Tag: Trump

19 de agosto de 2020

Goodyear americana é acusada de boicote a temas conservadores


Goodyear

Funcionário teria vazado para emissora de TV local imagens e áudios com orientações da Goodyear em palestra sobre políticas de tolerância zero. A empresa nega

A Goodyear está com problemas nos Estados Unidos e conseguiu arrumar encrenca até com o presidente Donald Trump, depois que uma imagem e áudios foram vazados de uma palestra para funcionários da fábrica de Akron, Ohio.

O funcionário X-9 mandou o material para a WIBW 13, afiliada da CBS na cidade de Topeka, no Kansas. Segundo o denunciante, o material é exibido em uma espécie de curso de diversidade e políticas de tolerância zero para os empregados das fábricas e lojas da Goodyear.

O problema

A imagem mostra um slide de Powerpoint que indica o que é aceitável nas roupas e acessórios dos funcionários (incluindo máscaras) nas dependências das filiais, especialmente nesta época de campanha eleitoral no país.

Compilação da FOX News com “regulamentos” exibidos no evento de treinamento.

Seriam aceitáveis símbolos e frases que remetem ao Black Lives Matter (BLM) e Orgulho LGBT. Entre os proibidos, Blue Lives Matter (apoio aos policiais americanos), All Lives Matter, MAGA (slogan de campanha de Donald Trump – Make America Great Again) e slogans ou materiais políticos em geral.

Em resumo, passe livre para movimentos de esquerda e boicotes a temas conservadores nas dependências da empresa.

Um dos áudios vazados, diz:

As regras agora são o que você pode usar. Vamos tentar cumprir com isso para que você saiba que todos se sentem bem nesta fábrica. Quero ter certeza galera, pensem no que a gente faz nessa fábrica, nessa fábrica né. Todos nós trabalhamos juntos para fazer pneus, é isso que fazemos. É para isso que somos pagos. Então, vamos continuar fazendo isso e fazer a coisa certa e manter este lugar como sempre foi, um bom lugar para trabalhar ”.

A íntegra dos áudios você confere aqui e aqui.

https://twitter.com/realDonaldTrump/status/1296092859226042368
Tweet com a reação do presidente Trump. Não compre pneus Goodyear, adquira pneus melhores por muito menos! Isto é o que a esquerda democrata radical faz. Podemos jogar o mesmo jogo e vamos começar agora!

A empresa negou a autoria do material. Disse em nota que a imagem não foi criada ou distribuida pela Goodyear, nem foi parte do treinamento de diversidade corporativa, que tem tolerância zero com discriminação e que pede que funcionários não defendam pontos de vista de cunho político no ambiente de trabalho.

Veja também

Did Goodyear Forbid Employees to Wear MAGA Gear?


17 de abril de 2020

Trump libera 19 bilhões de dólares para os agricultores americanos


trump libera

Maior parte do dinheiro será gasto na forma de pagamentos diretos aos pequenos e médios agricultores do país e o resto com compras de alimentos

Dos 19 bilhões de dólares anunciados hoje pelo presidente americano Donald Trump, 16 bi irão para as mãos de agricultores através de pagamentos diretos. O resto, será gasto com a compra de produtos alimentícios diversos (frescos), carnes e laticínios.

Veja também: Maior frigorífico de suínos fecha unidade nos EUA.

O pacote de ajuda vem para mitigar os efeitos causados pela pandemia do coronavírus, responsável (não só nos EUA) por incontáveis prejuízos também na agricultura.O anúncio foi realizado nesta sexta, 17.

Os detalhes completos do pacote que Donald Trump libera neste momento de crise só serão conhecidos ao longo da semana.

Saiba mais

White House to give $19B in farmer aid.

Trump announces new $19 billion program to send direct payments to farmers, ranchers amid coronavirus pandemic.


17 de fevereiro de 2020

Rival de Trump diz que não é preciso muito cérebro para ser agricultor


Rival de Trump

Declaração do candidato democrata foi dada em 2016, durante evento na Inglaterra.

Deu no Washington Post: o bilionário e pré-candidato a presidente dos Estados Unidos pelo partido democrata (rival de Trump) Michael Bloomberg acha que não é preciso muito cérebro para alguém trabalhar na agricultura, diferente de outras profissões da “era da informação”.

Esta e outras declarações foram dadas em 2016 na Universidade de Oxford, na Inglaterra.

Disse o candidato e ex-prefeito da cidade de Nova York: “Eu poderia ensinar qualquer um – até mesmo as pessoas nesta sala – a ser agricultor. A agricultura é um processo, você cava um buraco, coloca a semente, cobre, adiciona água e o milho sai”.

As declarações sobre agricultura estão em 41:57. (em inglês).

Defendendo os empregos na área de tecnologia da informação, disse ainda que estes sim são empregos que precisam de muito mais “massa cinzenta” e as pessoas da área possuem um conjunto diferenciado de habilidades.

Rival de Trump também disparou contra os operários da indústria

Comentários semelhantes foram disparados também para o pessoal da indústiria. Segundo Michael Bloomberg, trabalhos altamente repetitivos.


20 de janeiro de 2020

Aprovação de Trump entre agricultores bate recorde


aprovação de trump

Índice de aprovação é o maior desde a posse, fortalecido pela esperança de fim dos conflitos comerciais com a China

O presidente Donald Trump está bem cotado entre os agricultores americanos. Uma pesquisa do Farm Journal ouviu 1286 produtores de todo o país, sendo a maior parte de Illinois, Iwoa, Indiana e Nebraska.

A aprovação de Trump entre os agricultores é de 83%, o maior índice deste o início do mandato.

Fortalecendo este otimismo estão o acordo com a China e o fim da guerra comercial entre os dois países, bem como um novo acordo entre os EUA e o México que passou pelo Senado na semana passada. O acordo deverá substituir o NAFTA.

Aprovação de Trump – Saiba mais

Farmer Approval of Trump Hits Record, Poll Shows.

Trump Approval Strongest Yet as He Heads to Farm Bureau Convention.


16 de junho de 2018

Agricultora espanhola ganha fama mundial por ser parecida com Trump


No Brasil, dizem que ela é a mãe do Trump e mora em Pomerode.

Dolores Leis, uma agricultora espanhola de 64 anos, foi fotografada por uma jornalista para uma matéria sobre a vida no campo na região da Galícia. Bastou a imagem aparecer no Instagram da profissional para que “a internet” logo notasse a semelhança com o presidente americano Donald Trump.

O meme chegou no Brasil com a versão “Mãe do Trump”. Já o pessoal da Espanha pegou mais leve e cunhou o apelido “Irmã espanhola de Trump”.

Dona Dolores não tem celular e muito menos interesse em política internacional. Tem 40 anos de casada e, no momento, lida com o plantio de batatas.


13 de fevereiro de 2018

Trump quer trocar vales por caixas com alimentos no “Bolsa Família” americano


Trump

A ideia de Trump é economizar bilhões de dólares nos próximos anos e garantir uma melhor alimentação para a população carente.

 

Um dos programas assistenciais do governo americano chama-se SNAP(Supplemental Nutrition Assistance Program) e fornece cartões eletrônicos de débito para a compra de produtos alimentícios nas redes de supermercados e demais estabelecimentos conveniados.

O SNAP era conhecido como “Food Stamps” e é supervisionado diretamente pelo USDA, uma espécie de Ministério da Agricultura nos Estados Unidos. Os pagamentos por pessoa variam bastante entre os estados, mas ficam na faixa entre US$ 100,00 e US$ 125,00 em sua maioria (No Havaí, fica em US$ 225,00). Agora a administração Trump quer mudar as coisas: no lugar de cartões para compras em estabelecimentos, realizar o envio de caixas com alimentos com parte do valor do benefício diretamente para as residências dos cadastrados, proporcionando a redução de fraudes, economia na compra dos produtos e a oferta de alimentação com maior qualidade.

As caixas deverão conter apenas alimentos não-perecíveis e os itens como carne e hortifruti ainda seriam comprados através dos cartões.

A alteração do SNAP está dentro da nova proposta de orçamento do governo Trump e deverá enfrentar dois grandes inimigos: os democratas e as redes de supermercados que possuem grande parcela do faturamento oriunda destas compras. Já a indústria americana de alimentos e os produtores rurais serão beneficiários diretos desta nova forma de assistência.


22 de dezembro de 2017

Trump e a neutralidade da galinha orgânica


Trump e a neutralidade

O governo do presidente americano Donald Trump acabou com uma regulamentação da avicultura orgânica, causando a fúria dos progressistas

Uma regulamentação criada em 2016 pelo NOP (National Organic Program), uma divisão dentro do USDA responsável pelos orgânicos, exigia uma infinidade de práticas para que produtos da avicultura fossem considerados “orgânicos”. Entre elas, dimensões mínimas para os animais se locomoverem sem tocar outro animal ou as paredes das gaiolas e acesso ao mundo externo, o ano inteiro, em piquetes para o contato com solo e plantas.

Um comunicado oficial do USDA colocou um ponto final na regulamentação, que quase entrou em vigor em março de 2017 e levou sucessivas “canetadas” que retardaram a sua ativação para março de 2018. O documento afirma que estas regulamentações ultrapassam a autoridade do órgão, sobrecarregando suas funções.

Uma produção orgânica, por definição, seria a criação de animais e seus produtos livres de uma série de agroquímicos e medicamentos em várias etapas da cadeia produtiva. Um frango orgânico alimenta-se de ração feita com produtos orgânicos, e por aí vai. As novas regulamentações colocariam sérias barreiras de entrada para produtores, inviabilizando o negócio e a produção em escala. De uma hora para outra, demandaria instalações bem maiores e muito mais pessoal para uma produção ainda menor. Seria o governo deixando o alimento mais caro, via burocracia.

Quem quiser criar frango em vastas áreas e vender ovo por US$ 100,00 a unidade, continua livre para empreender. Já os produtores que resolveram atuar com orgânicos, poderão continuar produzindo, dentro do livre mercado e etiquetado como tal.

 

Nas discussões da internet, os duelos entre quem produz e quem acha que o ovo vem da prateleira do supermercado já começaram. Vale lembrar que já existe um nome para esta produção que a regra tentou impor: a criação free-range (que vai bem, obrigado). Grandes redes de fast food já compram frangos e ovos deste tipo de produção, em acordos totalmente (e igualmente) livres.

Assim como no debate acalorado da “Neutralidade da Rede”, a questão dos ovos enfurece progressistas e setores da indústria já estabelecidos e preparados para produzir nas regras da era Obama. É claro que, para estes empresários, a entrada de outros players no mercado não é bem vinda.

Trump emplacou mais uma. Acabou com a neutralidade da galinha orgânica.



Publicidade