sapindaceae, que se julga ser nativa do arquipélago malaio. É uma das plantas mais decorativas que existem. Produz deliciosos frutos exóticos que podem ser utilizados em múltiplas receitas e é fácil de cultivar em casa. Fonte: Planta Sonya.

Na região onde faleceu o menino, amostras de rambutão (ou rambutã), uma fruta muito consumida por lá, foram coletadas para verificar a presença do vírus.

Veja também

Colheitadeira movida a trator: uma tradição na Índia


8 de fevereiro de 2021

Mia Khalifa, uma voz em defesa dos agricultores indianos


Mia Khalifa

Mia Khalifa, atriz aposentada de certos filmes com má fama e que certamente você conhece, entrou na briga para defender os agricultores da Índia. A crise com o governo está feia por lá e nós já falamos sobre o caso no Blog do Farmfor aqui e aqui, pelo menos.

 

Mia Khalifa versus Priyanka Chopra

A atriz usou o Twitter várias vezes nas últimas semanas para defender os agricultores e “chamar para o pau” a atriz Priyanka Chopra Jonas – que é da Índia – por não dar atenção para os protestos. Mia Khalifa é libanesa e na crise causada pela mega explosão da área portuária de Beirute em agosto de 2020, também arranjou confusão com a cantora Shakira, pelo mesmo motivo.

O tweet do puxão de orelha.

As chamadas virtuais para a crise na Índia vindas de celebridades não são unanimidade entre o público indiano e o próprio governo. Enquanto alguns agradecem gente famosa gritando para o mundo que o país tem problemas, outros pensam que é apenas uma jogada de marketing sem conhecimento de causa ou pior: reforço das próprias agendas políticas.

Segundo o site National Herald, desde as manifestações que começaram no dia 26 de janeiro, 127 pessoas já foram presas e mais de 1000 contas bloqueadas no Twitter por espalhar fakenews.

Veja também

Mia Khalifa questions Priyanka Chopra Jonas’ silence on farmer protests


29 de janeiro de 2021

Governo corta a internet para controlar protestos de agricultores na Índia


governo corta a internet




governo corta a internet

 

Para tentar dificultar a organização dos agricultores, governo corta a internet no estado de Haryana, próximo da capital da Índia, Nova Déli.

No Dia da República, 26 de janeiro, agricultores organizados por sindicatos e partidos de esquerda (em especial o Partido Comunista da Índia) levaram os tratores para a capital e os protestos foram marcados por brigas, tratores avançando nas barricadas da polícia, a polícia batendo de volta nos manifestantes e até uma morte: um homem capotou o trator ao avançar contra policiais. Mas os protestos continuam e novos grupos seguem para a capital.

 

tatuagem de trator

Curiosidade: jovens agricultores indianos que participam dos protestos estão fazendo tatuagens de trator, como símbolo de luta pelos direitos.

 

Chuva de Fakenews

As fakenews estão ajudando a tornar a situação incontrolável. As notícias falsas que correm a internet por lá misturam vídeos antigos aos atuais das manifestações, mostram ações da polícia como se fossem de agora e até celebridades que algum dia fizeram foto ao lado de um trator são mostradas agora como apoiadoras dos protestos, dando endosso às causas. Foi o caso com Mahendra Singh Dhoni, famoso jogador de cricket da Índia.

Pessoas físicas e até jornalistas já estão encarando processos por publicações de fakenews. Uma delas acusava a polícia pela única morte do protesto, quando um vídeo posterior mostrou que a vítima, Navreet Singh, morreu ao capotar o próprio trator depois de avançar em uma barricada. Ele era recém-casado e morador da Austrália. Voltou para a Índia justamente para casar, mas resolveu de última hora participar das passeatas.

Governo Corta a Internet

Segundo o site News18, o governo cortou a internet em 17 dos 22 distritos do estado de Haryana, além das regiões de Sonipat, Palwal e Jhajjhar.

Além do quebra-pau já ocorrido na capital, as caravanas de agricultores estão brigando com as populações locais das cidades por onde passam. Entra a polícia e tudo piora, ao estilo do país: surra de bastão e ataques de espada.

 


23 de janeiro de 2021

Partido Comunista da Índia está por trás dos tratoraços no país


Partido Comunista da Índia




 

Partido Comunista da Índia

 

Os agricultores da Índia preparam o que deverá ser o maior protesto da história do país e um dos maiores do mundo em número de tratores nas ruas para o próximo dia 26 de janeiro. Por trás de muitos destes grupos de descontentes está a mão do Partido Comunista da Índia, inflando os protestos e organizando as marchas.

Os marxistas do CPI postam abertamente nas redes sociais os preparativos para os protestos e os pré-eventos organizados nas pequenas cidades, rumo ao grande encontro na capital do país, Nova Déli.

Acima: fotos de agricultores e seus tratores em preparação: fonte Twitter do Partido Comunista da Índia.

O Partido

O PCI (M) foi formado no Sétimo Congresso do Partido Comunista da Índia realizado em Calcutá de 31 de outubro a 7 de novembro de 1964. O PCI (M) nasceu na luta contra o revisionismo e o sectarismo no movimento comunista no âmbito internacional e a nível nacional, a fim de defender os princípios científicos e revolucionários do marxismo-leninismo e sua aplicação apropriada nas condições indianas concretas.

O PCI (M) combina a bela herança da luta anti-imperialista e o legado revolucionário do indiviso Partido Comunista fundado em 1920. Ao longo dos anos, o Partido emergiu como a principal força de esquerda do país. O PCI (M) tem crescido constantemente desde a sua formação em 1964. O número de membros do Partido, que era de 118.683 na altura da sua formação, cresceu para 10.00.520 em 2018. O Partido tem procurado aplicar de forma independente o marxismo-leninismo ao Condições indianas e para elaborar a estratégia e táticas para uma revolução democrática popular, que pode transformar a vida do povo indiano.

O PCI (M) está empenhado em realizar esta transformação básica, realizando um programa para acabar com a exploração imperialista, grande burguesa e latifundiária. O PCI (M), como partido de esquerda líder, está empenhado em construir uma frente de esquerda e democrática que possa apresentar uma alternativa real às políticas existentes da burguesia-latifundiária.

Nas últimas eleições, o PCI (M) tem disputado em média 15 por cento do total de cadeiras. (A Índia segue o sistema “primeiro após o posto” e a representação não proporcional) Nas eleições de 2019 para a Lok Sabha (câmara baixa do Parlamento indiano), o PCI (M) ganhou 3 assentos. A Câmara Baixa do Parlamento tem uma força de 543. No Rajya Sabha (Câmara Alta), o CPI (M) tem 5 membros.

O PCI (M) está atualmente chefiando um governo estadual – Kerala. Em Kerala, a Frente de Esquerda Democrática liderada pelo CPI (M) foi eleita nas eleições realizadas em 2016. O governo da Frente de Esquerda liderado pelo CPI (M) esteve ininterruptamente no poder em Bengala Ocidental desde 1977 até maio de 2011. A Frente de Esquerda liderada pelo CPI (M) dirigia o governo em Tripura até 2018

O CPI (M) tem representação nas seguintes assembléias legislativas nos estados de Kerala, Bengala Ocidental, Tripura, Rajasthan, Himachal Pradesh, Jammu e Caxemira, Odisha e Maharashtra.

Fonte: Site do partido.

 


19 de janeiro de 2021

Tratoraço na Índia: agricultores preparam o maior protesto na história


tratoraço na índia




Os agricultores estão prometendo um grande tratoraço na Índia para o próximo dia 26 de janeiro, data nacional do país quando festejam o Dia da República, ou R-day.

Em 26 de janeiro de 1950, a atual constituição da Índia entrou em vigor. No mesmo dia, em 1930, foi declarada a independência (conhecida como Purna Swaraj), deixando o país livre do domínio britânico. É uma dupla comemoração.

Protestos menores considerados “ensaios” para o grande dia já são organizados em diversas regiões, com a saída destes locais programada para os dias 20 e 21, rumo à capital, Delhi.

Tratoraço na Índia – os motivos

Nós já contamos aqui no Blog do Farmfor sobre esta instabilidade na Índia, causada por reformas do governo que pretendem mudar subsídios agrícolas e quebrar monopólios do governo. Relembre em Agricultores vão para as ruas na Índia contra as reformas do Governo, publicado em novembro de 2020.

Há uma briga na justiça tentando barrar o protesto neste dia, já que entra em conflito com as comemorações nacionais previstas para a área central da cidade. Os agricultores (e os sindicatos) prometem não atrapalhar, deixando um número estimado em 25 mil tratores protestando apenas na periferia.

Curiosidade

A página do Farmfor no Facebook (se você ainda não segue, faça o favor) costuma receber diversas mensagens de agricultores da Índia, pedido ajuda na divulgação dos protestos.

Veja também

Farmer unions build up for Republic Day tractor parade with village-level rallies 

AAP to join Jan 26 tractor parade ‘as a farmer’: Bhagwant Mann


28 de novembro de 2020

Agricultores vão para as ruas na Índia contra as reformas do Governo


agricultores vão

Seguidores da nossa página no Facebook estão mandando relatos da situação na Índia: milhares de agricultores estão marchando do estado de Punjab até a capital do país, Nova Delhi, para protestar contra a reforma agrícola em curso.

Recebidos com jatos de água e bombas de gás lacrimogênio pelas forças do governo, os agricultores reclamam do que chamam de “privatização do setor agrícola” e reformas injustas.

As Leis

Segundo o site indiano ZeeNews, três pacotes de leis pretendem aumentar os canais de comercialização, quebrar monopólios (incluindo mercados públicos controlados pelo próprio governo) e criar bases para contratos envolvendo agricultores. O principal temor dos líderes está na possibilidade destas leis criarem um caminho para o fim do sistema de preço mínimo adotado no país. Dos 31 sindicatos presentes nos protestos, 13 possuem ligação direta ou indireta com partidos comunistas.

Imagens dos protestos na BBC.

Estima-se que os governos dos estados na Índia também perderão arrecadação: só em Punjab, 13% dos impostos arrecadados são oriundos dos mercados públicos estatais. Agricultores vão protestar e o governo vai com uma mão jogar gás e jatos dágua. Com a outra, lamentar a perda de dinheiro. Uma briga atípica que o mundo agrícola conhece bem.

 


23 de março de 2020

Kubota compra parte da indiana Escorts Agri Machinery


kubota compra

Japoneses vão ficar com 10% da fabricante dos tratores das marcas Farmtrac e Powertrac, tradicionais no país

A Kubota está em processo de compra de 10% da empresa indiana Escorts Agri Machinery, fabricante pioneira no país e que tem como destaques os tratores das marcas Farmtrac e Powertrac.

Kubota compra parte da indiana Escorts Agri Machinery.

Segundo o Indian Times, a parceria deverá elevar as empresas ao posto de líder de mercado na Índia. Em contrapartida, a mesma Escorts comprará 40% da Kubota Agricultural Machinery India.

As maiores marcas de tratores na Índia são Mahindra & Mahindra, Tractors and Farm Equipment Limited, John Deere India Pvt. Ltd, Swaraj Tractors, Sonalika Tractors, Escorts Agri Machinery, New Holland Tractors, Mahindra Gujrat Tractor Ltd, Force Motors Tractors, HMT Tractors, Preet Tractors, Standard Tractors, Indo Farm Tractors, Captain Tractors e Mitsubishi Tractor. Os dados são do TractorInfo.

Veja também

O Trator dos Sonhos da Kubota no Japão.


19 de março de 2020

New Holland bate a marca de 500 mil tratores fabricados na Índia


new holland bate

Fabricante comemorou a marca histórica no país

A New Holland da Índia chegou na marca dos 500 mil tratores produzidos no país. Ou “5 lakh” como eles contam por lá.

New Holland bate a marca de 500 mil tratores produzidos no país.

A New Holland começou as atividades na Índia no ano de 1998, fabricando tratores de 70 hp direcionados ao mercado do país. A fábrica fica na cidade de Noida e tem capacidade para a produção de 60 mil tratores por ano.

Veja também: Ator indiano quita a dívida de agricultores em seu estado natal.

Hoje a planta de Noida são exportados para a Ásia, África, Oriente Médio, Austrália e América do Norte.

Saiba mais no site da New Holland Agriculture India.


12 de março de 2020

Cellestial E-Mobility lança trator elétrico na Índia


Cellestial E-Mobility

A Cellestial E-Mobility desenvolveu o tratorzinho que promete 75km de autonomia com uma única carga, com motor que equivale a um convencional de 21 hp

Mais um trator elétrico nasce em algum lugar do mundo, desta vez na Índia. A empresa Cellestial E-Mobility não é essencialmente agrícola, mas lançou um trator para a sua linha de veículos elétricos.

O modelo empower foi desenvolvido para os pequenos agricultores do país e conta com uma autonomia de 75 km, no motorzinho de 4,4 kW que (segundo o fabricante) equivale a um motor diesel de 21 hp. A recarga é feita em 6 horas em qualquer tomada normal com capacidade para 16 amperes.

O empower conta ainda com freio regenerativo, capacidade de carga de 1,2 toneladas, baterias intercambiáveis de lítio de 150 Ah e um inversor capaz de alimentar com corrente alternada pequenos dispositivos, usando a energia da bateria.

O preço não foi revelado.

Veja também

Trator elétrico da Fendt continua em testes na Europa

SKE 50, o trator elétrico da suíça Rigitrac

O estranho trator elétrico sem bateria da John Deere


1 de dezembro de 2019

Agricultor da Índia pinta cachorro para espantar macacos


Agricultor da Índia

Doguinho foi pintado com listras pretas para ficar com aparência de tigre e colocar medo nos macacos da região. A gambiarra animal funcionou.

Srikant Gowda, um agricultor da região da Shivamogga, no estado indiano de Karnataka, cansou de ver suas lavouras atacadas por macacos (sim, macacos. As pragas na Índia são um pouco diferentes). Como os tigres são predadores dos macacos e um vizinho conseguiu algum sucesso espalhando bonecos do animal pela propriedade, Gowda decidiu ir além.

A gambiarra animal ficou por conta do uso do cachorro da família como arma contra os invesores: Gowda pintou o cusco com listras pretas, para que ficasse parecido com um tigre.

O esquema foi um sucesso e afugentou os macacos. A tinta usada foi a de cabelo, comum.

Veja mais

Ek Tha Tiger: Farmer Paints His Dog Like A Tiger To Scare Away Monkeys, In Karnataka.


10 de abril de 2019

Colheitadeira John Deere W70 – Sucesso na Índia


Colheitadeira John Deere W70

Leve e compacta, a colheitadeira John Deere W70 tem motor de 100 hp com quatro velocidades

O modelo W70 se destaca no mercado indiano por conta de suas características, uma máquina de porte pequeno e leve para entrar nas pequenas propriedades do país.

A máquina tem um sistema de torque variável chamado Posi Torque, um dispositivo mecânico que varia a velocidade do cilindro debulhador conforme a velocidade da colheita, limpeza automática da entrada de ar do motor, um John Deere 4039 de 100 hp com transmissão de 4 velocidades. Seu peso (vazia) é de 6900 kg.

As especificações completas podem ser lidas (em inglês) neste documento.

A W70 custa 2 milhões de rúpias, algo equivalente a 29 mil dólares americanos ao câmbio de hoje.

Leia mais sobre colheitadeiras no Blog do Farmfor.


28 de fevereiro de 2019

Periquitos viciados em ópio estão devastando lavouras na Índia


periquitos

Os bichinhos estão transformando as plantações de papoula em verdadeiras cracolândias do mundo animal

O ópio na Índia é coisa séria: o país tem cerca de 44 mil hectares ocupados pelo plantio da papoula. A seiva é matéria-prima para medicamentos e também para a famosa droga heroína. A Papoula ainda é usada como planta ornamental e suas sementes são comestíveis (o bolo de sementes de papoula é prato típico em alguns países).

Cápsula de papoula após incisão para a liberação da seiva.


Os periquitos estão atacando ferozmente as lavouras de papoulas na Índia, causando enormes prejuízos aos produtores que tentam todo o tipo de recurso para espantar os pássaros viciados na ingestão da seiva. Se não comem na própria lavoura, levam no voo pedaços das cápsulas.

Este vídeo mostra o ataque no ano passado. Em 2019, voltaram com força total.

Cada cápsula da papoula contém cerca de 25 gramas de ópio. Os periquitos viciados chegam a comer 40 vezes durante o dia as plantinhas que dão liga. Depois da euforia, os pássaros são encontrados pelo chão nas propriedades vizinhas, mortos após bater em árvores ou simplesmente tontos.

Periquito na cena do crime.

Via: NDTV.


22 de novembro de 2018

Ator indiano quita a dívida de agricultores em seu estado natal


Ator indiano

Ator gastou mais de meio milhão de dólares para quitar as dívidas de centenas de pequenos agricultores do estado de Uttar Pradesh, no norte da Índia

Enquanto algumas celebridades (especialmente as brasileiras) participam de campanhas simbólicas para as mais variadas causas, na Índia o negócio agora é um pouco diferente: o ator de 76 anos Amitabh Bachchan gastou cerca de US$ 560 mil do próprio bolso e quitou a dívida de 1398 agricultores familiares residentes no seu estado natal, Uttar Pradesh.

Quase um desconhecido em nosso país, Bachchan é famoso em Bollywood, o centro da produção cinematográfica na Índia. Sua carreira acumula a participação em mais de 180 filmes desde os anos 70 e sua fortuna é hoje avaliada em 400 milhões de dólares. Em 2013, o ator saiu do circuito indiano e participou do filme The Great Gatsby, com Leonardo Di Caprio.

https://www.youtube.com/watch?v=9du69d2v4Ro

Sobre as motivações para o ato de generosidade, o ator indiano declarou que queria remover o pesado fardo da dívida e trazer felicidade para as pessoas. Além da doação, Bachchan ainda acompanhou grande parte do processo de quitação e emissão de documentos por parte dos bancos, comprovando o pagamento das dívidas.

A crise da agricultura familiar na Índia é gigantesca, com milhares de agricultores cometendo suicídio todo ano. A atitude serve também para chamar a atenção para o problema.


11 de setembro de 2018

Febre Catarral Maligna está atacando rebanhos na Índia


Febre Catarral Maligna

Febre Catarral Maligna passa de ovinos para o rebanho leiteiro e leva o animal à morte em poucos dias. Pequenos produtores estão amargando prejuízos

 

A Febre Catarral Maligna é uma doença rara mas resolveu aparecer novamente na Índia, no vilarejo de Hosuru, na região de Kunigal taluk, distrito de Tumakuru. A última ocorrência da FCM por lá aconteceu 10 anos atrás e ainda não existe vacina para a doença, que é originária da África do Sul.

Os pesquisadores locais ainda não sabem ao certo como o vírus chegou na Índia, mas foi possível determinar que cerca de um quarto do rebanho de ovinos está contaminado, mas diferente dos bovinos, estes não sofrem os efeitos da doença, apenas carregam o vírus.

 

Via The Hindu.

 

Veja mais

Bovinocultura no Blog do Farmfor.

Surto de febre catarral maligna (FCM) em búfalos da raça Murrah no estado de Minas Gerais.


12 de março de 2018

Colheitadeira movida a trator: uma tradição na Índia


O arranjo é o preferido de muitos agricultores familiares do país.

 

Parece uma gambiarra, mas não é. As colheitadeiras com trator acoplado ou “colheitadeiras movidas a trator” são famosas na Índia e até hoje são vendidas pelas revendas das principais marcas presentes no país.

 

Modelo de colheitadeira movida a trator New Holland em evento recente, na região de Bhubaneswar.

 

O esquema é “simples”: o proprietário tira as rodas do trator e usa um trilho que leva a máquina até o topo do implemento. Um emaranhado de polias, engrenagens e conexões ao PTO fazem o resto do trabalho. O processo demanda a ajuda de várias pessoas (veja no vídeo abaixo o trabalho para montar o equipamento).

 

 

Outro modelo, na linha verde.

 

De pequeno porte, estas colheitadeirinhas conseguem colher menos de 1 hectare de trigo, antes de parar para descarregar. A Damesh é uma das principais fabricantes destas colheitadeiras. Visite o site.

 

 


20 de fevereiro de 2018

Agricultor usa fotos de mulheres para proteger a lavoura


fotos de mulheres

Indiano acredita que fotos de atrizes de “cinema adulto” ajudam a afastar olho gordo.

Um agricultor da região de Andhra Pradesh, na Índia, resolveu proteger a sua lavoura de repolhos usando um equipamento nada convencional: um pôster da atriz Sunny Leone, famosa no segmento de filmes adultos, estampado no meio da propriedade.

A tática visa desviar o olho gordo dos vizinhos. Chenchu Reddy, o agricultor de 45 anos e autor da ideia, alega que os repolhos estão crescendo acima da média e a medida foi um sucesso.

A notícia não é sacanagem do nosso blog. Foi destaque no jornal inglês Mirror e no indiano Hindustan Times.

Para os curiosos, a inscrição “Orey, nannu chusi edavakura” presente no cartaz significa algo como “Hey, não chore ou sinta ciúmes de mim” no idioma local.

 


20 de janeiro de 2018

Javalis? Que nada! A Índia enfrenta uma crise com elefantes invasores


Javalis

No confronto mortal contra os gigantes, uma arma secreta: abelhas

 

Ninguém dorme tranquilo na localidade de Mayilattumpara, no estado indiano de Kerala, no sul do país. Manadas de elefantes invadem lavouras, derrubam árvores, casas e tudo o que estiver pela frente. Só no estado, 22 pessoas morreram em 2017 nos confrontos com estes animais.

O pessoal por lá tentou de tudo: cercas reforçadas, trincheiras no perímetro da propriedade, cerca elétrica e até bater tambor (sim, é sério) para afugentar os elefantes. Nada funcionou.

 

 

A salvação da lavoura – literalmente – veio através de um projeto governamental, com tecnologia vinda da África. Os locais descobriram que os elefantes detestam abelhas e basta o zumbido das mesmas para que os gigantes não cheguem perto de colmeias.

Descoberto o ponto fraco, equipes de trabalho passaram a instalar centenas de caixas de abelhas em cercas de arame das divisas das propriedades. Quando um elefante toca o arame, acorda as abelhas e o serviço de proteção começa a trabalhar.

 

 

Deu tão certo que hoje os elefantes que passam perto do vilarejo já aprenderam que ali é um lugar infestado de abelhas e vão direto para as cidades vizinhas. Mayilattumpara hoje tem 2,5 km de cercas com abelhas.

Outro efeito colateral da medida de segurança é a produção de mel. Cerca de 30 kg são produzidos pelas cercas, garantindo uma renda de US$1000,00 para cada agricultor.

Em terra de abelha, elefante anda de costas.


25 de novembro de 2017

Arumugam, o rei do Youtube rural na Índia


Indiano Arumugam prepara diversos alimentos em sua propriedade e faz sucesso na internet.

 

Arumugam é um simpático senhor que mora na região de Coimbatore, no sul da Índia. Seu filho resolveu gravar suas aventuras culinárias e postar tudo no Youtube, em um canal chamado Village Food Factory. A empreitada já rendeu um bom dinheiro (o canal tem mais de 180 milhões de visualizações) e revelou para o mundo a rotina do ancião que virou celebridade naquele país.

Rodrigo Hilbert fica no chinelo. O Sr. Arumugam é capaz de preparar uma variedade incrível de vegetais, frutos do mar e carnes diversas, de pombas até coelhos, além de muito frango (os preferidos por lá). Basicamente, se respira, vira comida.

Alguns vídeos ultrapassaram a marca das 10 milhões de visualizações.

 

 

 

 

 

 

 

Em quase todas as gravações, os alimentos produzidos são separados em porções e doados para as comunidades vizinhas. É bonito de se ver, várias crianças saboreando as iguarias. Infelizmente, não conhecemos o idioma, mas o conteúdo visual é ótimo e muito bem gravado. Nossos parabéns para o Sr. Arumugam, seu filho Gopinath e o resto da família.

Curtam também a página do canal no Facebook, neste endereço.

Reportagem (em inglês) sobre o canal no site The Weekend Leader.


10 de outubro de 2017

50 mortos e 800 hospitalizados na Índia após intoxicação com defensivos


Diversos fatores combinados causaram a morte de dezenas de agricultores, no centro da Índia

 

A Índia, pais devastado pela alta taxa de suicídio de agricultores por ingestão voluntária de pesticidas, tem mais uma tragédia.

De julho até agora, a Índia contabilizou mais de 50 mortes e 800 internações de vítimas de envenenamento por agrotóxicos, através de diversas marcas vendidas no mercado local, em uma combinação principalmente de organoclorados e organofosforados.

 

Os intoxicados que sobreviveram reportaram quase que uma instantânea perda parcial ou total da visão, náuseas e vômitos. Para aumentar o cenário infernal nos hospitais indianos, os pacientes são tratados imediatamente com uma droga que provoca alucinações (atropina), tornando obrigatório que as vítimas sejam amarradas aos leitos.

Na Índia, as coisas são um pouco diferentes. Primeiro, EPI é uma raridade. A relação de muitos trabalhadores rurais com agrotóxicos sempre foi descuidada na maioria, mas agora uma combinação de fatores provocou esta onda de mortes e internações.

Primeiro, houve o abandono de culturas tradicionais na região, como leguminosas, para o plantio de algodão de forma ainda mais densa que o normal, com espaçamento reduzido. A combinação de altas temperaturas e tempo seco, lavouras mais fechadas e uma infestação de lagartas, intensificou o contato dos trabalhadores com os produtos.

Segundo, a resistência de uma das cultivares de algodão mais usadas no país (Bollgard II Bt hybrid ) a certos tipos de lagartas, simplesmente sumiu. Todos estes fatores resultaram em trabalhadores literalmente inundados em veneno na lida com a lavoura.

Existe ainda a suspeita de adulteração dos produtos, todos investigados pelas autoridades.

Para saber mais:

Reportagem no jornal The Guardian.

Reportagem no The Indian Express.


21 de setembro de 2017

Mahindra lança trator autônomo (sem motorista)


Mahindra

Modelo será o primeiro da Índia e modificará o panorama agrícola do país

 

A Mahindra, para quem não conhece, é na realidade um grande grupo de empresas que atuam em diversas áreas além da fabricação de máquinas e implementos agrícolas. O valor de mercado ultrapassa os 19 bilhões de dólares. Não é pouca coisa. Em volume, é hoje a maior fabricante de tratores do mundo.

Entrando na onda do “driverless”, a fábrica lançou o seu primeiro modelo de trator sem motorista, com navegação por GPS, área de segurança (o trator só funciona no terreno onde foi programado para trabalhar) e demais features comuns neste tipo de iniciativa.

 

 

O trator será lançado comercialmente em 2018. A Mahindra ainda está em conversação com provedores de internet do interior da Índia, para o aumento da rede em áreas ainda não atendidas pela infra-estrutura de telecom, para que os tratores possam funcionar adequadamente. Mais informações (em inglês) diretamente no site da Mahindra.



Publicidade

  • 1
  • 2