Categoria: Suinocultura

7 de dezembro de 2020

China constrói a maior granja de suínos do mundo


maior granja de suínos




Nós já falamos aqui no Blog do Farmfor sobre as granjas de suínos chinesas construídas em prédios que possuem até elevadores, você pode conferir em “As Pocilgas Gigantes da China“. Agora, os chineses foram muito além e construíram a maior granja de suínos do mundo.

A empresa Muyuan Foods virou notícia ao anunciar o início das atividades de sua mega fábrica de suínos na província de Henan. O complexo de 21 prédios começou a ser construído em março de 2020 (praticamente no auge da pandemia de coronavírus) e começou a operar no mês de setembro.

Além de ser a maior unidade de China (e do mundo) para a produção de suínos, a iniciativa pretende aos poucos eliminar a produção em pequenas propriedades do país. É um novo paradigma para os chineses, significando um perigo no longo prazo para os países produtores, incluindo o Brasil.

granja de suínos china

 

Alguns números da maior granja de suínos do mundo

A unidade vai abrigar 84 mil matrizes distribuídas em diversos prédios da granja, com o objetivo de produzir 2,1 milhões de suínos por ano. Tudo é controlado por computador, com alimentadores automáticos, robôs para limpeza das baias e monitoramento constante por câmeras de infravermelho para detectar febre nos animais.

Em 2019, a produção de suínos caiu pela metade na China. O mercado ficou sem 11 milhões de toneladas de carne para o consumo, fazendo o país comprar muito mais dos parceiros, incluindo o Brasil.

Se estas mega propriedades derem certo, muitas outras serão construídas nos próximos anos, tornando a China cada vez mais independente no setor: está no planejamento o arrendamento de terras para a produção anual de 80 milhões de suínos. O dinheiro para investir existe de sobra.

Veja também

Acesse o site da Muyuan Foods aqui.

 

 


27 de setembro de 2019

Empresa brasileira recebe lote de suínas por via aérea


suínas

Fêmeas puras vieram da Dinamarca para melhorar a genética no Brasil

Não é algo inédito, mas digno de nota: um lote de fêmeas puras chegou no Brasil para a empresa DB Genética, oriundos da Dinamarca e de responsabilidade da Danbred.

O feito foi publicado na página do facebook da DB Genética. “No início da manhã de ontem (25), a DB Genética Suína recebeu mais um lote de fêmeas puras, importadas diretamente da sua parceira dinamarquesa, a DanBred, referência mundial no melhoramento genético de suínos. A importação sistemática de material genético da DanBred faz parte da estratégia da DB para intensificar a atualização genética do seu plantel, buscando alcançar o nivelamento genético entre os animais de origem e os do Brasil. Após quarentena na Ilha de Cananeia (SP), as fêmeas vão povoar a nova granja núcleo da DB, que terá elevado status sanitário e genético e capacidade de produção de 22 mil matrizes por ano.”.

https://www.facebook.com/dboficial/posts/2618230494895630

Leia também: Ativistas dos direitos dos animais invadem propriedade e matam leitões.


14 de junho de 2018

As pocilgas gigantes da China


pocilgas gigantes




Prédios de 13 andares e leitões no elevador, nas super granjas da China.

 

Os chineses estão construindo estruturas gigantes para a criação de suínos. Com prédios de 7 e 13 andares, os empreendimentos estão na região das montanhas Yaji e são propriedade do grupo Guangxi Yangxiang Co Ltd.

 

 

Os empregados da granja movem os leitões entre os diferentes estágios da criação usando elevadores. Mesmo com todo o tamanho, muitos processos ainda são manuais, como a distribuição de ração nos milhares de cochos.

 

 

 

As estruturas ganharam o apelido de “Hotéis de Porco” e a capacidade é de 30000 leitões em cada mega-propriedade. Ao todo, a propriedade entregará 840 mil leitões por ano, em uma área de 11 hectares. Provavelmente, a maior granja de suínos do mundo.

Saiba mais no site PRI.org (em inglês) neste link.


31 de maio de 2018

África do Sul enfrenta surto de Peste Suína Africana


A doença hemorrágica tem alta mortalidade nos suínos, mas não é transmitida aos humanos.

A Peste Suína Africana (PSA) ou African Swine Fever (ASF) em inglês, foi detectada na Província do Cabo, na África do Sul. A suinocultura no país já estava em crise devido a outro episódio ocorrido recentemente, quando um surto de listeria matou 200 pessoas e teve sua origem atribuída a um frigorífico que fornecia carne suína para populações de baixa renda (na realidade, uma espécie de mortadela chamada Polony).
Mapa dos surtos de Peste Suína Africana no mundo desde 2005. O Brasil fora de perigo. Veja aqui.
Entre os sinais da infecção por PSA nos suínos estão febre alta, morte súbita, coloração avermelhada da pele (especialmente nas orelhas), diminuição do apetite, vômitos, diarreia e aborto. O animal pode mostrar estes sinais em até 15 dias após o contágio, ou apenas 4 dias quando a PSA é da forma aguda.

A contaminação se dá pela ingestão de restos de carne suína, mordidas de carrapatos ou contato com secreções de animais infectados. Algumas curiosidades: acredita-se que um surto na Geórgia ocorreu após alguns suínos serem alimentados com resto de comida de um barco vindo da África. Em Portugal, no ano de 1957, um surto parecido, mas a suspeita da origem está no fornecimento de restos de comida de aviões para chiqueiros das cercanias do aeroporto. A famosa “lavagem”.

A doença não é transmitida para os humanos.

Saiba mais

“A Peste Suína Africana no Brasil: A epidemiologia, os registros históricos, a erradicação da doença e o desenvolvimento da suinocultura nacional pós-ocorrência”, dissertação de mestrado em Ciências Animais de Josélio de Andrade Moura. Disponível neste link.

Folheto sobre a Peste Suína na Europa, aqui.


27 de abril de 2018

Vizinhos processam granja de suínos nos EUA por conta do fedor


Juiz deu ganho de causa para os vizinhos. Processo poderá custar mais de 50 milhões de dólares para a granja.

 

Dez famílias do condado de Bladen, na Carolina do Norte, foram buscar na justiça a reparação por danos causados por uma granja de suínos, vizinha das residências. Segundo as vítimas, foram anos de cheiro forte, doenças, moscas, incapacidade da realização de atividades ao ar livre e diversos problemas.

Após um julgamento que durou 3 semanas, o juiz determinou que a Kinlaw Farms (granja de 15 mil suínos), integrada da empresa Smithfield Foods – um dos maiores frigoríficos dos EUA – pague a quantia de US$ 75 mil por compensação de danos e US$ 5 milhões como punição para cada um dos 10 integrantes do processo.

A indústria de suínos está em alerta, já que o caso pode incentivar outras comunidades do país a fazerem o mesmo: processar as granjas por conta do cheiro forte.

Ainda cabe recurso. A notícia foi destaque no site da Fortune.


8 de fevereiro de 2018

A suinocultura está salvando os produtores de trigo na Alemanha


Suinocultura

Em alguns casos, o trigo para ração é negociado com preço acima do usado para farinha

 

Deu no Bloomberg:

O trigo para ração está salvando a vida dos traders de cereais e dos produtores da Alemanha. A demanda está alta e o preço oferecido supera em algumas negociações (168 contra 164 euros a tonelada) o valor pago para o trigo que vai para a indústria de farinha.

O país tem 30 milhões de suínos e abate cerca de 58 milhões de cabeças, todo o ano. Metade do trigo consumido no país (10,5M toneladas) vai para ração animal.

Confira a publicação (em inglês) no site da Bloomberg.



Publicidade