Tag: Orgânicos

29 de maio de 2022

Agricultor alemão processa a Volkswagen por questões climáticas


agricultor alemão

O agricultor orgânico Ulf Allhoff-Cramer, da Renânia do Norte-Vestfália, se juntou com o Greenpeace para colocar a Volkswagen na justiça

agricultor alemão

O agricultor Ulf Allhoff-Cramer resolveu processar a montadora Volkswagen para que a empresa “tome providências” sobre as mudanças climáticas. Entre as demandas, Ulf – que é apoiado pelo Greenpeace – quer que a Volks pare de produzir carros a combustão a partir de 2030. A briga ganhou destaque na mídia alemã e virou reportagem até na Deutsche Welle.

Ulf Allhoff-Cramer – veterano das causas ambientais e agricultor orgânico – lutando contra uma usina nuclear em 2011.

Na última sexta, o processo “andou” no Tribunal Distrital de Detmold e o juiz não levou muita fé, ordenando que o pedido seja melhorado, já que há uma certa subjetividade em demandar “liberdade em relação aos gases de efeito estufa”. O alemão alega que o efeito estufa está causando prejuízo em sua propriedade.

O juiz decidirá sobre o caso no próximo dia 9 de setembro, sendo possível ao agricultor e ao Greenpeace recorrer.

Saiba mais

Organic farmer takes Volkswagen to court

Klage: Detmolder Bio-Bauer will VW zu mehr Klimaschutz verpflichten


7 de março de 2020

O que é agricultura familiar? Leis, definições e preconceitos


agricultura familiar

A expressão agricultura familiar é usada para a defesa de muitas ideias, algumas distantes da realidade e carregadas de simbolismo ideológico

A agricultura familiar no Brasil é definida pela Lei 11.326/2006 e delimita a classificação para quem tem uma área de terra de no máximo 4 módulos fiscais (um índice que varia de acordo com a região ou município do país), que seja dirigido pelo agricultor com sua família (e que use mão de obra predominantemente da família) e um certo percentual mínimo de faturamento originado na agricultura.

Módulos fiscais no Brasil: mais escuro, maior o tamanho do módulo.

Um módulo fiscal no Brasil mede entre 5 e 110 hectares. Isso também foi definido por lei no distante ano de 1979. Você pode consultar o tamanho do módulo fiscal em sua cidade no site da Embrapa.

Esta classificação torna agricultor familiar alguém com 20 hectares em certas regiões do sul do Brasil ou com 440 hectares no norte.

Agricultura Familiar e preconceitos

O uso do termo é muitas vezes carregado de preconceitos e este pode ser considerado um dos problemas do agricultor brasileiro. Certos políticos gostam de reduzir o pequeno produtor a um eterno “coitado” que sempre precisará da ajuda de um prefeito, governador ou presidente, enquanto seus problemas são na maioria gerados pela própria política.

Também há o caráter esquerdista da “luta de classes”, colocando o pequeno como explorado ou ameaçado pelo grande latifundiário. Esta classificação é tão abusada que políticos de todas as vertentes acabam usando como ferramenta para ganhos, não de produtividade, mas de votos.

Pequeno produtor ou produtor familiar não é sinônimo de produtor de orgânicos

Quantas vezes você já ouviu, até mesmo na televisão, gente dizendo que “compra do pequeno produtor pois este não tem veneno e é limpinho”. O tamanho da propriedade não tem relação com a produção “sem agrotóxicos”. Produtores de todos os tamanhos usam defensivos e adubos que são proibidos pelas certificações orgânicas.

Esta é uma das ideias mais erradas quando o assunto é agricultura familiar e a desinformação poderá um dia acarretar até mesmo prejuízo para o produtor, com acusações de má fé, por algo que muitas vezes nem ele afirmou.

Agricultor fora da classificação “familiar” não é rico

Para muitas pessoas (talvez influenciadas por novelas e filmes) o agricultor que não é familiar é um empresário rico, latifundiário e poderoso.

É claro que o Brasil possui poucos mega-fazendeiros (aquela figura que o pessoal da cidade diz que quer ser quando ganha na loteria), mas existe uma enorme fatia composta por uma “classe média rural” que possui uma área considerável para os padrões da cidade que vive, mas está muito longe de ser alguém rico. É puro preconceito.

Se somarmos ao ano os salários de uma família da cidade (pai e mãe trabalhando fora e ganhando os dois somados R$ 15 mil), com décimo terceiro são R$ 195.000,00.

Transformando este valor em receita líquida para uma família de agricultores, pode ser o perfil de alguém com 200 hectares que “tirou” R$ 1000,00 por hectare na safra de soja e “empatou” no trigo (em um cenário muito bom).

Tudo isso sem férias e finais de semana, em muitos casos, além de perder tudo a cada 8 ou 10 anos para secas e outros eventos climáticos. De quebra, brigar com o mercado na compra e na venda.

Veja também

Declaração de Aptidão ao PRONAF – DAP.


14 de novembro de 2019

Maior laticínio dos Estados Unidos entra em processo de falência


Dean Foods

Baixa demanda por leite, novos hábitos de consumo e competição com novos produtos quebraram a quase centenária Dean Foods

A Dean Foods, maior empresa de laticínios dos Estados Unidos e fundada em 1925, entrou em processo de falência nesta semana. Entre as causas ventiladas no mercado estão o cada vez mais baixo consumo de leite no país e a competição com produtos alternativos, orgânicos e vegetais.

Funcionários da empresa comemorando o Dia do Leite em 2017.

As gigantes do ramo também estão sofrendo com a concorrência das marcas próprias criadas pelas redes de supermercados, em uma população que consome 37% menos leite em relação aos anos 70.

Oficialmente, a falência foi pedida com base nas dívidas e obrigações com fundos de pensão. O documento também cita a possibilidade de venda total dos ativos.

A Dairy Farmers of America é apontada como possível compradora da empresa.

Saiba mais

Dean Foods goes bankrupt; to sell assets.

A Milk Giant Goes Broke as Americans Reject Old Staples.

Supermercado começa a produzir o próprio leite e laticínios cancelam contratos com produtores nos EUA.


21 de agosto de 2019

Golpista dos orgânicos comete suicídio nos EUA


Golpista dos Orgânicos

Empresário rural faturou 142 milhões de dólares com produtos falsamente classificados como orgânicos entre os anos de 2010 e 2017 nos Estados Unidos

Randy Constant, agricultor e empresário de 61 anos do estado de Missouri, nos EUA, foi notícia durante o mês de agosto após ter a sua pena de 122 meses de cadeia divulgada pela mídia.

Em dezembro do ano passado, ele se declarou culpado em um tribunal por fraude. Durante 7 anos, ele vendeu grãos falsamente certificados como orgânicos, a maioria para uso como ração animal. O caso já é considerada a maior fraude em alimentos orgânicos já ocorrida no país.

Entre 2010 e 2017, Randy vendeu 11,5 milhões de bushels de grãos (mais de 304 mil toneladas), 90% deles falsamente declarados como orgânicos. Produtos de unidades certificadas eram misturados com grãos comuns. O homem faturou 142 milhões de dólares com o esquemão. Cerca de 7% de todo o milho e 8% de toda a soja orgânica americana vinha das empresas do golpe, que viravam ração animal para produtores de carne e ovos certificadas como orgânicos.

Segundo o site New York Post, o golpista torrava todo o dinheiro com prostitutas e jogatina em Las Vegas, com mais de 20 viagens registradas durante a fraude. O site apurou que apenas com 3 garotas de programa ele gastou 225 mil dólares (chegou a pagar o implante de silicone de uma delas). Com jogatina, mais de 360 mil.

A história teve um final infeliz: inconformado com a sentença de 10 anos na prisão, Randy acabou cometendo suicídio na garagem de casa, na última segunda, ao ligar o carro e deliberadamente permanecer no veículo.

O golpista deixou a mulher com quem foi casado por 39 anos e filhos.


10 de março de 2018

Estudo diz que compradores de orgânicos podem virar “babacas egoístas”


Neurocientista dos EUA descobriu algumas coisas sobre compradores de produtos orgânicos.

 

Hoje em dia, fazem estudo para todo o tipo de coisa.

Não é piada: Rachel Herz, uma neurocientista da Brown University, realizou uma pesquisa (séria) e descobriu que pessoas que compram produtos orgânicos possuem alguns traços comportamentais nada agradáveis.

A metodologia foi bem estranha: um grupo de pessoas foi exposta a fotos de produtos com a etiqueta de orgânicos e outro a imagens de comidas caseiras e bem populares, sem referências a orgânicos. Enquanto visualizavam as imagens, eram indagadas sobre questões morais e convidadas para participar de ações voluntárias. O grupo “orgânico” fez mais julgamentos sobre o comportamento alheio e aceitou a metade dos trabalhos voluntários oferecidos aos “comidas caseiras”.

O canal de humor Awaken With JP e sua sátira com a turma dos orgânicos.

Moral da história, segundo o estudo: compradores de orgânicos se acham moralmente superiores aos demais. Também pensam que ao comprar orgânicos já estão realizando um bem ao mundo, sem precisar usar de simpatia no dia a dia.

É claro que isto não é uma regra e este estudo não diz que TODOS os compradores de orgânicos possuem este perfil.

Saiba mais

O estudo, na mídia: Buying organic makes you selfish, research shows — this explains the Whole Foods parking lot.

site da neurocientista Rachel Herz.


31 de janeiro de 2018

Governo da França quer que os agricultores controlem os preços nos supermercados


Governo da França

Projeto do Ministério da Agricultura quer modificar totalmente a relação entre produtores e supermercadistas

 

Os supermercados na França são proibidos de jogar comida no lixo. Uma legislação já definiu que os gerentes que desobedecerem a regra estarão sujeitos a multa e até cadeia. As redes precisam doar os alimentos ou enviar para compostagem, fabricação de ração animal ou bioenergia.

Mais um passo para o controle governamental no segmento está para acontecer: um conjunto de medidas proposto pelo ministro da agricultura Stéphane Travert determina que produtores rurais terão controle nos preços praticados nos supermercados. Vejam alguns itens do “pacotaço” francês:

Promoções “compre um, leve dois” estão proibidas. Vendas do tipo “compre dois, leve três” estão liberadas.
Desconto máximo de 25% no preço de venda das mercadorias.
Obrigação da venda de produtos pelo menos 10% acima do preço de compra. Outras leis na França já proíbem a venda a preço de custo ou abaixo deste.
Criação de um sistema de preços mínimos baseados no custo de produção + margem de lucro para os agricultores. Na prática, os agricultores passam a determinar os preços.
Uso de pelo menos 20% de produtos orgânicos nos restaurantes.

Os supermercados franceses estão nas manchetes dos jornais deste o final de janeiro de 2018, quando centenas de pessoas entraram em guerra para comprar potes de Nutella com descontos de até 70% em algumas redes.

Saiba mais sobre Nutella Wars e o controle de preços francês.


22 de dezembro de 2017

Trump e a neutralidade da galinha orgânica


Trump e a neutralidade

O governo do presidente americano Donald Trump acabou com uma regulamentação da avicultura orgânica, causando a fúria dos progressistas

Uma regulamentação criada em 2016 pelo NOP (National Organic Program), uma divisão dentro do USDA responsável pelos orgânicos, exigia uma infinidade de práticas para que produtos da avicultura fossem considerados “orgânicos”. Entre elas, dimensões mínimas para os animais se locomoverem sem tocar outro animal ou as paredes das gaiolas e acesso ao mundo externo, o ano inteiro, em piquetes para o contato com solo e plantas.

Um comunicado oficial do USDA colocou um ponto final na regulamentação, que quase entrou em vigor em março de 2017 e levou sucessivas “canetadas” que retardaram a sua ativação para março de 2018. O documento afirma que estas regulamentações ultrapassam a autoridade do órgão, sobrecarregando suas funções.

Uma produção orgânica, por definição, seria a criação de animais e seus produtos livres de uma série de agroquímicos e medicamentos em várias etapas da cadeia produtiva. Um frango orgânico alimenta-se de ração feita com produtos orgânicos, e por aí vai. As novas regulamentações colocariam sérias barreiras de entrada para produtores, inviabilizando o negócio e a produção em escala. De uma hora para outra, demandaria instalações bem maiores e muito mais pessoal para uma produção ainda menor. Seria o governo deixando o alimento mais caro, via burocracia.

Quem quiser criar frango em vastas áreas e vender ovo por US$ 100,00 a unidade, continua livre para empreender. Já os produtores que resolveram atuar com orgânicos, poderão continuar produzindo, dentro do livre mercado e etiquetado como tal.

 

Nas discussões da internet, os duelos entre quem produz e quem acha que o ovo vem da prateleira do supermercado já começaram. Vale lembrar que já existe um nome para esta produção que a regra tentou impor: a criação free-range (que vai bem, obrigado). Grandes redes de fast food já compram frangos e ovos deste tipo de produção, em acordos totalmente (e igualmente) livres.

Assim como no debate acalorado da “Neutralidade da Rede”, a questão dos ovos enfurece progressistas e setores da indústria já estabelecidos e preparados para produzir nas regras da era Obama. É claro que, para estes empresários, a entrada de outros players no mercado não é bem vinda.

Trump emplacou mais uma. Acabou com a neutralidade da galinha orgânica.


17 de dezembro de 2017

Chineses estão desenvolvendo GPS e reconhecimento facial para galinhas


gps para galinhas

Sistema vai rastrear com precisão a produção de frangos orgânicos

De acordo com as estatísticas, os chineses comem 5 bilhões de frangos por ano (sim, bilhões). Só para comparação, o Brasil abateu 5,86 bilhões de cabeças em 2016.

E é da China que vem uma das novidades no mundo da avicultura: o rastreamento de frangos usando tecnologias como GPS, reconhecimento facial e blockchain.

 

GPS para galinhas

A startup chinesa ZhongAn está acompanhando uma pequena parcela (100 mil) dos frangos produzidos no país, com uma precisão incrível: em tempo real, os dados da movimentação individual das aves são coletados através de pequenos receptores de GPS. Nos próximos 3 anos, o sistema batizado de GoGo Chicken deverá evoluir para o monitoramento de 23 milhões de aves.

 

gps para galinhas

Sistema de GPS em frango, em uso experimental nos EUA. Via spokesman.com

É bom lembrar que o frango orgânico é produzido em até 6 meses, gerando muito mais dados quando comparado com um abate de 45 dias do sistema convencional.

Benefícios sociais, para os chineses

O GoGo Chicken só funcionará em regiões chinesas sem poluição e os contratos de “integração” destes frangos orgânicos serão realizados com agricultores experientes no negócio, com atuação paralela na produção de hortifruti. E vai além, exigindo até mesmo que os produtores tenham uma rotina saudável, que inclua a prática de exercícios.

Junto com as empresas de logística, frigoríficos e canais de venda, estas iniciativas deverão garantir um produto de qualidade, sem falsificações ou contaminações, com rápida resolução de problemas encontrados em toda a cadeia produtiva da avicultura.

É bom ficar de olho: se a produção free-range é vista como algo inovador e alternativa para alguns produtores, é bom saber que a “fila andou” e outras formas de produção e tecnologias digitais são a tendência do momento.

 

Olho nos chineses!

Acesse o site da ZhongAn.


5 de junho de 2017

Cão aciona trator e mata pecuarista milionário na Inglaterra


Derek Mead

O inusitado acidente causou a morte de um dos maiores empreendedores do agro naquele país

 

Derek Mead, pecuarista, ex-político e empreendedor da região de Somerset, na Inglaterra, morreu neste domingo após seu cão entrar na cabine de uma pá-carregadeira JCB e acionar o veículo, causando o esmagamento do pecuarista, que morreu de parada cardíaca ainda no atendimento realizado por paramédicos.

A família Mead tem negócios no país desde os anos de 1400, atuando na produção de leite, laticínios orgânicos, leilões, suinocultura e até mesmo com um parque de diversõescom temática rural.

Derek Mead tinha 72 anos e deixou amigos de todas as correntes políticas, apesar de ter feito nome no lado liberal do espectro ideológico inglês.



Publicidade