Tag: Políticas Agrícolas

13 de março de 2021

Plano Collor Rural: suspensão dos processos judiciais é retirada


Plano Collor Rural

Plano Collor Rural

Novidades no Plano Collor Rural

Um boa notícia para os nossos agricultores. O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal – STF – retirou a suspensão dos processos judiciais de produtores rurais que pedem a devolução de valores do Plano Collor Rural referentes à diferença das taxas de juros dos financiamentos bancários na década de 1990.
A medida permitirá o prosseguimento das ações para que produtores rurais recebam os créditos referentes à diferença de índices verificadas no mês de março de 1990. Na época, os agricultores viram as taxas de juros dos financiamentos no Banco do Brasil saltarem de 41,28% para 84,32%. Espero que agora cessem os recursos judiciais de um processo que se arrasta há anos e finalmente os produtores de todo Brasil possam receber os valores que pagaram a mais.

Via divulgação – Senador Luis Carlos Heinze.

Plano Collor Rural

O Plano Collor foi o nome dado ao conjunto de reformas econômicas e planos para estabilização da inflação criados durante a presidência de Fernando Collor de Mello entre 1990 e 1992.

O plano era oficialmente chamado de Plano Brasil Novo, porém, foi tão associado a figura do presidente Collor, que ficou conhecido apenas por “Plano Collor”, sendo instituído em 16 de março de 1990 (um dia depois de Collor assumir a presidência), impondo medidas radicais para estabilização da inflação.

Em meio à crise financeira e os altos índices de inflação que o Brasil enfrentava na década de 90, foi editado o Plano Collor na versão rural, que da noite para o dia, reajustou de 41,28% para 84,32% os índices dos contratos de financiamento agrícola e de crédito rural firmados entre os agricultores e o Banco do Brasil. Saiba mais, aqui.


28 de novembro de 2020

Agricultores vão para as ruas na Índia contra as reformas do Governo


agricultores vão

Seguidores da nossa página no Facebook estão mandando relatos da situação na Índia: milhares de agricultores estão marchando do estado de Punjab até a capital do país, Nova Delhi, para protestar contra a reforma agrícola em curso.

Recebidos com jatos de água e bombas de gás lacrimogênio pelas forças do governo, os agricultores reclamam do que chamam de “privatização do setor agrícola” e reformas injustas.

As Leis

Segundo o site indiano ZeeNews, três pacotes de leis pretendem aumentar os canais de comercialização, quebrar monopólios (incluindo mercados públicos controlados pelo próprio governo) e criar bases para contratos envolvendo agricultores. O principal temor dos líderes está na possibilidade destas leis criarem um caminho para o fim do sistema de preço mínimo adotado no país. Dos 31 sindicatos presentes nos protestos, 13 possuem ligação direta ou indireta com partidos comunistas.

Imagens dos protestos na BBC.

Estima-se que os governos dos estados na Índia também perderão arrecadação: só em Punjab, 13% dos impostos arrecadados são oriundos dos mercados públicos estatais. Agricultores vão protestar e o governo vai com uma mão jogar gás e jatos dágua. Com a outra, lamentar a perda de dinheiro. Uma briga atípica que o mundo agrícola conhece bem.

 


13 de novembro de 2020

Reino Unido considera proibir o uso de uréia sólida nas lavouras


uréia sólida




uréia sólida

A terra da rainha quer mudanças radicais na agricultura e a bola da vez é a aplicação de uréia em estado sólido. O Reino Unido planeja banir o uso do fertilizante

Tudo começou em 2019 com o Clean Air Strategy, um estudo do governo para criar uma estratégia que diminui todo o tipo de poluição, melhorando a qualidade do ar, protegendo a natureza e impulsionando a economia, nas palavras dos próprios representantes. O documento pode ser acessado neste link e tem 109 páginas.

Só em gastos com problemas na saúde dos britânicos relacionados a emissões de amônia, o governo alega um gasto de 1 bilhão de Libras.

Entre os planos opcionais estudados após uma espécie de consulta pública, estão o banimento total no uso de uréia em estado sólido, a obrigatoriedade do uso de um inibidor de urease e a limitação no calendário para aplicação (apenas entre 15 de janeiro e e 31 de março). Com isso, as emissões se amônia seriam reduzidas em 31% até 2030.

Segundo reportagem do site Farmers Weekly, a opção preferida do governo parece ser mesmo o banimento total. No horizonte, o aumento do custo na produção de alimentos. É preciso ficar atento.

Veja também

Tem gente tentando usar urina humana como fertilizante. Seria viável?

 


23 de outubro de 2019

Mais de 1700 agricultores protestam contra o governo na Alemanha


agricultores protestam

Os tratores foram para as ruas na cidade de Oldenburgo para protestar contra o pacote agrícola do governo federal

Os agricultores da região da Baixa Saxônia, na Alemanha, tomaram as ruas da cidade de Oldemburgo para protestar contra as políticas agrícolas do governo alemão.

Um mar de tratores na Alemanha.

A polícia confirmou o número de 1700 veículos e congestionamentos de mais de 10 km nos arredores da cidade, tamanha demonstração de força que você confere no vídeo abaixo:

Outras cidades estão recebendo protestos similares, em grande número. Entre as políticas do governo federal que geraram a onda de protestos estão a proibição do uso do glifosato no país após o ano de 2023 e o limite do uso de fertilizantes (em especial N e esterco). No final das contas, é a vilanização do agricultor alemão, taxado de poluidor e culpado de vários males ambientais.

Saiba mais

German farmers shut down streets in nationwide protest against government plans.

Trecker-Kolonne hat Oldenburg wieder verlassen.


23 de janeiro de 2017

Agricultores europeus espalham toneladas de leite em pó na rua


Agricultores europeus

Protesto contra o preço baixo do leite deixou branca a sede da Comissão Européia em Bruxelas

 

Os produtores de leite europeus estão furiosos com a política de preços da UE. Nesta segunda, mandaram um recado para o continente, espalhando toneladas de leite em pó nas ruas em Bruxelas, na Bélgica.

 

 

Produtores da Bélgica, Alemanha e França se uniram para exigir da UE mais medidas para o controle de produção, especialmente depois da liberação de cotas de produção em 2015. A relação entre pequenos e grandes produtores no mercado é uma bagunça e, para ajudar, a UE colocou no mercado, recentemente, 22 mil toneladas de leite em pó, diretamente do estoque regulador.

 

 

 

O protesto foi organizado, em parte, pela Via Campesina.



Publicidade