Tag: União Soviética

16 de abril de 2021

Trator TET-1000, o soviético com rodas e esteiras ao mesmo tempo


Trator TET-1000

Trator TET-1000

O Trator TET-1000 era capaz de se transformar em um trator de esteira e levar suas rodas “penduradas” na estrutura. Único e bizarro para a sua época

Os soviéticos desenvolveram o trator TET-1000 nos anos 80 com a finalidade de proteger as estradas do interior e ao mesmo tempo ter o desempenho de uma máquina com esteiras para as terras soviéticas. A questão da largura das estradas também era um fator, estreitas demais para grandes tratores de esteira.

O trator – pra resumir – tinha uma aparência normal, com cabine, motor frontal e rodas. A grande diferença ficava na presença de esteiras na parte frontal e traseira, que eram erguidas pelo sistema hidráulico para que o trator fosse usado com as rodas, ou rebaixadas a ponto de erguer toda a máquina para o uso de esteiras. Neste caso, o trator passava a andar de lado.

Como não tinha cabine giratória, o operador era obrigado a lidar com dois volantes e só girar o assento. O modelo tinha 32 toneladas, motor de 700 hp e um sistema de transmissão elétrica. Os soviéticos planejavam construir unidades, mas apenas uma saiu do papel, fabricado no Instituto Soviético de Pesquisas com Tratores e testado nos campos do Cazaquistão.

 

Veja também

TET-1000 – um monstro quase esquecido (em russo)

Na antiga União Soviética, bebês eram batizados com nome de trator

 


15 de novembro de 2020

Na antiga União Soviética, bebês eram batizados com nome de trator


União Soviética




União Soviética

Os nomes mais populares nos bebês russos do ano de 2020 foram Alexandre para os meninos e Sofia para as meninas, seguidos por Maria, Anna, Victoria, Alice, Polina, Mikhail, Maxim e Artem. Nos anos 60, as escolhas eram um pouco diferentes.

Antes do comunismo na então União Soviética, os pais escolhiam nomes tradicionais, de personagens históricos e santos. A tradição do nome Ivan (Ivã) é curiosa: Pais escolhiam o nome do “santo do dia” no calendário da Igreja Ortodoxa para batizar os filhos. Acontece que existem nada mais nada menos do que 170 dias do ano dedicados a algum “Santo Ivan”.

Com a revolução, nomes históricos (de antes) e especialmente os religiosos não eram bem vistos pelo regime. Os pais então passaram a usar nomes de heróis soviéticos (o cosmonauta Yuri Gagarin inspirou milhões), siglas e “destaques tecnológicos” como o trator.

Entre os nomes estranhos estão, além de Trator, Diesel,  Hipotenusa (Gipotenuza), Tanque (Tank), Eletrificação (Elektrifikatsia), Mels – as primeiras letras dos nomes de Marx, Engels, Lenin e Stalin, Ninel (Lenin ao contrário) e a mistura de palavras que resulta em Dazdraperma, ou “Vida Longa ao Primeiro de Maio”.

Em meados dos anos 80, os nomes dos bebês começaram a voltar ao normal e o fenômeno foi tema de pelo menos duas reportagens no jornal americano The New York Times (aqui e aqui). Sai o trator e voltam Yekaterinas e Aleksandrs.

Ainda bem que a moda da União Soviética não pegou no Brasil, ou teríamos milhares de Cebetes andando por aí hoje em dia.

Veja também

Popular Russian Names

Outra lista de nomes russos ou soviéticos, aqui.


5 de maio de 2020

ET5, o trator elétrico russo de 1948


ET5

Um motor trifásico de 1000 volts e 38 kW era responsável por tocar a gambiarra, alimentada por um longo cabo de energia

Sem baterias, os russos mantinham um projeto de trator elétrico nos anos 40. Os ET5-1000 foram desenvolvidos pelo Instituto de Eletrificação da Agricultura, usando como base o chassi dos STZ-NATI. Desde 1921 os soviéticos faziam experiências com veículos elétricos (com um modelo de trator em 1939, o VIME-4), mas o ET5 foi o primeiro adotado com sucesso em lavouras.

O VIESH (All-Union Institute of Electrification of Agriculture) era estratégico para o suporte técnico dos planos políticos da época: usar de forma intensiva a eletrificação rural com tratores, colheitadeiras e implementos usando a energia das grandes usinas hidrelétricas dos rios Volga, Don, Dnieper e Amu Dária.

O trator elétrico como “personagem” em filme soviético dos anos 50.

Em tempo: o nome do instituto é Всесоюзного института электрификации сельского хозяйства (ВИЭСХ). Mas é melhor chamar só de VIESH mesmo.

O sonho do trator elétrico russo acabou por diversos fatores: as reviravoltas políticas da época e tecnicamente, os projetistas enfrentaram muitos problemas com os pesados cabos de energia e destruição das lavouras pelo arrasto da estrutura. O elevado número de postes para atender as regiões agrícolas também ajudou a inviabilizar a ideia.

Veja também

SESAM – O Protótipo de Trator Elétrico da John Deere.

When the Soviets built an electric tractor.

Как тебе такое, Илон Маск: Электрический трактор для Сталина.


20 de fevereiro de 2020

Kolos SK-6, a colheitadeira soviética com “cara” de lagosta


Kolos SK-6

A Kolos SK-6 foi produzida entre 1973 e 1979 no complexo industrial Taganrog , hoje território russo

Com um visual bem fora do comum, a Kolos SK-6 se destacava por uma enorme cabine em formato de torre, com peças horizontais que formavam uma espécie de persiana no topo das janelas. Adicione os faróis e pronto: a colheitadeira ganhou o apelido de lagosta.

A “lagosta” em foto de família. Créditos: Farmweb.
Vídeo recente da colheitadeira (2019), descarregada da plataforma.
Linha de produção da Kolos SK-6 em Taganrog. Fonte: Лучший комбайн СССР СК-6 «КОЛОС», прокормил всю ДЕРЖАВУ (Youtube).

A Kolos tinha dois tanques graneleiros, um de cada lado da cabine que contava com porta traseira (o grão caía em uma esteira e era dividido entre os tanques). O motor SMD-64 de 147 hp ficava logo atrás, tapando a visão traseira. O desempenho era de 8,5 toneladas por hora em uma velocidade máxima de operação de 7.4 km/h.

O projeto tinha alguns problemas: só funcionava bem em terreno plano, o motor era fraco para toda a máquina e a visão para o operador era bem difícil. No geral, a estrutura até que era boa, já que algumas estão em operação até hoje.

Saiba mais no Zavod (site em russo).

Veja também: PZL M-15 Belphegor, o avião agrícola mais esquisito do mundo.



Publicidade