Cunicultura, a criação de coelhos

Posted by on 9 de julho de 2017

Pequeno apanhado sobre cunicultura e a criação de coelhos para venda.

O coelho

O coelho, pela classificação zoológica é um mamífero de ordem Lagomorfo, gênero Oryctolagus e espécie Oryctolagus Cuniculus. Todos os coelhos domesticados descendem do coelho europeu, uma das sete divisões da família dos coelhos.

Raças

As raças mais difundidas comercialmente são Nova Zelândia, Califórnia, Chinchila, Azul de Viena, Rex (Cartorrex), Angorá e Gigante de Flanders. Alguns cruzamentos especiais são desenvolvidos para adaptação climática conforme a região onde será desenvolvida a criação. A escolha para produção deve levar em conta o produto final desejado – carne, pele, lã ou filhotes.

Alimentação

Os coelhos são herbívoros; sua dieta ideal é composta por forrageiras e vegetais diversos (folhas de bananeira, goiabeira) sempre complementada por ração balanceada. O coelho é um pseudo ruminante, apresentando um ceco bem desenvolvido, onde ocorre a proliferação bacteriana, representando 30% do ganho de energia. O trato digestivo do coelho tem particularidades especiais, com um estômago pobre em musculatura. A digestão depende da freqüente ingesta de alimentos onde o que está sendo consumindo sempre “empurra” o que já está no estômago. Outra característica é a impossibilidade do animal vomitar. Jejuns muito longos são altamente prejudiciais; o animal precisa se alimentar aproximadamente 80 vezes por dia. Na eventual ingestão exagerada após um jejum o estômago pode romper.

A ingestão das fezes (coprofagia) é considerada normal, fazendo com que o alimento passe duas vezes pelo intestino delgado, aumentando a absorção de nutrientes.

A água é importante na dieta. O coelho é altamente sensível à falta d’água, que causa diarréia e morte.

Reprodução

A maior característica do coelho é, sem dúvida, a sua alta prolificidade. Uma fêmea gera de 8 a 12 filhotes (láparos) por gestação, com 5 crias por ano. O animal atinge sua maturidade para acasalamento aos seis meses de idade.

Métodos de Acasalamento

A coelha apresenta particularidades para a reprodução, necessitando da monta para a ovulação, sendo uma ovuladora induzida, isto é, requer cópula para ovular. A cópula substitui o estrogênio como o estímulo que induz o disparo ovulatório de gonadotrofinas. (RIVOIRE, 2006).

Acasalamento Natural

A forma mais simples, onde levamos a fêmea à gaiola do macho para a monta, monitorando o seu comportamento típico. Após a monta a fêmea é retirada imediatamente, podendo ser repetida após 5 dias.

Acasalamento Confinado

Colocam-se várias fêmeas na gaiola do macho por um dia, identificando-se a prenhez após 15 dias através da apalpação. Este método não é usado em criações comerciais pela total falta de controle dos índices zootécnicos.

Inseminação Artificial

Sendo a coelha uma ovuladora induzida, na inseminação artificial devemos utilizar rufiões para saltarem sobre as fêmeas, estimulando-as, para então realizarmos o procedimento de 10 a 12 horas depois (tempo da ovulação após cópula). Sem este recurso devemos fazer uso da aplicação de hormônio (75 U.I. de gonadotropina coriônica humana) para estimular a ovulação.

A coleta de sêmem pode ser feita através de vaginas artificiais ou eletroejaculação. Diminuir ou eliminar o contato entre os animais na reprodução favorece o controle de doenças.

Gestação

O parto da coelha acontece cerca de 30 dias após o acasalamento. Na véspera ou no dia do parto, a coelha arranca os pêlos do peito e da barriga para agasalhar os filhotes e descobrir as mamas. Quando notarmos que o ninho está coberto por uma camada de pêlos e a coelha está calma é sinal de que o parto já terminou. Ocorre normalmente à noite.

A ninhada pode ser de até 12 filhotes, mas a fêmea, mesmo com 10 mamas, possui duas mamas peitorais com fornecimento de leite limitado. No manejo dos láparos devemos então limitar a 8 por coelha, dividindo o excedente entre outras ninhadas ou sacrificando.

Características dos Láparos

Apresentam pêlos aos 4 dias, abrem os olhos aos 12 e saem do ninho entre 15 e 20 dias de idade, quando comem a mesma comida da mãe. A desmama ocorre aos 45 dias, sendo então separados por sexo em gaiolas de 6 indivíduos. Machos só podem permanecer juntos até os 4 meses de idade; após este período a castração é obrigatória para evitar brigas e mortalidades.

Facebook Comments

Simple Business by Nimbus Themes
Powered by WordPress