Tag: Solos

24 de março de 2022

Entidade britânica recomenda: análise de solo enterrando a calcinha


enterrando a calcinha

Experimento da LEAF mostra a ligação entre calcinhas de algodão e a saúde do solo e não é nada do que você está pensando

enterrando a calcinhaPare de pensar bobagem. Apesar do título chamativo, o experimento é sério.

A ONG britânica LEAF (Linking Environment And Farming) preparou uma campanha incentivando agricultores a enterrar uma calcinha no solo de suas propriedades. A experiência visa revelar a qualidade do solo do local e os resultados encontrados pelos participantes serão exibidos em um evento nacional em junho, o LEAF Open Farm Sunday. Nesta ocasião, várias propriedades participantes recebem a visita do público.

 

A campanha tem até uma hashtag nas redes sociais – #LOFS22 – e os agricultores são convidados a escrever na calcinha e postar fotos no Instagram e Twitter. Deve ser ainda cedo, já que não encontramos uma única postagem.

Os participantes deverão enterrar uma calcinha feita 100% de algodão na profundidade de 20 cm e deixar a peça íntima assim por pelo menos 60 dias. As formas de vida presentes no solo deverão comer o açúcar da celulose, decompondo o material. Ao final do teste, se a calcinha estiver intacta, má notícia! O solo está pobre em biota. A atividade educacional não é nova e outros países já adotaram a iniciativa, mas não deixa de ser interessante.

Leia também

Veja como é feita a coleta de leite em uma propriedade da Inglaterra

 


14 de junho de 2018

Empresa da Noruega lança produto que recupera solos desertificados em horas


Empresa da noruega

O Liquid Nanoclay não usa produtos químicos e deixa o solo pronto para o uso em 7 horas.

 

A empresa norueguesa Desert Control desenvolve, desde 2008, um produto revolucionário capaz de recuperar áreas tradicionalmente desertas ou que sofreram com o fenômeno da desertificação.

 

O milagre é executado com o uso do Liquid NanoClay, uma mistura de água e argila que é pulverizada ou introduzida no solo em profundidade, criando uma “capa” de argila nos grãos de areia. O procedimento torna o solo uma esponja, capaz de reter água e nutrientes. A empresa promete recuperar as áreas degradadas em apenas 7 horas.

 

 

Várias áreas estão em testes pelo mundo, inclusive em Dubai, com ótimos resultados. Mas o “milagre” não é barato: a aplicação custa entre 1800 e 9500 dólares por hectare, dependendo do tamanho da área.

Acesse o site da empresa, aqui.

 

 

 



Publicidade