Tag: Aeronáutica

6 de fevereiro de 2021

BQM-1BR, o drone fabricado pela Companhia Brasileira de Tratores – CBT


BQM-1BR




BQM-1BR

BQM-1BR, o Drone brasileiro.

Por incrível que pareça, a Companhia Brasileira de Tratores (CBT) fabricou um drone no início dos anos 80. O BQM-1BR era um protótipo de VANT (Veículo Aéreo não Tripulado) totalmente financiado pela empresa em parceria com o Centro Tecnológico da Aeronáutica.

A turbina que equipava o drone era igualmente brasileira e foi batizada de Tietê JT-2, funcionando com querosene aeronáutico, álcool ou gás natural.

O BQM-1BR no museu. Foto: Roberto Portella Bertazzo / MUSEU ASAS DE UM SONHO TAM UMA REALIDADE.

 

A ficha técnica que acompanha o modelo no museu. Foto: Diário de um Astrônomo.

O VANT pioneiro do Brasil tinha 3,89 m de comprimento e uma envergadura de 3,38 m. Sem câmera e de altíssima velocidade e altitude, o nosso drone só tinha uma fatal utilidade: servir de alvo para treinamentos militares.

Até hoje, um modelo sobrevivente do BQM-1BR está no acervo do Museu da TAM.

O “avião a controle remoto” da CBT

Há pouca informação sobre o drone da CBT disponível na internet. Com muita pesquisa, encontramos no acervo do Jornal Estado de São Paulo uma notícia do dia 27 de agosto de 1983. Na época, o destaque era a capacidade do Brasil em produzir uma turbina 100% nacional:

Em teste a primeira turbina a jato nacional

Da sucursal de Campinas

A primeira turbina aeronáutica a jato inteiramente nacional já foi desenvolvida e está em fase de testes no Centro Técnico Aeroespacial , de São José dos Campos. A revelação foi feita ontem, em São Carlos, pela CBT – Companhia Brasileira de Tratores – , empresa que construiu um avião a controle remoto para missões de reconhecimento, que está servindo de base para outros projetos de aeronaves maiores. O CTA construiu a turbina e a CBT, grupo industrial que assim entra também na área de produção industrial de material bélico, desenhou e construiu o avião.

Apresentado como alvo aéreo, o avião tem 3m91 de comprimento e envergadura de 3m48. Pode voar até a 700 quilômetros por hora a uma altitude de 6000 metros, e com uma autonomia de voo de 45 minutos. Leva consigo uma carga útil de no máximo 30 quilos, que pode ser empregada tanto em missões de reconhecimento aéreo, feito por equipamento de televisão, como até servir de míssil, se tiver uma carga detonante.

De acordo com o gerente de projetos especiais da CBT, Ove Schrim, o aparelho poderá ser usado ainda para interferir radares inimigos, com a acoplação de equipamento eletrônico específico no espaço da carga útil. Outra aplicação aventada por Schrim, que criou a aeronave, é detectar navios de superfície dentro da zona de soberania do país. Por fim, poderá ser usado também com fins científicos, como na pesquisa atmosférica. No treinamento aéreo, serve de alvo para canhões e foguetes antiaéreos.

Dois protótipos já foram construídos e serão experimentados até o final do ano. O projeto, que une o CTA com a CBT prevê a fabricação de 20 unidades a partir de 1984, numa escala piloto, e depois mais cem, para fornecimento tanto às Forças Armadas brasileiras como para exportação.

A CBT e o CTA vêm desenvolvendo o aparelho há três anos, inicialmente guardando em sigilo. Ontem, durante o lançamento da nova linha de tratores, o desenho do protótipo se encontrava disfarçadamente montado na fábrica. Procurado por O Estado e JT, o diretor Alberto Labsdessa acabou confirmando as informações. Com relação à sua parte, a CBT fez o investimento total com recursos próprios. 

Ficha Técnica: alvo aéreo. Velocidade mach .6 (720 km/h). Comando: controle remoto VHF. Peso: 90 kg. Motor: turbo-jato. Empuxo: 300n. Emprego: treinamento de defesa aérea.

O sonho do drone brasileiro em plena década de 80 passou pelas mãos da CBT, em parceria com o governo federal. Algum tempo depois, por diversos fatores políticos ou econômicos, A CBT acabou, deixando apenas a memória saudosista sem freio de seus tratores e esta peculiaridade, pouco conhecida dos brasileiros, dentro e fora da agricultura.

Faça parta das nossas redes sociais curtindo a página do Farmfor no Facebook e participando do nosso canal do Telegram.



Publicidade