Tag: Satélite

19 de dezembro de 2020

Capella-2 não pode ver através das paredes, apesar das fakenews


capella-2

Vários veículos de imprensa pelo mundo divulgaram que o satélite Capella-2, da empresa Capella Space, poderia “ver através das paredes” das edificações e que seria o fim da privacidade. Trata-se de fakenews.

Farmfor Capella-2

A tecnologia SAR – Synthetic-aperture Radar (Radar de Abertura Sintética) não é nova, está em uso pela NASA desde os anos 70. O sistema “ilumina” uma área com ondas de rádio e, ao receber o reflexo das ondas, gera imagens com altíssima resolução. O efeito “fantasma” característico da SAR talvez tenha despertado o lado criativo de alguns jornalistas. A empresa chegou a escrever em seu site sobre o efeito, esclarecendo os boatos.

As capacidades do Capella-2

O satélite foi lançado em agosto de 2020 pelo foguete Electron Photon-LEO da empresa Rocket Lab, da estação Onenui, na Nova Zelândia. Seus sensores geram imagens de alto contraste, baixo ruído e alta resolução (50 cm de precisão). O satélite se destaca por ter uma antena de 3,5 de diâmetro no formato de tela. Está previsto o lançamento de outros satélites da série Capella nos próximos anos, sendo que em 2021 o Capella-3 e o Capella-4 irão para o espaço usando o foguete Falcon-9.

 

satélite farmfor

 

Capella Space na Agricultura

A empresa também tem aplicações agrícolas para as suas imagens de satélite. Segundo o site:

Da volatilidade dos preços às forças de trabalho sazonais e, é claro, ao clima, o desafio de alimentar o mundo é cercado por todos os lados pela imprevisibilidade. Hoje, os produtores podem acessar as informações da Capella criadas especificamente para suas necessidades para avaliar a viabilidade e o rendimento de suas próprias colheitas, bem como medir e rastrear os suprimentos globais – da semente à distribuição. Como nossos dados são baseados em radar, podemos medir a umidade do solo e a inundação, detectar onde as safras foram danificadas e fornecer uma fonte confiável e atualizada para sinistros de seguro. Nossos caminhos de constelação significam que podemos monitorar de forma confiável muitos milhares de acres e, como processamos dados brutos em informações, você os obtém na forma que complementa sua infraestrutura de sensores terrestres.

Saiba mais:

Site da Capella Space.

Radar de abertura sintética (Wikipedia).

Veja também:

A seca na América do Sul em 2019 e 2020, segundo satélite da NASA


5 de novembro de 2020

Starlink já está em teste na zona rural dos Estados Unidos


starlink

O provedor de internet via satélite Starlink, de Elon Musk, está em fase de testes (beta), coletando dados de usuários selecionados. Os resultados são ótimos.

As velocidades oferecidas nesta fase ficam entre 50 e 150 Mbps, com alguns usuários chegando na marca de 174 Mbps, segundo relatos postados no site Reddit por moradores da área rural do estado de Montana. O nome do programa de testes é Better Than Nothing Beta, ou “Melhor que Nada – Beta”.

 

Teste de velocidade postado no Reddit: 174 Mbps de download, 33 Mbps de upload e 39 ms de ping. Melhor que muito provedor brasileiro “de fibra”.

A rede Starlink promete ultrapassar em performance as já existentes redes de internet via satélite, com cobertura global. Em um primeiro momento focado em atender os Estados Unidos e o Canadá, em 2021 o serviço deverá ser disponibilizado para o resto do mundo. Por enquanto, o desafio ainda é o preço: US$ 600,00 para o “modem” e mensalidade de US$ 99,00.

 

Kit do provedor Starlink ainda na caixa.

Já são cerca de 900 satélites funcionando no sistema, ainda com pequenos defeitos previstos, como a interrupção do sinal por alguns segundos a cada dois minutos, condição que será resolvida com o futuro aumento da cobertura (mais satélites). Para quem não tem qualquer alternativa na zona rural, este pequeno probleminha não é nada.

Todas as imagens publicadas aqui foram postadas por diversos usuários no Reddit 

Veja também

Em tempos de pandemia, marcas investem em lives na internet.


19 de abril de 2020

A seca na América do Sul em 2019 e 2020, segundo satélite da NASA


Dupla de satélites GRACE-FO faz o monitoramento constante da gravidade do planeta e monitora a movimentação da água no solo, fazendo uma radiografia da seca

A dupla de satélites GRACE-FO (Gravity Recovery and Climate Experiment Follow-On) faz um interessante trabalho para monitorar a umidade do planeta.

Em órbita e distantes 220 km um do outro, a sacada é monitorar com altíssima precisão a distância exata entre os dois, mapeando as alterações causadas pelo campo gravitacional da terra. Milhões de cálculos depois, o sistema tira uma “radiografia” da umidade em todos os continentes.

A dupla GRACE-FO, em representação artística.

Como todos já sabem, a seca que atingiu o Brasil nos últimos meses afetou em muito a agricultura. Muita gente lembra como estava a situação das lavouras no mesmo período do ano anterior, mas ver isso através do monitoramento de um satélite, deixa tudo muito pior no geral.

Veja também: O mundo tem 1,87 bilhão de hectares em lavouras.

Nós pesquisamos nos arquivos do site do Projeto GRACE imagens da América do Sul em 2019 e 2020. A diferença é evidente. Abaixo, a situação em 15 de abril de 2019, 13 de abril de 2020 e abril de 2012, na sequência. Você pode entrar no site e verificar várias datas, desde 2003. Recomendamos conferir os dados em um computador.

Abril de 2019
a seca
Abril de 2020.
a seca
Abril de 2012 (após outra terrível seca).

Nas imagens, as cores representam a umidade do solo em relação aos valores medidos por outros sistemas no período de 1948 até 2012. Quanto mais azul, mais próximo da média. Ainda segundo a NASA, a América do Sul teve o segundo período dezembro – fevereiro mais quente dos últimos 110 anos.

A seca de 2019/2020 provocou, só no Rio Grande do Sul, prejuízos da ordem de R$ 430 milhões, segundo estimativas de defesa civil (na realidade, o prejuízo vai muito além). Depois de tudo, ainda chegou o coronavírus e a pandemia do Covid-19.

Que 2020/2021 seja bem melhor. Oremos.


9 de fevereiro de 2019

Yahsat, internet via satélite para a área rural


Yahsat

A Yahsat é mais uma alternativa para acesso à internet no campo e já cobre 571 cidades no Brasil, com previsão de expansão para 1000 em 2019

Os provedores de acesso à internet via satélite estão virando realidade no Brasil e já possuem até concorrentes entre si. Já comentamos aqui no blog sobre o serviço da Hughesnet e agora chegou a vez da Yahsat, empresa dos Emirados Árabes que passou a operar recentemente no Brasil.

https://www.youtube.com/watch?v=A9xTxVdL5QY

Os planos são acessíveis: com velocidades de download de 6, 12 e 24 mega (600k, 1 e 2 mega de upload) as mensalidades ficam em R$ 119,90, R$ 169,90 e 269,90, respectivamente. A instalação também acompanha um modem Wi-Fi. Os preços sofrem um pequeno acréscimo depois de 6 meses (é uma promoção). Com contrato de fidelidade, há ainda uma taxa de adesão de R$ 199,00 para o plano mais barato e R$ 99,00 para os demais. Sem fidelidade, o custo chega a R$ 1600,00. Todos os detalhes sobre a comercialização você encontra aqui neste link.

Nosso blog não possui relação comercial com provedores, apenas comentamos sobre a disponibilidade de novos serviços na área rural. O contato deve ser feito diretamente com a empresa no site ou no telefone 0800 810 1020. Apesar deste ser um serviço via satélite com cobertura em 95% do território nacional, é preciso verificar a disponibilidade técnica e comercial (equipes e parceiros na região) para a instalação na sua propriedade, o que pode ser feito também no site com a consulta do CEP.

Veja também: Yahsat alcança 571 cidades com banda larga via satélite e quer mil até março (Teletime).


16 de outubro de 2017

Nota fiscal eletrônica para o produtor rural no Paraná


Nota fiscal eletrônica para o produtor rural

Sistema estará disponível para quem vende fora do estado em janeiro de 2018

 

Com informações do Governo do Estado do Paraná – Agência de Notícias do Paraná.

Os produtores rurais do Paraná que fazem operações interestaduais poderão em breve ter acesso aos benefícios da emissão da Nota Fiscal do Produtor Eletrônica – NFP-e. A Receita Estadual deve adotar o novo modelo a partir de 1º de janeiro de 2018. Entre as facilidades está a economia de tempo, uma vez que o produtor não precisará mais ir até a prefeitura do município para efetivar a prestação de contas.

Com a implantação do processo haverá também redução do consumo de papel, reduzindo o impacto no meio ambiente, além do incentivo do uso de novas tecnologias e diminuição dos gastos públicos.

A emissão das notas para vendas fora do Estado será exclusivamente pela internet por meio do Portal Receita PR (receita.pr.gov.br). Antes, o produtor deve fazer um cadastro de acesso no site na Secretaria Estadual da Fazenda (www.fazenda.pr.gov.br). Esse pedido de uso do Receita/PR é obrigatório e todo o processo acontece em ambiente seguro, mediante utilização de uma chave de acesso e senha.

De acordo com José Américo Silva Pinto, auditor da Receita Estadual, o produtor rural tem todas as condições de se cadastrar sozinho. Ele destaca que, além do custo zero, o registro oferece ao usuário a possibilidade de realizar essa emissão de onde estiver. “Antes, era preciso fazer esses deslocamentos até as prefeituras pelo menos duas vezes, para obter a nota e a prestação de contas”, diz.

A partir da adoção da nota fiscal do produtor eletrônica ficará vedado o uso da Nota Fiscal do Produtor Rural em papel (modelo 4) nas operações com outro Estado. Para as operações dentro do Paraná essa opção continuará válida. Nos últimos dois anos, 35 mil produtores fizeram operações interestaduais e cerca de 470 mil produtores rurais estão ativos nos registros da Receita Estadual.

O produtor, após fazer o cadastro, deve encaminhar o Termo de Adesão via Correios no endereço indicado no termo ou, se preferir, pode se dirigir diretamente a qualquer uma das Delegacias ou Agências da Receita Estadual (veja os endereços).

O registro é simples e rápido – demora no máximo um dia para ser concluído. Todo o processo é gratuito.

A Receita Estadual orienta os produtores rurais que não deixem para fazer o pedido de uso do Receita/PR na última hora para não correr o risco de ter problemas na emissão da NFP-e, já que todas as informações fornecidas pelo usuário precisam passar pela homologação da Receita Estadual. É importante também manter em dia o cadastro na prefeitura municipal, pois a emissão da NFP-e está condicionada ao registro atualizado.

Quem tiver alguma dúvida pode acessar o Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC) pelo número 41 3200-5009, para Curitiba e Região, ou 0800 41 1528 para as demais localidades. O atendimento funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h.

Via Agência de Notícias do Paraná.

 

 


4 de junho de 2016

No final do mês, agricultores terão acesso à internet via satélite com a Banda Ka da Hughes


internet via satélite

Uma nova alternativa em provimento de acesso no meio rural promete facilitar a vida de milhares de agricultores brasileiros.

 Quando se trata de internet, não existe diferença entre meio rural e cidade. Todos precisam de comunicação para uso profissional e pessoal. Desde muito tempo, os agricultores, até mesmo aqueles que possuem propriedades próximas dos grandes centros, estão fora da área de cobertura de TODOS os provedores disponíveis.

O serviço de internet via satélite da Hughes entrará na fase comercial no final deste mês, com preços (estima-se) muito similares ao de um 3G ou 4G. As inscrições podem ser feitas pelo site da empresa, www.internetemqualquerlugar.com.br.

Não temos relação comercial com a empresa. De qualquer forma, nosso interesse é bem claro! Somos uma startup dedicada ao meio rural e queremos que todos os agricultores do brasil e do mundo tenham internet de qualidade, por um preço acessível.

Em uma pesquisa feita aqui pelo Farmfor, com agricultores na internet, 45% deles declararam possuir acesso com velocidade de até um mísero 1MB, 61% gastam até R$100,00 com a mensalidade (16% mais de R$100,00) e 57% disseram que pagariam mais por um serviço melhor, mas o mesmo não existe na cidade.

O sistema é simples e muito similar ao de TV por assinatura. É instalar e esquecer.


27 de maio de 2016

Hughes oferece serviço de internet via satélite no Brasil


Internet via Satélite

Chega de sofrer com 3G no meio rural: empresa vai oferecer acesso via satélite para qualquer lugar com planos à partir de R$249,00

Com um novíssimo satélite já em órbita geoestacionária, a Hughes vai disponibilizar no mês de julho no Brasil sua internet pelo sistema de banda ka.

O sistema HughesNet tem ampla cobertura no país e está recebendo pré-inscrições pelo site oficial.

Quem quiser saber um pouco mais sobre este satélite e sua área de cobertura, pode acessar também este arquivo em PDF.



Publicidade