Tag: Subsídios

17 de abril de 2020

Trump libera 19 bilhões de dólares para os agricultores americanos


trump libera

Maior parte do dinheiro será gasto na forma de pagamentos diretos aos pequenos e médios agricultores do país e o resto com compras de alimentos

Dos 19 bilhões de dólares anunciados hoje pelo presidente americano Donald Trump, 16 bi irão para as mãos de agricultores através de pagamentos diretos. O resto, será gasto com a compra de produtos alimentícios diversos (frescos), carnes e laticínios.

Veja também: Maior frigorífico de suínos fecha unidade nos EUA.

O pacote de ajuda vem para mitigar os efeitos causados pela pandemia do coronavírus, responsável (não só nos EUA) por incontáveis prejuízos também na agricultura.O anúncio foi realizado nesta sexta, 17.

Os detalhes completos do pacote que Donald Trump libera neste momento de crise só serão conhecidos ao longo da semana.

Saiba mais

White House to give $19B in farmer aid.

Trump announces new $19 billion program to send direct payments to farmers, ranchers amid coronavirus pandemic.


28 de novembro de 2019

Espanha quer acabar com os subsídios para os “Agricultores de Sofá”


agricultores de sofá

Ministério da Agricultura quer acabar com os subsídios para agricultores que não produzem, mas abocanham parte dos 4 bilhões de euros pagos por ano pela União Européia

Os agricultores de sofá são aqueles produtores que recebem ajuda financeira da União Européia – os direitos históricos garantidos pela Política Agrária Comum da UE – mas não produzem nada. São gastos 4 bilhões de euros por ano com esta ajuda financeira.

O objetivo é redirecionar estes recursos para os agricultores que realmente estão na atividade e precisam de dinheiro. A Espanha saiu na frente e elaborou proposta para Bruxelas, para reformar a prática e destinar mais dinheiro para os pequenos.

Desde 2003, vários proprietários de terra na Europa ganham apenas para “manter o espaço” sem plantar, ou realizando pequenos trabalhos de manutenção para garantir o recebimento do benefício e viver desta renda, segundo o órgão. O cálculo para o pagamento de subsídio foi feito baseado na produção média dos anos de 2000 até 2002, até hoje sem revisão.

É muito difícil determinar um número exato para os agricultores de sofá, mas os dados somente na Espanha registram 783 mil proprietários de terra recebendo benefício, enquanto o INE (O IBGE da Espanha) diz que existem no país 297 mil agricultores autônomos ou empregadores. Façam as contas!

Saiba mais

España da el primer paso para acabar con las subvenciones millonarias a los “agricultores de sofá”.


23 de setembro de 2018

Eleitores da Suíça rejeitam pacotes de subsídios para agricultores em referendo


Subsídios para agricultores

Subsídios para agricultores e políticas tarifárias foram colocadas em um referendo proposto por grupo que coletou 100 mil assinaturas no país

 

A Suíça rejeitou nas urnas neste domingo, 23 de setembro, dois projetos que previam modificações nas políticas de importação de produtos agrícolas e o aumento dos subsídios para os agricultores. Ambos foram derrotados por uma margem de 63 a 37 e 70 a 30, respectivamente.

 

O primeiro projeto determinava que todos os alimentos no país fossem comprados apenas de fontes sustentáveis e com níveis precisos de rastreabilidade, banindo importações de grandes propriedades para melhorar o bem estar animal. A segunda, pedia por reajustes e mais dinheiro do governo para os agricultores, congelados desde 1985. A campanha para a realização do referendo (com coleta de assinaturas de 100 mil pessoas para a sua realização) foi uma iniciativa do Partido Verde local e dos sociais-democratas da Suíça, além de grupos de ambientalistas.

 

Especialistas e o próprio ministro da economia da Suíça, Johann Schneider-Ammann, consideravam os projetos danosos para a economia, causando aumento dos preços e problemas com parceiros comerciais em todo o mundo.

 

Os agricultores da Suíça já são uns dos mais subsidiados do mundo, com mais de 4 bilhões de dólares ao ano em ajuda estatal, para um país do tamanho do estado do Espírito Santo.

 

Seca na Suíça

Helicóptero transportando água para o gado na Suíça.

 

Recentemente, a Suíça sofreu com um período de seca intensa e o governo simplesmente mandou helicópteros com água para os agricultores tratarem os animais. É neste nível a ajuda.

 

 

Saiba mais sobre o referendo (em inglês) nos sites Investing e na Reuters.

 

 

 

 

 

 


7 de julho de 2018

Governo americano tem 600 mil toneladas de queijo na geladeira


Queijo processado

O queijo vem da compra do excedente de leite dos produtores e é estocado para diversos fins, de caridade até atendimento de desabrigados em tragédias. Mas o produto vem sobrando, ano a ano.

 

O government cheese ou “queijo do governo” praticamente integra a cultura americana, visto com humor ou desdém por parte da população como um produto destinado a pessoas de baixa renda. Popular, aparece até mesmo em programas de TV, especialmente onde o governo é alvo de sátira.

 

government cheese

O tijolão de queijo doado pelo governo: tão presente na cultura ao ponto de virar meme.

 

Esta quantidade enorme de queijo aumenta cerca de 6% ao ano, sendo distribuída para depósitos refrigerados em pontos estratégicos do país, permanecendo estocada até que as autoridades decidam um destino para o alimento. Esta política é antiga, em ação desde o final da Segunda Guerra Mundial. Nos anos 60, o queijo começou a ser usado nas escolas públicas como merenda.

Mesmo com toda esta ajuda aos produtores, o mercado de laticínios vive uma situação complicada nos Estados Unidos. Entre 2008 e 2017 a produção de leite subiu 13% no país, enquanto o consumo per capita diminuiu 14%.

O “queijo do governo” está entre os produtos agrícolas subsidiados (junto com milho, soja, trigo, algodão, arroz e outros produtos), ao custo anual de 20 bilhões de dólares. Uma política muito discutida por conta da efetividade e da falta de alcance e proteção) aos produtores médios e pequenos.

 

Para saber mais:

 

Government cheese, na Wikipedia (em inglês).


9 de fevereiro de 2018

Agricultores realizam protesto gigante na França


Agricultores realizam protesto

Estradas trancadas, pneus queimados e despejo de esterco nas ruas para defender a manutenção dos subsídios aos agricultores franceses

 

Na última quarta, 8 de fevereiro, centenas de agricultores franceses foram para as ruas “tocar o terror” contra o governo do país, trancando estradas, linhas de trem, queimando pneus e despejando cargas de esterco ou feno em locais estratégicos.

As atividades são em protesto contra medidas do governo que pretendem diminuir os subsídios agrícolas, fazendo com que o faturamento de alguns produtores perca até 7000 euros por ano.

Os protestos acontecem principalmente na região de Occitânia, no sudeste da França.

Saiba mais sobre as manifestações pelo Twitter, acompanhando as hashtags #agriculteurs mais recentes ou pela #ManifestationsAgricoles.

Mais informações também pelo Farmers Weekly. As imagens são de propriedade de Fred Scheiber/Sipa/ Rex/Shutterstock.


3 de agosto de 2017

O Brasil é um dos países que menos ajuda o agricultor


Mesmo sendo um dos líderes no agronegócio mundial, o país é um dos recordistas negativos no suporte financeiro ao agricultor

 

A renomada consultoria Stratfor publicou uma análise sobre a situação da agricultura no comércio mundial, tratados comerciais e o comportamento dos países e blocos econômicos. Para quem domina o inglês, é uma ótima leitura, o estudo está no site da empresa (que cobra uma mensalidade para o fornecimento de análises, mas esta vai de brinde).

 

O texto apresenta uma informação importante através do gráfico acima: o Brasil é um dos países que menos ajuda o produtor rural, entre uma seleção de importantes players do mercado. Os dados vieram da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, OECD.

Entre China, União Européia, Rússia, Estados Unidos e Austrália, o Brasil só vence a terra dos cangurus no índice que demonstra a participação dos incentivos governamentais no percentual de lucro dos agricultores. E esta ajuda, tipicamente, vem de políticas de preços mínimos e pagamento de fertilizantes.

A intervenção estatal na economia é um debate constante entre diversas tendências, mas o fato é que não importando a estratégia interna, os países estão sempre disputando o mercado mundial com outras nações extremamente protetoras, que jogam até mesmo com políticas sanitárias para forçar negociações e, no final, quem pode mais, chora menos.

 


19 de maio de 2017

Agricultores irlandeses receberam meio bilhão de reais para fazer o que você faz de graça


agricultores irlandeses

O “Esquema GLAS” paga para os agricultores que adotam plantio direto, cuidam de nascentes e animais selvagens em um país menor que o estado de Santa Catarina.

 

Mais de 120 milhões de euros (R$ 420 milhões de reais) já foram pagos para 34 mil agricultores irlandeses através do programa GLAS, da sigla Green Low-Carbon Agri-Environment Scheme, ou “Esquema verde de ambiente agrícola de baixo carbono”, em uma tradução livre.

A adesão é voluntária e os agricultores interessados precisam contratar um consultor, que elabora um projeto e, se a propriedade tiver o perfil adequado, passa a receber uma série de ajudas financeiras para diversas práticas ambientais adotadas, como preservar campos nativos (com pastejo), proteger áreas de animais silvestres, margens de rio, plantar cobertura de inverno e etc. Praticamente o que muitos agricultores brasileiros fazem sem ganhar um centavo.

 

Alguns exemplos da tabela de preços ambiental

Plantar cobertura verde: R$ 536,00 (por hectare).
Manter uma caixa para abrigar morcegos na mata: R$ 44,00 (por caixa).
Pousio: R$ 2560,00 (por hectare).
Manter uma área para pássaros nativos (algo como preservar campo para os nossos quero-queros): Até R$ 1300,00 (por hectare).
Metro cúbico aplicado de esterco líquido: R$ 5,00.
Margem de rio (acreditem): Até R$ 12,00 por metro.
“Wildbird Cover”, o plantio de campos com uma mistura especial de sementes com triticale, trevo e outros, dedicada aos pássaros nativos: R$ 3150,00 por hectare.

Todos os valores mostrados aqui são pagamentos por ano.

Aplicar esterco líquido? Também rende uma grana.

O limite anual por propriedade é de R$ 17300,00. Convertemos os valores em reais para maior esclarecimento. Um produtor de leite irlandês hoje recebe cerca de R$ 0,76 por litro (para efeito comparativo).

 

 


23 de abril de 2017

Agricultores ingleses receberam R$1625,00 por hectare, para não plantar


agricultores ingleses

Política da União Européia pagou, por muitos anos, para que agricultores ficassem em casa, sem plantar um único grão

 

Um programa que começou no final dos anos 80, para controlar a oferta de produtos agrícolas na Europa, pagou para que agricultores não usassem as terras por quase duas décadas.

O sistema “set-aside” fez com que milhares de agricultores deixassem de lado as atividades agrícolas, com as lavouras sendo tomadas por mato. E mesmo a capina deste matagal não deveria ter qualquer retorno financeiro, com a permissão de cortar, desde que o produto ficasse jogado no chão.

A participação era compulsória e gerou muita controvérsia durante todo o período, deixando milhares de trabalhadores rurais sem emprego e máquinas agrícolas sucateadas (e gerando estes ferro-velhos que mostramos aqui no blog).

O programa foi abolido só em 2008. Existem registros de famílias que ganharam até 19 mil libras por ano, em uma propriedade de 87 hectares, em 1994. Aplicando a correção da inflação no Reino Unido, hoje seriam 35 mil libras, ou R$ 1625,00 por hectare.

No lado ambiental, os dados mostraram uma melhora da qualidade dos solos e um aumento das populações de animais nativos, especialmente pássaros.

De uma forma ou de outra, a política de incentivos agrícolas na UE ainda é enorme. Só no quarto trimestre de 2016, 44000 produtores de leite foram inscritos em programas de incentivo para reduzir a produção em 850 mil toneladas (ganhando 0,14 euro por cada kg de leite que deixam de produzir).

Para saber mais

Política Agrícola Comum na União Européia (em português).



Publicidade