Tag: Soja

13 de abril de 2021

Brasil tem o primeiro laboratório público de pesquisa acreditado para análise de inoculantes


embrapa soja

embrapa soja

Embrapa Soja é destaque

O Laboratório de Biotecnologia do Solo da Embrapa Soja (PR) recebeu, em março de 2021, a acreditação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) na norma ISO 17025:2017, tornando-se o primeiro laboratório de pesquisa público brasileiro apto a realizar análises de inoculantes e identificação de microrganismos. O reconhecimento do Inmetro impacta positivamente o mercado de insumos biológicos, em franco crescimento no País, com a comercialização de mais de 70 milhões de doses de inoculantes na última safra. Abre também portas para a exportação de bioinsumos pela indústria nacional.

Foram acreditados quatro ensaios biológicos, incluindo a avaliação da concentração e de pureza de inoculantes líquidos e turfosos, de recuperação de células inoculadas nas sementes e de identidade de microrganismos inoculantes. “Essa conquista é relevante porque os relatórios de ensaios referentes às análises de inoculantes emitidos por laboratório acreditado em ISO 17025:2017 são reconhecidos internacionalmente”, afirma o gestor de qualidade da Embrapa Soja, Moisés de Aquino.

Com esse reconhecimento, a Embrapa Soja passa a compor o seleto grupo de laboratórios internacionais com acreditação para garantir a produção de bioinsumos. “Estamos muito felizes com a acreditação, que dá ainda mais destaque à Embrapa como empresa que zela pela pesquisa e conservação de microrganismos, desenvolvimento e análise de bioinsumos e ainda mantém a agricultura brasileira em patamares elevados de produtividade e de sustentabilidade”, comemora Mariangela Hungria, pesquisadora da Embrapa Soja.

Do laboratório ao mercado

A Coleção de Culturas da Embrapa Soja começou em 1991, por iniciativa da pesquisadora Mariangela Hungria. Desde então, tem sido fonte de ativos biotecnológicos para o desenvolvimento de diferentes tecnologias, a exemplo da inoculação do milho, do trigo e de pastagens com braquiárias. Em 2014, por exemplo, a Unidade lançou a tecnologia de coinoculação nas sementes de soja e do feijoeiro, que consiste em combinar a inoculação com rizóbios(bactérias fixadoras de nitrogênio) e Azospirillum (bactéria com grande capacidade de síntese de fitormônios), permitindo ampliar o potencial produtivo das plantas. “Hoje há cerca de 4.500 estirpes armazenadas na Coleção da Embrapa Soja, o que representa um enorme potencial biotecnológico a ser explorado”, comenta a especialista em conservação de microrganismos Ligia Chueire.

A distribuição de estirpes microbianas pela Embrapa Soja para as indústrias de inoculantes teve início em 2018, quando o Mapa homologou a Coleção de Culturas. Segundo Mariangela, que é a curadora da coleção, em 2020 foram enviadas 155 estirpes de bactérias para a produção de inoculantes. “Cada lote de microrganismo fornecido é certificado quanto à espécie de bactéria, identidade da estirpe e eficiência no processo de promoção do crescimento de plantas avaliadas em laboratório, casa de vegetação e a campo, garantindo material genético de qualidade para a produção de bioinsumos”, afirma a pesquisadora.

O pesquisador Marco Antonio Nogueira pontua que todo esse processo é fundamental para garantir que as indústrias tenham acesso a recursos microbianos de alta qualidade. “Somente investindo na qualidade da manufatura será possível entregar produtos comprovadamente eficientes para o agricultor”, destaca.

Via EMBRAPA SOJA 

Veja também

Embrapa investe na produção de hambúrguer vegetal


19 de dezembro de 2020

Europeus querem diminuir importação de soja brasileira e usar batatas locais


batatas




Batatas!

batatasCom o objetivo de diminuir a importação de soja da América do Sul, especialmente a soja brasileira (pelos mais variados motivos, nem sempre justos), uma empresa da Dinamarca quer aumentar o uso da proteína de batata nas rações dos suínos. O desejo virou reportagem do site dinamarquês Landbrugs Avisen.

A proteína da batata é um subproduto da produção de amido e não é muito utilizada no país. A Dinamarca está investindo pesado em pesquisas para desenvolver novas alternativas em proteínas e diminuir a dependência da soja da América do Sul.

Segundo os técnicos da KMC, grande processadora da Dinamarca, até 8% de proteína de batatas pode ser adicionado em rações para suínos. A mistura é limitada pela quantidade de solanina, substância tóxica presente no produto, que varia conforme a cultivar e a qualidade do plantio.

Batatas versus soja – para saber mais:

A cultura da batata (EMBRAPA)

Toxinas em alimentos de origem vegetal.

Batatas da Jutlândia podem substituir a soja sul-americana.

Starch Europe.

KMC.

Comparação entre proteína da batata e soja na ração de bovinos Belgian Blue.

Danish Protein Innovation.

Proteins For The Future.


30 de julho de 2020

Agricultor encontra prótese no meio da lavoura e devolve para o dono


agricultor encontra

Paraquedista perdeu a prótese da perna durante salto e pediu ajuda na internet para que pessoas fizessem buscas na região

Chris Marckres, da cidade americana de Hyde Park, Vermont, é paraquedista e tem uma particularidade: bi-amputado, usa próteses nas duas pernas.

Em um salto no último sábado, 25, uma das próteses soltou do corpo logo na saída do avião. O pouso foi realizado com sucesso, mas o prejuízo ficou. Assim que chegou em casa, o Chris postou na internet um pedido de auxílio para que se alguém encontrasse a perna, devolvesse.

E ele deu sorte: um agricultor (que viu o alerta no Facebook) procurou e encontrou a prótese no meio da lavoura de soja.

A prótese voadora. Via Facebook.

O benfeitor Joe Marszalkowski tem propriedade perto da região do salto, também no estado de Vermont. Para os sites locais, Joe disse que foi como encontrar uma “agulha no palheiro” e que fica feliz por não ter destruído a prótese no futuro, durante a colheita.

Agricultor encontra prótese – veja também

Farmer returns prosthetic leg that skydiver lost during jump.


7 de agosto de 2019

Soja podre no silo: prejuízo causado por falta de manutenção


Soja Podre

O canal da Sonne Farms no Youtube mostra o prejuízo causado por infiltração em silo metálico da propriedade localizada em Dakota do Sul

O Sonne Farms é mais um daqueles canais de Youtube mantidos por agricultores e que mostram o dia a dia nas propriedades rurais americanas, como falado aqui no blog no texto Agricultores viram youtubers e ganham mais dinheiro que na lavoura nos EUA.

Neste vídeo, o produtor mostra os prejuízos causados pela entrada de água pela ventilação localizada no topo do silo metálico. O problema foi detectado quando o chupim começou a entupir com blocos de soja empedrada. Assistam:

Importante: o vídeo recebeu vários comentários sobre o perigo de caminhar assim nos grãos, dentro de um silo metálico, especialmente onde estão blocos de grãos danificados pela infiltração de água da chuva. A audiência está bem consciente.

Detalhe do prejuízo causado pelas goteiras.
Vista aérea do silo na propriedade.

No vídeo, além de demonstrar os danos nos grãos, o produtor também compartilha o trabalho de manutenção das janelas de ventilação com a aplicação de silicone. Para as variações climáticas da região (incluindo aí muita neve no inverno), melhor seria uma reforma mais séria.

Por aqui, muita gente ainda sonha com o armazenamento na propriedade. Para quem já conseguiu, todo cuidado é pouco.


11 de maio de 2019

Veja quantas toneladas de soja compram um iPhone em diversos países


compram um iphone

Pesquisamos os preços do aparelho e as cotações em diferentes locais, como indicador do poder de compra de um agricultor

A soja é uma commodity vendida nos principais mercados do mundo e como tal seu preço varia de acordo com as cotações internacionais e disponibilidade no local. Já os sonhados (por quase todo mundo) iPhones variam de preço conforme a realidade dos impostos cobrados em cada país.

Pesquisamos o preço do iPhone XS de 64GB em diversos países e fizemos a conta: quantas toneladas de soja um agricultor precisa vender para comprar um aparelho? Considere a comparação apenas informativa, não analisamos os custos de cada produtor, é apenas um indicador da capacidade de compra nos diversos locais em uma abordagem totalmente informal.

Brasil

O agricultor brasileiro precisa vender 6,6 toneladas de soja para comprar um iPhone XS 64GB. Este preço (e os demais) são baseados nas cotações médias do dia 10 de maio de 2019 e no preço do aparelho nas lojas da Apple em cada país.

Rússia

Na Rússia, 7,85 toneladas compram o iPhone.

Argentina

Sem loja oficial, os irmãos da Argentina precisam de 12,05 toneladas para adquirir o smartphone.

Ucrânia

Assim como na Argentina, a Ucrânia não tem loja oficial da Apple, nem presença via site. De forma surpreendente, saem em vantagem: são “apenas” 2,78 toneladas para a compra.

Estados Unidos

No país da Apple, um agricultor vende 3,41 toneladas de soja para a compra de um iPhone XS 64. O aparelho custa US$ 999,00. Muitos americanos preferem comprar através da operadora, pagando bem pouco por mês, cerca de US$ 50,00.

Usamos esta brincadeira para lembrar que, apesar de trabalhar com um produto mundial, os agricultores são afetados durante a vida inteira em seus países em alguns casos com alta carga tributária e restrições de compra para certos confortos, como o de um telefone de alto padrão. Imaginem o resto.


22 de janeiro de 2019

Mosca está devastando lavouras de soja nos EUA


Mosca

Inseto causa perdas de até 100% nas plantações e já apareceu em quatro estados americanos.

Produtores dos estados de Dakota do Sul, Nebraska, Iowa e Minnesota estão enfrentando um problema novo em suas lavouras: ataque de moscas. O inseto chamado de soybean gall midge é uma praga relativamente nova, detectada pela primeira vez no país em 2011.

O inseto é da família Cecidomyiidae, uma das mais diversificadas da Ordem Diptera. Tem aparência frágil, até 3 mm de comprimento, longas antenas e asas “peludas”. Suas larvas se alimentam do tecido da planta, causando galhas no caule. O local infectado incha e apresenta a cor marrom. As larvas são brancas nos estágios iniciais e tornam-se vermelhas ou laranjas.

Nas imagens acima: infestação de larvas e aspecto da planta atacada, próximo ao solo.

Há pouca informação sobre tratamentos para a praga, além de testes com alguns inseticidas. Os maiores danos são encontrados nas margens das lavouras (com registro de até 100% de perdas), com o interior entre 10 e 50%.

Saiba mais:

Gall Midge in Soybeans (Pioneer).

Targeting A Soybean Menace.

Soybean Gall Midge: Adult Stage Identified.


15 de novembro de 2018

Scutigerella immaculata, uma nova praga no Brasil?


Scutigerella immaculata

Postagem circula no WhatsApp com fotos e vídeo de praga que devasta lavouras em Paraíso do Tocantins, TO.

Uma postagem encaminhada em diversos grupos de agricultores do WhatsApp está causando apreensão em produtores de todo o país (pelo menos nos que possuem a ferramenta). Algumas fotos e um vídeo mostrando o ataque de uma pequena “centopeia” transparente que se move rapidamente no solo leva junto o nome do suspeito: seria o sínfilo (Symphyla), mais especificamente o Scutigerella immaculata. O nome vem no texto que acompanha a postagem, pois não existe nas fotos ou no áudio do vídeo qualquer informação sobre o ocorrido.

Vídeo que acompanha a postagem no WhatsApp

Scutigerella immaculata

O sínfilo não é um total desconhecido dos brasileiros e existem casos registrados na literatura em diversos países. Na França, foi forte motivo de preocupação em 2010, com ataques devastadores a lavouras de milho, especialmente após a proibição do uso de alguns produtos no tratamento de sementes (Imidacloprid e Fipronil), além do banimento dos organofosforados.

 

Ampliação de uma das imagens divulgadas no WhatsApp

 

A praga está muito presente em solos cultivados cuja textura permite o aparecimento de rachaduras, microcavidades e galerias de minhocas favoráveis ​​ao seu movimento. Assim, a Scutigerella immaculata faz migrações verticais entre a superfície e uma profundidade do solo que pode chegar até 1 metro. O miriápode se alimenta de algas, cogumelos, musgo e também de sementes e raízes, daí o resultado danoso em vastas áreas das lavouras atacadas.

Dica de leitura: BIOLOGIA E CONTROLE DE ARTRÓPODES DE IMPORTÂNCIA FITOSSANITÁRIA
(DIPLOPODA, SYMPHYLA, ISOPODA), POUCO CONHECIDOS NO BRASIL. – Divulgação Técnica do Centro de Ciências Agro-ambientais e de Alimentos, Universidade do Oeste de Santa Catarina, por F.R.M. Garcia e J.V. Campos.

Symphyla

Existem apenas 160 espécies de sínfílos descritas, habitando o solo ou o folhiço. Estes animais são artrópodes esbranquiçados e delgados, encontrados na maior parte do mundo (SCHELLER, 1982). O comprimento varia entre 2 a 10 mm e lembram centopéias superficialmente. Possuem 12 segmentos no tronco, onde encontram-se as pernas. O último (13º) segmento apresenta um par de fiandeiras ou cercos e um par de longos pêlos sensoriais, denominados tricobótrios. O tronco termina em um pequeno telson oval (BORROR & DELONG, 1969; BARNES, 1984).

Um epistômio e um labro bem desenvolvidos se projetam em frente das antenas localizadas lateralmente. Cada mandíbula possui um lobo gnatal denteado, independentemente móvel e encontram-se debaixo do epistômio e do labro (BARNES, 1984).

A maioria das espécies desses animais podem correr velozmente e podem girar, dobrar e enrolar o corpo quando rastejam em fendas dentro do húmus, devido a estrutura do tronco, especialmente a presença de placas tergais adicionais que aumentam a flexibilidade dorsoventral. Tal habilidade é provavelmente uma adaptação para escapar de predadores (BARNES, 1984; GARCIA, 2002).

O sistema respiratório é traqueal. Há um único par de espiráculos que se abre lateralmente à cabeça. Debaixo da base de cada perna encontra-se um saco coxal eversível e um pequeno apêndice denominado de estilo. A função dos sacos coxais é absorver umidade, e a função do estilo é provavelmente sensorial.

Os olhos são inexistentes nos sínfilos (BARNES, 1984). As aberturas genitais encontram-se dispostas lateralmente ao quarto segmento do tronco da região ventral, como ocorre nos diplópodes e paurópodes. O comportamento de Scutigerella (Scutigerellidae) é conhecido. O macho deposita de 150 a 450 espermatóforos, cada um na extremidade de um pedúnculo. Ao encontrar o espermatóforo a fêmea ingere-o armazenando-os em bolsas bucais. Depois ela remove os ovos, com a boca, do único gonóporo, fixaos ao substrato e então manipula-os com a boca. No último processo, a fêmea unta cada ovo com espermatozóides e o fecunda. Os ovos são postos em grupos de 8 a 12 e são fixados às paredes de fendas ou em musgos e liquens.

A partenogênese é comum. Não se conhece o papel dos órgãos tecedores na reprodução. O desenvolvimento é anamórfico; ao eclodir o jovem tem seis ou sete pernas. S. immaculata Newport, 1845 vive até 4 anos e sofre ecdises durante toda a vida (BARNES, 1984). No Brasil LOUREIRO & GALVÃO (1970) observaram pela primeira vez os sínfilos Hanseniella sp. (Scutigerellidae ) como pragas de culturas, atacando coleóptilos e radículas de arroz em Minas Gerais.

 

Fica sempre a dica: em caso de incidência destas pragas, consulte seu agrônomo de confiança, diretamente ou através da sua cooperativa ou associação.

Se você é o autor das imagens e vídeo que estão circulando no WhatsApp ou sabe da incidência da Scutigerella immaculata na sua região, entre em contato pelo e-mail blogdofarmfor@gmail.com que divulgaremos a sua história.

 

Veja também (em inglês)

Garden Symphylan as a Pest of Field Crops .

A Chaos of Delight.

 


7 de setembro de 2018

Desenho em lavoura de 40 hectares é exibido nos EUA


desenho em lavoura

A palavra foi literalmente plantada por uma equipe da Ohio State University usando GPS e técnicas de plantio inteligente

 

O pessoal do departamento de engenharia agronômica, alimentos e biologia da Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, vem “brincando” com desenhos em lavouras nos últimos anos e nesta safra resolveram ir além, usando uma plantadeira com duas variedades de soja de diferentes maturações para desenhar um enorme Script Ohio em uma área de 40 hectares.

 

 

O Script Ohio é uma tradição em eventos esportivos da universidade, sendo a palavra formada nos gramados por sua banda marcial na abertura dos jogos. O vídeo abaixo mostra bem como é feito o sincronismo dos músicos, com vista ao nível do gramado e também superior:

 

 

A equipe usa plantadeira CASE IH para a realização dos experimentos artísticos:

 

 

O desenho, planejado no GPS e plantado na área, ficou com curvas precisas e um bom contraste entre as duas variedades escolhidas. A ação já ganhou o título de “Maior Script Ohio do Mundo”.

 

desenho em lavoura

 

Desenho em lavoura é maior que o feito no Brasil para Bolsonaro

Para se ter uma ideia, o desenho brasileiro com a frase “Bolsonaro 2018” que causou furor na imprensa (com direito a comentários sem pé nem cabeça na Revista Época) tinha apenas 3 hectares e foi feito de maneira diferente, sem o plantio no espaço das letras.

 

Visite o site do Department of Food, Agricultural and Biological Engineering da Universidade de Ohio.

 

Mais sobre novidades no mundo da agricultura, lá fora.

 

 


7 de março de 2018

Tristeza na Argentina: lavouras de soja sofrem com a seca


Seca na Argentina: agricultores usam as redes sociais para divulgar a situação das plantações pelo país.

A seca na Argentina já é sentida pelos produtores nas colheitas. Usuários com acesso a internet estão postando depoimentos nas redes sociais, mostrando o resultado pífio das lavouras.

O produtor Ale Weitzel (@alexisgweitzel) usou o Twitter para mostrar a situação na região de La Paz, Entre Ríos. O rendimento está próximo de 7 sacos por hectare.

https://twitter.com/AlexisGWeitzel/status/971086827313614850

 

A hashtag #Sequia18 tem uma coletânea de imagens e relatos sobre a situação no país.

A previsão atual da Bolsa de Cereais de Buenos Aires para a safra de soja 2017/2018 é de 44 milhões de toneladas, 13 milhões abaixo do resultado no ano passado.

 


4 de março de 2018

Globo Rural mostra a colheita de soja no Mato Grosso


colheita de soja

Programa foi para propriedade em Ipiranga do Norte, MT, para mostrar a lida na colheita.

O Globo Rural deste domingo, 4/3/2018, exibiu uma reportagem especial sobre a colheita no Mato Grosso, visitando uma propriedade na cidade de Ipiranga do Norte. O trabalho, o desafio da chuva e as atribuições de diversas pessoas envolvidas no trabalho ilustraram a matéria, do operador de colheitadeira até os caminhoneiros, passando pelo operador de fornalha, na secagem dos grãos.

Acesse a reportagem no Link do G1.


13 de dezembro de 2017

Monsanto dará dinheiro para quem usar Dicamba nos EUA


Monsanto

Programa devolverá dinheiro em 2018 para os usuários que aplicarem produtos na soja.

 

Monsanto está passando um trabalho no mercado americano, com a polêmica sobre plantas danificadas após a aplicação de herbicidas com dicamba na fórmula. O problema estaria na deriva durante a aplicação, para propriedades vizinhas com lavouras que não usam a semente resistente ao produto.

A briga já está na justiça com alguns estados americanos que resolveram banir os colocar regras e condições para o uso da linha XtendiMax / VaporGrip, como Missouri e Arkansas.

Tendo em vista toda esta polêmica, a Monsanto está oferecendo aos agricultores um refund de US$6,00 por acre de produto aplicado, que será pago em 2018. Este valor abate o custo para aplicação, que fica em US$11,00 por acre.

A meta é chegar em 16 milhões de hectares plantados em 2018 com soja Xtend.


6 de setembro de 2017

O que você faria com os 51 milhões que seriam do Geddel, versão agronegócio


Malas de dinheiro que cabem em uma sala de apartamento, mas representam muita riqueza no campo

 

A fortuna da mala

O Brasil parou para ver a contagem do dinheiro encontrado em um apartamento de Salvador, na Bahia. Depois de horas de trabalho, veio a resposta: mais de 51 milhões de reais em cédulas (algumas de dólar). Este dinheiro, no mundo do agro, tem algumas correspondências gigantes.

O dinheiro supostamente seria do ex-ministro Geddel Vieira Lima.

Vamos aos números:

R$ 51 milhões são 784615 sacas de soja a R$65,00.

784 mil sacas de soja são incríveis 47 mil toneladas. São estas 4 montanhas de soja e mais um pouco:

 

Medo de guardar na rua? Dois silos destes de 35 mil toneladas guardam a sua carga, com sobra.

 

Gosta deste trator da Challenger? Compre 25 (vinte e cinco) MT875E e ainda sobra um troco para o diesel.

 

 

Se quiser mudar para o Rio Grande do Sul, pegue esta grana e compre 6500 hectares na região de Bagé.

 

 

Continua com a soja, mas quer mandar para o porto? São 1880 carretas de 25 toneladas de carga.

 

 

A ironia do destino: dizem que o agro é tudo e leva o Brasil nas costas (e é verdade). Sendo assim, já pararam para pensar que este dinheiro deve ser desviado de nossos impostos, oriundos em grande parte do próprio agro, direta ou indiretamente?

Sendo assim, tinha uma lavoura naquela sala em Salvador.


1 de maio de 2017

Recorde mundial em colheita de soja ocorreu no Brasil e foi notícia no mundo todo


Recorde mundial em colheita de soja

A colheita realizada em Formosa do Rio Preto, na Bahia, no último dia 5 de abril, entrou para o mundo dos recordes agrícolas. Foram colhidas 439 toneladas de soja em uma área de 90 hectares, com uma média de 81,3 sacos por hectare. A colheitadeira por trás do recorde foi a New Holland CR 8.90, acompanhada de perto por um fiscal e membros da equipe da concessionária que atende a região.

 

 

 

O trabalho começou às 10h30 da manhã e foi executado até às 18h30. Durante a madrugada anterior, uma chuva de 20 mm caiu sobre a lavoura. No final, a umidade média foi de 17% e a temperatura durante a colheita ficou na casa dos 25 a 28ºC.

A propriedade Vila Panambi é de propriedade dos irmãos Mingori.

Pelo mundo

Destaque no PR News Wire

Notícia no site Farm & Ranch.

No francês GPT News.

Não esquecendo também a menção ao “piloto” da colheitadeira, o Sr. Charles Otto Greef.

 

 


12 de fevereiro de 2017

Colheita de Soja na Fazenda Boa Esperança, no Mato Grosso


Um dos melhores vídeos de colheita já publicados no Youtube. O trabalho foi realizado em 2015, na cidade de Tapurah, MT.

 

Aquelas tradicionais fotos aéreas de colheita, com dezenas de colheitadeiras desenhando um “V” gigante em uma ampla área de terra são legais, mas uma colheita documentada em vídeo é muito mais.

O canal da Guimarães Agrícola publicou, em 2015, um vídeo de trabalho com diversas máquinas Massey Ferguson na propriedade da Fazenda Boa Esperança, na cidade de Tapurah, no Mato Grosso.

 

 

O vídeo tem cerca de 7 minutos e foi produzido em HD. Não percam!


Publicidade