Comitê de orçamento no Congresso votou pela retirada da proibição do abate em solo americano, em vigor desde 2007.



O abate de equinos nos EUA é proibido desde 2007. Mesmo assim, o país manda para o abate, no México ou no Canadá, 137 mil cavalos, todo ano. A permissão passa por um comitê de orçamento do Congresso pois envolve o custeio (ou não) da estrutura de fiscalização deste tipo de estabelecimento, a cada ano fiscal.

A questão passou com uma votação apertada na última quarta-feira. O House Appropriations Committee decidiu pela derrubada do veto ao abate com 27 votos pela liberação contra 25 pela manutenção da proibição. Entre os argumentos à favor, a geração de receita dentro do país e a possibilidade de controle sanitário de acordo com normas mais aceitáveis, diferentes das praticadas no México, por exemplo.



Mesmo dentro do time republicano, a posição que permite o abate do cavalo, tradicional companheiro do homem do campo, não é unanimidade. Grandes nomes do partido estão apavorados com a medida.

As entidades defensoras dos direitos dos animais estão em polvorosa, como podemos imaginar. A questão envolve também a administração de terras públicas (que possuem milhares de cavalos selvagens) e o controle destas populações, que poderá passar da castração para o abate, muito em breve. Vale lembrar que alguns pecuaristas usam estas mesmas terras públicas para pastagem, concorrendo com estes animais.