Tag: Peixes

13 de julho de 2022

Peixe-remo é pescado na costa do Chile e traz más notícias


peixe-remo

Diz uma lenda japonesa que o aparecimento do peixe-remo é sinal de terremotos, tsunamis ou ciclones. Um deles acabou acontecendo.

peixe-remo no chile

Um peixe-remo de 5 metros de comprimento e 80 centímetros de largura foi fisgado por pescadores artesanais na cidade de Arica, costa do Chile na última segunda, 11 de julho. O peixe costuma permanecer em águas profundas (abaixo de 1000 metros no oceano) e a pesca incomum assutou os moradores não só pelo tamanho mas também pela lenda que o Regalecus glesne – nome científico do peixe-remo carrega: seu aparecimento é presságio para o acontecimento de tsunamis, terremotos e ciclones.

E a lenda não é tão fantasiosa assim, já que as fortes correntes marítimas nestes eventos acabam carregando os peixes para a proximidade da costa. Em alguns terremotos do passado a lenda acabou se confirmando e dessa vez parece que o presságio se repetiu. Segundo o site argentino La Voz, houve um terremoto no sul do Chile, 24 horas depois da pesca.

Fotos do peixe-remo chileno

A foto de capa deste artigo é apenas ilustrativa, mas as imagens abaixo são do peixe capturado no Chile, viralizadas na internet através do Twitter:

peixe-remo

 

peixe-remo

Acima: o peixe com mais de 5 metros de comprimento ficou pendurado em um guincho logo após a chegada ao porto. 

 

O peixe-remo é o maior peixe ósseo do mundo e ganhou fama nos séculos passados como “monstro do mar”. Este que apareceu no Chile até pode ser considerado pequeno para a espécie, já que eles podem chegar a medir 12 metros.

 

Acima, o peixe-remo em vídeo.

Saiba mais

Peixe-remo (Regaleco) na Wikipedia.

 

Via Farmfor


14 de fevereiro de 2018

Curativos com pele de tilápia estão salvando ursos na Califórnia


A inspiração para o tratamento com curativos de pele de tilápia veio do Brasil.

No ano passado, o estado da Califórnia foi atingido por diversos incêndios florestais. Em um destes eventos, dois ursos tiveram queimaduras de segundo e terceiro grau nas patas, causando a perda total da pele. Pela característica do animal, tratamentos convencionais com curativos demandariam repetidas “caçadas” no ambiente natural dos ursos, com altas doses de tranquilizantes e imobilização. Então os veterinários do parque lembraram de uma prática brasileira inovadora: o uso da pele de tilápia (em humanos) para o tratamento de queimaduras.

 

Com dois ursos na maca e uma ideia na cabeça, os veterinários estudaram as possibilidades e foram literalmente ao mercado público da região para comprar tilápias. Criaram um protocolo para esterilizar a pele do peixe e começaram o tratamento.

O tratamento com pele de tilápia deu certo, os ursos aceitaram as bandagens (que tiveram o cheiro de peixe devidamente removido durante o processo de esterilização) e já foram devolvidos ou seu habitat natural.

A partir de agora, você olhará para o açude com outros olhos.

Saiba mais no site da UCDavis (em inglês).



Publicidade