Categoria: Marketing

2 de janeiro de 2021

Os whiskies de Cobra Kai – Terceira Temporada


cobra kai

A série Cobra Kai chegou em sua terceira temporada na Netflix, fazendo sucesso especialmente entre os fãs do filme Karatê Kid. Os personagens principais – Daniel Larusso e Johnny Lawrence – costumam dar alguns goles entre uma briga e outra, mas desta vez algumas marcas investiram pesado no Product Placement , quando itens são inseridos de forma estratégica, fazendo parte das cenas. Sabe aquele pote de requeijão que aparece na mesa do café da manhã na novela, com o rótulo virado para a câmera? É por aí.

Mas o assunto aqui não tem relação com laticínios e sim outra área do agro: a produção de cevada. Pra ser mais exato, a produção de Whisky. Duas marcas colocaram suas garrafas em episódios da terceira temporada de Cobra Kai. Não vamos dizer quais nem o contexto exato da cena para não gerar spoiler.

 Macallan 18 anos

whisky macallan 18 anos cobra kai

O Macallan 18 anos é bebido por Daniel Larusso, sua esposa e um funcionário da revenda de veículos, em tom de comemoração. E o momento tem que ser especial: uma garrafa deste whisky no Brasil fica em torno de R$ 4500,00. Segundo o fabricante, O Macallan Triple Cask Matured 18 anos faz parte de nossa linha Triple Cask Matured; uma série de uísques de single malte elaborados em uma combinação tripla de barris de carvalho temperado com xerez europeu e americano e barris de carvalho americano ex-bourbon. Requintada e habilmente casada, essa trindade de destilados produz um single malte exótico com sabores de laranja, cacau aveludado e especiarias de madeira.

Suntory Whisky Toki

suntory whisky cobra kai

O Suntory Whiski Toki aparece com sua garrafa em um bar de hotel no Japão, quando o personagem Daniel Larusso (de novo) recebe algumas doses da bebida de fabricação japonesa. No site da Suntory, o Whisky é definido como um conceito rico em significado em todo o mundo, mas especialmente no Japão, onde o respeito pela tradição e reinvenção desperta uma poderosa energia criativa. Inspirado por essa interação, Suntory Whiskey Toki ™ reúne o antigo e o novo – a orgulhosa herança da House of Suntory e seu espírito inovador – para criar um whisky japonês que é inovador e atemporal.

O Suntory Toki é vendido no Brasil com preços variando entre R$400,00 e R$ 900,00.

Curiosidade

A fabricação de whisky no Japão iniciou pelo trabalho de Masataka Taketsuru, estudante de química japonês que foi estudar na Escócia e se apaixonou pela bebida, fundando as destilarias Yamazaki e Yoichi. Hoje em dia, o país ainda importa matéria prima da Escócia, mas produz whiskies de qualidade reconhecida mundialmente.


1 de outubro de 2020

John Deere ultrapassa Massey Ferguson no Top of Mind 2020


top of mind

O Top of Mind é uma pesquisa de lembrança de marcas realizada pelo Grupo Amanhã, do Rio Grande do Sul

Todo ano, a Revista Amanhã realiza o Top of Mind, uma pesquisa que mede a situação das marcas no Rio Grande do Sul, em diversos setores. Vai de canais de televisão até máquinas e equipamentos.

Na categoria “Máquina Agrícola”, a John Deere é a nova líder, com 21,1% das menções, seguida por Massey Ferguson com 19,7% e AGCO com 8,6%. Foram 1200 entrevistas realizadas entre 10 de abril e 25 de maio pela internet, com um grau de confiança de 95% e margem de erro de 4 pontos.

Em “Caminhão”, a Mercedes-benz ficou em primeiro com 69,5%, Volvo em segundo com 8,6% e Scania 6,7%.

Na categoria “Startup de Sucesso do RS” apareceu a empresa Aegro em terceiro lugar com 8%, antes da Triider com 12% e a Warren com 16%.

Veja também

Top Of Mind RS 2020 divulga as marcas mais lembradas em coletiva de imprensa


24 de outubro de 2019

O novo lançamento da Stara é um… perfume


Stara

Empresa de máquinas agrícolas lançou uma linha de essências aromáticas personalizadas, para estar perto do seu público

Não é primeiro de abril: a Stara, tradicional fabricante de máquinas e implementos agrícolas de Não-me-toque, no Rio Grande do Sul, lançou uma linha de “essências aromáticas” personalizadas. São aqueles produtos que deixam ambientes perfumados com uma fragância exclusiva.

Diz a empresa no site:

A Stara é uma marca querida por seus clientes e que faz questão de estar sempre próxima do produtor rural.

Esta proximidade vai além das máquinas e equipamentos produzidos para oferecer as melhores soluções para o campo.

Esse vínculo está em outros aspectos do dia a dia, como os acessórios da Stara que você usa ou o relacionamento que mantém conosco através das redes sociais, por exemplo.

Mas, agora, esta proximidade entre cliente e marca ganha um novo capítulo. A empresa está lançando a sua essência aromática através da Linha de Essências Stara, mais uma forma de estar sempre perto do seu público.

As Essências Stara podem ser adquiridas através das concessionárias e revendas Stara e também na loja Stara Mania, localizada na matriz da empresa, em Não-Me-Toque/RS, ou pelo site da loja.

A Linha de Essências Stara foi registrada como mais um produto da marca e desenvolvida respeitando as exigências da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Adquira a sua Essência Stara e conheça mais estava novidade exclusiva da marca!

Os sachês perfumados, sabonetes, essência pura e difusor custam entre R$ 26,00 e R$ 152,00. Disponíveis pela compra online ou nas revendas. É a sua chance para deixar a casa com o cheirinho da Stara.


5 de setembro de 2019

O dia em que uma colheitadeira voou na Alemanha


colheitadeira voou

Helicóptero da Royal Air Force levou uma colheitadeira Claas para um encontro de revendedores, em grande estilo

Um colheitadeira Claas de 10 toneladas voou na Alemanha no dia 6 de setembro de 1989. Não com méritos próprios, mas içada por um helicóptero da Royal Air Force, a Força Aérea do Reino Unido.

https://www.instagram.com/p/B2CNpHLFQ-K/
O vídeo, publicado no Instagram oficial da Claas.

O modelo Dominator 108 SL Maxi foi levado por um CH-47 Chinook até um evento para revendedores da Claas, o World CLAAS Dealer Day, ocorrido naquele ano e com um belo golpe de marketing que elevou a marca nas alturas, literalmente.

O helicóptero britânico era da base do país dentro da Alemanha. A RAF Gütersloh ficou ativa entre 1945 e 1993.

Colheitadeira de mesmo ano e modelo da que voou içada por um helicóptero. As 10 toneladas da Claas foram transportadas com folga pelo Chinook, capaz de levantar 15.

Poucas informações estão disponíveis na internet sobre o evento. Para a época, algo fora do comum.

Veja também: A história dos tratores Massey Ferguson que foram para a Antártida.


25 de julho de 2019

AGCO vai dar uma moto Harley Davidson para o melhor operador de pulverizador


agco

Competição nos EUA vai dar prêmios para os melhores operadores, nomeados por agricultores. É o “Operator of the Year”.

A AGCO americana vai dar prêmios para o melhor operador de pulverizador do país (e partes do Canadá). Os concorrentes são indicados por produtores rurais (o período de indicações já está aberto) e serão avaliados por uma comissão julgadora entre 12 e 20 de outubro.

Os 4 finalistas do Operator of the Year vão receber como prêmio uma viagem para duas pessoas com tudo pago até Nova Orleans no dia 3 de dezembro, para participar da Agricultural Retailers Association Conference & Expo (ARA Conference 2019).

Durante a feira, serão julgados os 4 finalistas baseados em entrevistas (não, não vai rolar competição de campo no Rogator) onse serão avaliados qualidade do serviço através do tempo, impacto nos clientes onde o operador trabalha, capacidade de trabalho em grupo, liderança e até mesmo serviços para a comunidade local.

Jerry Born, vencedor da edição 2018 do prêmio Operator of the Year. Bem faceiro.

O grande vencedor levará pra casa uma moto Harley Davidson no valor de US$ 27.000,00, ou o mesmo valor em um cheque, se não quiser o veículo.

Bela ideia para as empresas que atuam no Brasil, não é mesmo?


28 de junho de 2019

Você sabia? Existe um Fiat Toro modelo New Holland


Fiat Toro

Versão da camionete é fabricada no Brasil e vendida na Argentina, já na segunda edição

A New Holland faz parte da CNH Global que, por sua vez, pertence ao Grupo Fiat. A família resolveu brincar um pouco com esta combinação através de uma camionete Fiat Toro, “edição” New Holland, que já está na segunda edição, a Fiat Toro New Holland II.

A camionete é vendida na Argentina, importada do Brasil e fabricada à partir da versão Toro Freedom 2.0 AT9 4×4. De New Holland, adesivos na lataria e descontos na compra conjunta da Toro com modelos de colheitadeiras da New Holland.

O modelo tem motor 2.0 turbodiesel de 170 cv, câmbio automático de 9 velocidades e tração nas 4 rodas. Será vendida por 1.129.000 de pesos, cerca de R$ 102 mil no câmbio de hoje.

Modelo similar , no Brasil, sai por R$ 140 mil.

Veja mais: Lanziamento: Fiat Toro New Holland II.


11 de janeiro de 2019

Batata vira samba no Carnaval do Rio 2019


Carnaval do Rio 2019

Tubérculo é tema de enredo da escola Unidos de Bangu e, de certa forma, leva o agro para a avenida

Em 2017, uma escola desfilou com um tema que difamava o agronegócio brasileiro. O desfile tinha até mesmo uma ala cheia de fantasias com o título “Fazendeiros e seus agrotóxicos”, tudo explicado aqui no blog no texto “CARNAVAL 2017 – ESCOLA DE SAMBA DO RIO TERÁ ALA CONTRA “AGRICULTORES E SEUS VENENOS”“.

Desta vez, os carnavalescos cariocas decidiram homenagear a batata. A escola de samba Unidos de Bangu conta um pouco da história da batata, com uma curiosidade: só mencionam a palavra “batata” na última frase do samba. Acompanhem o texto do que será cantado na avenida:

Abrem-se os caminhos para a mais antiga da Zona Oeste,
nos quais, passo ante passo, a comunidade enaltece,
com a força, o suor e o sangue vermelho do Pavilhão,
as histórias de vitórias e devoção!

E nesse caminhar engajado e emocionado,
grita, Bangu, bem alto!
Ferve a Sapucaí hoje e sempre!
Entra forte na avenida com os Deuses à frente,
pois grandes raízes têm as mais fortes sementes!
O tapete da vitória, assim, se estende, e
com lágrimas de alegria,
louros e glória a toda tua gente!

Tapete estendido para a estória então,
Vêm os deuses coroar dando, à grande raiz, a criação!
Inti, o Deus Sol que tudo abrange, a ela concedeu energia!
Pacha Mama, com as mãos dedicadas à semeação,
ofereceu, à raiz, a força da vida:
nutriu-lhe de nutrição,
predestinou-a à satisfação.

Do alto da Cordilheira ao sul do mundo,
a qual tocava os céus,
desciam as raízes que, incessantes, alimentariam nobres reis e o povaréu!
Era a predestinação:
matar a fome nos quatro cantos de forma simples,
sem coroação,
mas carregado, o tubérculo, de força, sublime realização.

Sorrindo-lhe a bem-aventurança divina,
atravessou o mar com espanhóis para aportar na Europa.
Esparramou-se nos solos da terra de lá,
ofertando-se a raiz dos Incas ao antigo continente,
requinte de bondade andina com os esfomeados, coitados!
Boa fartura no lugar das revezes,
e a beleza das flores do tubérculo na lapela dos reis que a olhavam de soslaio.

Pois, sem lugar na Bíblia, primeiro causou dúvida e espanto;
o medo, a fome, contudo, suplantando!
Na dor das barrigas vazias, venceu, o tubérculo, o cansaço:
reis ordenaram sua plantação,
papas comiam-no, pela saúde, em oração,
e, enfim, a aceitação:
eis a raiz de um Novo em um Velho Mundo,
os pilares de toda refeição,
a base alimentar!
O mundo sonhando sem a dor da fome!
A raiz, potente, fazendo seu nome.

Sem interromper as teias do destino,
surgiram novos caminhos!
À época da vinda da Família Real,
aportou, a raiz, nesta terra indígena postulada por Cabral.
E, aqui, os deuses do alto da Cordilheira reviram seus irmãos da Floresta:
Sumé, sábio, recebeu a raiz parecida com a já conhecida por matar a fome dos seus,
Jetica, mais doce do que a nova trazida,
e a fartura das duas raízes, comungadas:
roças firmes para ambas em juntas moradas.

Velho e Novo mundos (re)unidos em plantação!
Pelas bandas de cá, as raízes estiveram e chegaram com a imigração.
O nobre feito de matar fome de um mundo inteiro dada
às mãos do trabalhador brasileiro,
aos seus pés rachados na terra dura sem esmero,
às enxadas firmes para manter a vida da raiz, para nós e por ela!
A força que vem do tubérculo usado para plantar ele próprio,
batendo forte, pelo sustento, o rijo ferro na mãe-terra!
Comam, pois, mundo inteiro!
Brasil, vocação para celeiro!

Finaliza, portanto, Bangu, teu canto
nesta festa animada,
saudando aquilo que, quando nasce, comem todos, e, dela, não sobra nada;
confraternizando com aquilo que, quando nasce, espalha rama pelo chão!
Eis, aqui hoje, querido pavilhão, a raiz que, convenhamos, precisa ser nomeada?
Pelo sim, pelo não,
está aí a homenagem:
um grande salve
à guerreira batata.

Carnaval do Rio 2019 – Análise do Samba da Unidos de Bangu

O samba foi recebido com críticas pelos especialistas da área. Resta saber o tratamento que os heróicos plantadores de batata do Brasil irão receber no Carnaval do Rio 2019.


25 de maio de 2018

Este comercial da S10 2018 é corajoso e defende o agronegócio


A defesa do agro na TV aberta é digna de nota.

Antes de mais nada, um disclaimer: não recebemos nada da GM para a nota escrita neste post.

A campanha de marketing para a S10 2018 já é antiga; o comercial de TV em questão foi lançado no Youtube em maio de 2017 e está no ar novamente (pelo menos na Rede Globo) por estes dias. O texto chama a atenção para a defesa do agronegócio, dizendo “Algumas pessoas vão sempre apontar o dedo para a gente que vive do campo. Mas nós vamos levantar ainda mais cedo para cuidar do rebanho, do futuro da fazenda e até do futuro de quem aponta do dedo”.

 

 

A peça ainda termina com “se pararmos, este Brasil pára / é hora de valorizar quem carrega o país nas costas”.

É claro que a S10 mira no público agrícola e a GM quer vender camionetes para produtores rurais. Mas diante do estado das coisas e do ativismo presente em quase toda a publicidade brasileira, este comercial, o discurso escolhido e a defesa veemente do agro perante a crítica sobre desmatamento, é digna de nota. Estão de parabéns.


19 de março de 2018

Empresa testa etiqueta que “incha” quando alimento perde a validade


A tecnologia quer diminuir o desperdício de alimentos.

 

A empresa de laticínios Arla desenvolveu uma parceria com a startup Mimica para o desenvolvimento de uma etiqueta que indica o prazo de validade dos produtos. O sistema não usa apenas uma data específica para o final de vida do lote, mas uma gelatina especial que reage conforme as mudanças de temperatura ao longo do tempo de prateleira.

Quando o dano ambiental atinge um determinado ponto, este composto incha e pequenas bolinhas ficam visíveis ou em relevo na etiqueta. Basta tocar e perceber que o produto já perdeu o prazo de validade. O sistema foi batizado de Mimica Touch.


10 de julho de 2017

Okja: a marca John Deere em um filme contra a suinocultura


Com mensagem vegana, filme mostra o sofrimento de um animal especial desenvolvido para abate na indústria.

 

No cinema americano, as marcas aparecem em destaque e nem sempre com a permissão dos proprietários. São parte da cultura, da história do país e complementam a narrativa, o cenário ou viram até mesmo personagens da obra.

 

Okja

 

Okja é um filme sul-coreano que está em destaque na Netflix. Sem risco de spoiler, podemos dizer que a história mostra as desventuras de uma menina que cria um animal desenvolvido por engenharia genética, uma espécie de “chester suíno”. Da sua bucólica casinha no topo de uma montanha coreana, a ação se transfere para Nova York.

 

Em uma das cenas nos Estados Unidos, uma parada organizada pelos vilões do filme exibe dois veículos Gator XUV 690i. Os dois carrinhos estão lá, com destaque para a marca e o tradicional e patenteado verde John Deere.

 

Claro que a empresa não é culpada de qualquer coisa, mas a presença da marca em um filme que demoniza a indústria e agricultores através da narrativa dos defensores dos animais mais extremistas, gera questões. Será que o uso foi permitido, existem questões legais o o caso entrou como fair use? Foi um recado calculado pelos produtores? É curioso.

Para os agricultores e envolvidos na indústria com acesso ao Netflix, recomendamos o filme. Com um estilo que envolve humor negro e uma extrema atenção aos detalhes (um dos motivos para a existência deste post aqui no Farmfor), todos os elementos da guerra entre ativistas dos animais e indústria da carne estão presentes, de forma caricata, ou não.

 


3 de julho de 2017

Dez coisas com a marca John Deere que você nem imaginava existir


Coisas com a marca John Deere

Autorizados ou não, objetos do dia a dia (ou nem tanto) são fabricados com a marca em diversas partes do mundo.

 

A marca John Deere é amada em diversas partes do mundo, com especial adoração nos Estados Unidos. Por lá, ítens são fabricados de forma autorizada pela empresa, através do licenciamento da marca. Mas existe uma grande indústria no mercado “paralelo” ou de forma artesanal e ingênua, fornecendo todo o tipo de coisa com o nome e cores da marca de equipamentos agrícolas.

Bicicletas

Bicicleta John Deere

Modelos para crianças e adultos são vendidas até mesmo na Amazon.

 

Motos

 

Motos customizadas são bem comuns, algumas modificadas pelos proprietários ao longo dos anos.

Caixão

 

Descanse em paz embalado pela marca que sempre lhe acompanhou pela vida inteira.

 

Calcinhas

São várias opções em desenhos, das mais discretas até as do tipo fio-dental. E vendem pela internet, como neste exemplo.

Quarto infantil

 

Na parte de móveis, você pode encontrar vários exemplos, da sala até a cozinha, passando pelos quartos. Os infantis sempre com muitas opções.

Luminária

 

Abajur com um pequeno trator na base. Outras versões com a marca apenas na luminária são comuns.

 

Uma MOAB – A Mãe de Todas as Bombas

 

Não exatamente um item fabricado com a marca, mas uma unidade da MOAB (Mãe de Todas as Bombas) foi pintada em “verde John Deere” e provocou alvoroço nos EUA. Conta a lenda que era a única tinta disponível na cidade, quando uma unidade precisou ser entregue às pressas para a força aérea.

 

Avião

 

 

Claro, pintar seu próprio avião com as cores e a marca da John Deere. Boa pedida.

 

Ônibus Escolar

 

Exija um ônibus escolar temático para todas as suas aulas de mecanização agrícola.

 

Trem de brinquedo

Existem milhares de brinquedos e miniaturas, até mesmo vendidos nas feiras agrícolas pela própria John Deere. Mas este trem aqui é novidade:

 

Perdemos alguma coisa? Avisem nos comentários do post.

 

 

 


9 de abril de 2017

O uso de cartão de crédito na venda de produtos agrícolas


cartão de crédito

Pequenos produtores podem aproveitar os benefícios do uso de cartão de crédito como forma de recebimento nas vendas. Saiba como

 

Oferecer mais uma opção para os clientes na feira, vendas de estrada, mercado público e outros locais pode ser vantajoso para o produtor rural. Vamos aqui dar o exemplo da “Moderninha”, um sistema do UOL que combina recebimento de valores de várias bandeiras de cartões de crédito e a emissão de um cartão pré-pago para o usuário gastar o que recebe, se quiser, também via cartão.

Se você já conhece como funciona a dinâmica do uso de cartões, pode acessar o sistema do UOL por este link.

Básico do uso de cartões

Muitas pessoas possuem cartões de crédito como opção de pagamento com prazo nas compras do dia a dia, pra dispensar o dinheiro por segurança ou até mesmo como “mesada” para os filhos. Se você oferece a possibilidade de pagar com o cartão, abre o leque de pessoas atendidas (aquelas que já estão sem dinheiro na feira, mas só possuem o cartão) e tem mais chance de fazer venda por impulso. Bandeiras são as “marcas” de diversos cartões, como Visa, Mastercard, Banricompras e muitos outros. Quanto mais bandeiras o seu sistema aceitar, mais chance de vendas.

Pagamento para o agricultor

Como qualquer comerciante, quem oferece cartão, recebe o valor da venda em alguns dias (para cartões de débito), em 30 dias para vendas simples ou em prazos determinados para financiamentos rápidos. Esta última opção é mais rara em venda de alimentos, mas nunca se sabe quanto alguém vai pedir para comprar algo maior em sua propriedade. Este valor poderá ser financiado e você receberá em parcelas ou um valor integral, descontado o juro. O comprador vai pagar parcelado para a administradora de cartão, você, receberá em uma única parcela.

Atenção nas taxas: se você vender R$100,00 em produtos, receberá, por exemplo, R$95,00. Cada operadora trabalha com uma taxa diferente.

A máquina

Para receber por cartão, você precisa de uma máquina que lê o cartão, autoriza e processa o pedido. No local da venda, é preciso ter internet por wi-fi do local, acessível para você, ou cobertura celular 3G. A própria máquina já vem com chip de uma operadora de celular, escolhido no ato da compra.

 

 

Venda por cartão, receba no seu próprio cartão

Com o serviço do UOL/PagSeguro, existe a possibilidade da emissão de um cartão pré-pago em nome do assinante do serviço. As vendas que você faz na feira, os valores recebidos, poderão ir para o saldo deste cartão. Assim você recebe sem precisar conta em banco. Você, agricultor, pode usar este cartão para as compras do dia a dia, abastecer no posto e etc.

Saiba mais sobre o sistema, acessando o site do UOL/Pagseguro.



Publicidade