21 de abril de 2021

Três bezerros dentro de um Celta em Santa Catarina


três bezerros

Polícia Militar Rodoviária flagrou três bezerros em um Celta na região de Lages. Vídeo da ocorrência foi postado no Instagram

 

A Polícia Rodoviária catarinense pegou um Celta na BR carregando três bezerros. Um no banco de trás, outro nos pés do passageiro do banco da frente e um terceiro no porta-malas.

Diz o vídeo postado no Instagram nesta terça:

“A guarnição Policial Militar Rodoviária, no km 223, município de Lages, abordou um veículo GM Celta, onde foi constatado durante a revista veicular que encontravam-se três bezerros, de aproximadamente 80 dias de vida, sendo um no porta-malas e dois bezerros no interior do veículo. Um na parte de trás, atrás do banco do motorista, e o outro bezerro estava sendo conduzido nos pés do passageiro. Sendo dois masculinos e um menor de idade. Foi entrado em contato com o comandante do posto, passada a situação o qual o mesmo acionou a equipe da CIDASC para comparecer no local. Guarnição verificando os fatos, realizando os procedimentos cabíveis, acionou também o conselho tutelar devido a ter um menor de dez anos no local e após finalizado todas as consultas e verificações necessárias, serão conduzidos à delegacia de polícia”

Ao que parece, o Celta branco está pintado com motivos “bovinos”, sendo a ocorrência ainda mais pitoresca: três bezerros dentro de um Celta fantasiado de vaquinha.


16 de abril de 2021

Trator TET-1000, o soviético com rodas e esteiras ao mesmo tempo


Trator TET-1000

Trator TET-1000

O Trator TET-1000 era capaz de se transformar em um trator de esteira e levar suas rodas “penduradas” na estrutura. Único e bizarro para a sua época

Os soviéticos desenvolveram o trator TET-1000 nos anos 80 com a finalidade de proteger as estradas do interior e ao mesmo tempo ter o desempenho de uma máquina com esteiras para as terras soviéticas. A questão da largura das estradas também era um fator, estreitas demais para grandes tratores de esteira.

O trator – pra resumir – tinha uma aparência normal, com cabine, motor frontal e rodas. A grande diferença ficava na presença de esteiras na parte frontal e traseira, que eram erguidas pelo sistema hidráulico para que o trator fosse usado com as rodas, ou rebaixadas a ponto de erguer toda a máquina para o uso de esteiras. Neste caso, o trator passava a andar de lado.

Como não tinha cabine giratória, o operador era obrigado a lidar com dois volantes e só girar o assento. O modelo tinha 32 toneladas, motor de 700 hp e um sistema de transmissão elétrica. Os soviéticos planejavam construir unidades, mas apenas uma saiu do papel, fabricado no Instituto Soviético de Pesquisas com Tratores e testado nos campos do Cazaquistão.

 

Veja também

TET-1000 – um monstro quase esquecido (em russo)

Na antiga União Soviética, bebês eram batizados com nome de trator

 


16 de abril de 2021

Exportação de gado vivo na mira de ex-deputada gaúcha


Exportação de gado vivo

Exportação de gado vivo

Regina Becker, atual Secretária do Trabalho e Assistência Social do Estado do Rio Grande do Sul e conhecida ativista da causa animal quer o fim da exportação do boi vivo

Como o seu Facebook pessoal define, Regina Becker é  Secretária do Trabalho e Assistência Social, ex-deputada estadual no Rio Grande do Sul e ativista na causa animal. É daquelas pessoas que entram na política em defesa de uma classe ou setor e este é o caso de Regina, conhecida com ser “da causa”.

Becker não está mais na Assembleia Legislativa gaúcha, mas ocupa cargo no governo estadual como Secretária do Trabalho e Assistência Social. Seu novo alvo como ainda ativista dos animais pode tirar o trabalho de muita gente: ela quer acabar com a exportação de gado vivo. Ironicamente, o Rio Grande do Sul é destaque no país na pecuária e exportação de gado em pé, com enormes carregamentos saindo do Porto de Rio Grande, regularmente.

No dia 16 de abril, a ex-deputada fez a seguinte postagem no Facebook:

EXPLORAR ANIMAIS VIVOS É CRUELDADE E DESRESPEITO À VIDA!
A Nova Zelândia decidiu pela proibição da exportação de animais vivos para consumo humano! O anúncio será feito nos próximos dias e é resposta à luta de entidades e ativistas que, tanto em clamor quanto em protesto, alertam que não é possível admitir, em pleno século 21 , em nome do lucro, o inconteste e inadmissível massacre imposto aos animais embarcados.
No dia 6 de dezembro de 2017, na Assembleia Legislativa, recebi os ativistas da Animals International e do Fórum Nacional de Defesa e Proteção Animal e a veterinária australiana Lynn Simpson para o lançamento da Campanha Contra a Exportação de Gado Vivo.
Propiciei, também, em 9 de julho de 2018, o debate sobre o tema à sociedade gaúcha, por meio de audiência pública sobre transporte e exportação de animais.
Seguimos a luta no Brasil. A ciência já comprovou que os animais são seres sencientes. A continuidade desta prática nos rouba o respeito que é devido às civilizações.
A exportação de animais vivos é degradante, é aviltante, é desumana!

O Governo do RS celebra a exportação

embarque de gado

Segundo o site FazComex, as exportações no ano de 2019 chegaram a um valor FOB de US$ 457 milhões, uma queda de mais de 20% se for comparado ao ano de 2018 quando haviam sido exportados US$ 621 milhões. Em torno de 181 mil toneladas foram principalmente para países como Turquia e Iraque, que são os países que mais importam animais vivos do nosso país. O ano de 2020, até abril, já foram exportados US$ 92,1 milhões, tendo uma queda de 35% se for comparada ao mesmo período do ano 2018.

O patrão direto da secretária Regina já celebrou em seu site oficial o sucesso das exportações. Em 2019, no texto “Exportação de gado vivo avança e mira novos mercados“, a imprensa oficial do governo dizia “Novos mercados se abrem para a exportação de gado em pé. A modalidade já é consolidada no Rio Grande do Sul, que exporta para a Turquia e países árabes cerca de 120 mil animais por ano – média histórica de 1% do rebanho gaúcho de 12,7 milhões de cabeças, conforme dados da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), responsável pela fiscalização sanitária e bem-estar dos animais desde a propriedade, período de quarentena e embarque no Porto do Rio Grande.”.

A ativista secretária vai contra a atividade que é defendida pelo governo, sustento de milhares de famílias e grande geradora de impostos. Um embate entre liberdade de expressão e sincronismo de agenda. Está na hora do governador rever suas parceirias políticas e o que é melhor para o Estado, não é mesmo?

 


14 de abril de 2021

Governo de Cuba autoriza a venda de carne, leite e derivados


cuba carne

governo de cuba

Até então, os pecuaristas só poderiam abater ou vender carne com autorização do governo de Cuba e a pena para quem vendia o alimento era de três a oito anos de cadeia

O governo cubano liberou produtores para a venda direta de carne, leite e derivados. A medida foi anunciada no dia 14 de agril de 2021, dentro de um conjunto de regulamentações para a área agrícola com mais de 6o modificações.

Sobre a venda de carne, diz a nova regra: “A comercialização liberada do leite e seus derivados é autorizada com base no cumprimento dos indicadores estabelecidos pela pecuária, qualidade e segurança, e no plano de entrega contratado; e a comercialização de carne e gado mais baixa, após reunião da comissão estadual e desde que garanta que não haja diminuição no gado“. As informações são do site Cuba Debate.

Os proprietários individuais de gado em Cuba não podem abater ou vender carne sem autorização do Estado. De um passado com cerca de 4 milhões de cabeças em 1959, hoje os dados oficiais do governo indicam um rebanho com 4 milhões.

Yusnaby Pérez

Tweet do representante do Governo de Cuba sobre o assunto. Destaque do jornalista Yusnaby Pérez.

 

Segundo o site Directorio Cubano, Diaz Canel, presidente de Cuba, disse que as medidas fazem parte da estratégia do governo para fazer face ao “aumento do bloqueio económico, comercial e financeiro imposto pelo governo dos Estados Unidos e ao impacto da pandemia provocada no mundo pela COVID-19”.

“Não queremos impor ao produtor o que semear, garantiu, mas temos que ver, no que precisamos produzir como país, de que forma todos participamos”, disse o presidente.

Desde 1999, a pena para quem for pego vendendo carne sem autorização é de 3 a 8 anos. Para quem compra a carne de origem ilegal é de três meses a um ano. Sim, na ilha comunista você pode ir para a cadeia por tentar alimentar a família de forma ilegal aos olhos do regime.

Veja também

Fortschritt, a colheitadeira da Alemanha Oriental


13 de abril de 2021

Brasil tem o primeiro laboratório público de pesquisa acreditado para análise de inoculantes


embrapa soja

embrapa soja

Embrapa Soja é destaque

O Laboratório de Biotecnologia do Solo da Embrapa Soja (PR) recebeu, em março de 2021, a acreditação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) na norma ISO 17025:2017, tornando-se o primeiro laboratório de pesquisa público brasileiro apto a realizar análises de inoculantes e identificação de microrganismos. O reconhecimento do Inmetro impacta positivamente o mercado de insumos biológicos, em franco crescimento no País, com a comercialização de mais de 70 milhões de doses de inoculantes na última safra. Abre também portas para a exportação de bioinsumos pela indústria nacional.

Foram acreditados quatro ensaios biológicos, incluindo a avaliação da concentração e de pureza de inoculantes líquidos e turfosos, de recuperação de células inoculadas nas sementes e de identidade de microrganismos inoculantes. “Essa conquista é relevante porque os relatórios de ensaios referentes às análises de inoculantes emitidos por laboratório acreditado em ISO 17025:2017 são reconhecidos internacionalmente”, afirma o gestor de qualidade da Embrapa Soja, Moisés de Aquino.

Com esse reconhecimento, a Embrapa Soja passa a compor o seleto grupo de laboratórios internacionais com acreditação para garantir a produção de bioinsumos. “Estamos muito felizes com a acreditação, que dá ainda mais destaque à Embrapa como empresa que zela pela pesquisa e conservação de microrganismos, desenvolvimento e análise de bioinsumos e ainda mantém a agricultura brasileira em patamares elevados de produtividade e de sustentabilidade”, comemora Mariangela Hungria, pesquisadora da Embrapa Soja.

Do laboratório ao mercado

A Coleção de Culturas da Embrapa Soja começou em 1991, por iniciativa da pesquisadora Mariangela Hungria. Desde então, tem sido fonte de ativos biotecnológicos para o desenvolvimento de diferentes tecnologias, a exemplo da inoculação do milho, do trigo e de pastagens com braquiárias. Em 2014, por exemplo, a Unidade lançou a tecnologia de coinoculação nas sementes de soja e do feijoeiro, que consiste em combinar a inoculação com rizóbios(bactérias fixadoras de nitrogênio) e Azospirillum (bactéria com grande capacidade de síntese de fitormônios), permitindo ampliar o potencial produtivo das plantas. “Hoje há cerca de 4.500 estirpes armazenadas na Coleção da Embrapa Soja, o que representa um enorme potencial biotecnológico a ser explorado”, comenta a especialista em conservação de microrganismos Ligia Chueire.

A distribuição de estirpes microbianas pela Embrapa Soja para as indústrias de inoculantes teve início em 2018, quando o Mapa homologou a Coleção de Culturas. Segundo Mariangela, que é a curadora da coleção, em 2020 foram enviadas 155 estirpes de bactérias para a produção de inoculantes. “Cada lote de microrganismo fornecido é certificado quanto à espécie de bactéria, identidade da estirpe e eficiência no processo de promoção do crescimento de plantas avaliadas em laboratório, casa de vegetação e a campo, garantindo material genético de qualidade para a produção de bioinsumos”, afirma a pesquisadora.

O pesquisador Marco Antonio Nogueira pontua que todo esse processo é fundamental para garantir que as indústrias tenham acesso a recursos microbianos de alta qualidade. “Somente investindo na qualidade da manufatura será possível entregar produtos comprovadamente eficientes para o agricultor”, destaca.

Via EMBRAPA SOJA 

Veja também

Embrapa investe na produção de hambúrguer vegetal


11 de abril de 2021

Um batalhão de robôs chineses prontos para dominar o mundo


robôs chineses

robôs chineses

A empresa chinesa Unitree Robotics publicou nas redes um vídeo com dezenas de robôs em prontidão ao som da Marcha Imperial, da saga Starwars. Seria um aviso? Devemos ter medo dos robôs chineses?

 

A empresa Unitree Robotics fabrica robôs muito parecidos com os modelos da americana Boston Dynamics. Alguns modelos seguem a mesma linha do Spot, um robô de “quatro patas” com movimentos similares aos de um cão e que já está em testes em diversas partes do mundo, até no pastoreio de campo.

Recentemente, a sua equipe de marketing considerou uma boa ideia publicar na internet um vídeo onde dezenas de robôs de quatro patas acertam o passo ao som da Marcha Imperial, o conhecido tema de Guerra nas Estrelas. Chega a ser irônico, mas é verdade:

 

O modelo mostrado no vídeo é o A1. Suas capacidades de caminhada, desvio de obstáculos, reconhecimento de imagens e até de “briga” com outros robôs da mesma espécie são incríveis. Um batalhão destes robôs com os acessórios certos e muita bateria poderiam fazer um estrago danado.

Além do A1, a Unitree ainda fabrica os modelos BenBen, Laikago e Aliengo.

robôs chineses

Alguns dados do robô A1:

No vídeo acima, o robô A1 passeando com o “dono”, se equilibrando após quase cair da calçada e puxando briga com outro robô da mesma família.

É classificado como estável e de performance atlética. Tem câmeras inteligentes para todas as direções e é capaz de traçar os mapas do ambiente por onde anda (nunca mais esquece o caminho). Transmite vídeo em HD em tempo real, leva até 5 kg de equipamentos, duração de bateria entre 1 e 2.5 horas e pode correr na velocidade de 11,88 km/h. Além destes dados, os softwares que acompanham o robô permitem até mesmo a identificação de pessoas. Confira mais fotos, dados e animações no site dedicado ao modelo.

Robôs Chineses na agricultura

Uns 100 robôs destes espalhados na lavoura para identificar e arrancar buva seria uma mão na roda, mas é melhor não experimentar. Vai que pega um vírus.

Piadas à parte, o uso popularizado de drones da chinesa DJI na agricultura era coisa de ficção científica há dez anos, hoje é quase padrão no mapeamento, agricultura de precisão e até pulverização. Não estranhe se estes cachorros robóticos começarem a aparecer nas lavouras, muito em breve. Ou em um camelô na esquina mais próxima.

 

 


11 de abril de 2021

Você sabe o que é uma Mula Mecânica? Conheça o veículo


Mula Mecânica

De origem militar, a Mula Mecânica é um veículo leve, com tração nas quatro rodas e especializado no auxílio com transporte de cargas em terrenos de difícil acesso

A Mula Mecânica é praticamente uma “plataforma com rodas” usada pelas forças armadas de diversos países e que acabou caindo no gosto de agricultores, pela facilidade de uso e a robustez na lida do campo.

Na Itália, existe a Fresia F18 ou MTC 90 (nome da versão militar), fabricada pela empresa Fresia Spa. O exército italiano usava a mula mecânica para o transporte de peças de artilharia nas montanhas do país.

Fresia

 

Existem versões da Fresia F18 com ou sem volante, tração nas quatro rodas e motor de dois cilindros riggs & Stratton Twin II. A capacidade de carga é de 430 kg e o veículo por si só pesa outros 540 kg. A Fresia Spa foi fundada em 1923 e hoje atua forte no ramo de máquinas para remoção de neve, tratores para aeroportos, cabines e veículos para uso militar, incluindo anfíbios e sobre trilhos.

Mulas Mecânicas no Brasil

SAFO JAMY

Acima: a mula mecânica SAFO. Foto: Lexicar.

O trabalho de Expedito Carlos Stephani Bastos, pequisador de assuntos militares da Universidade Federal de Juiz de Fora, MG, fala sobre mulas que fora fabricadas no Brasil. Vale a leitura e você acessa através deste link.

Alguns protótipos brasileiros foram fabricados usando componentes do Jeep Willys no final dos anos 60, no Parque Regional de Motomecanização da2ª Região Militar de São Paulo (PqRMM/2) e também no Rio de Janeiro, em centros de pesquisa do Exército.

 


8 de abril de 2021

Ruivinho do Harry Potter enfurece vizinhos na zona rural na Inglaterra


ruivinho do harry potter

ruivinho do harry potter

Rupert Grint, ator que interpretou o personagem Ron Weasley na saga de filmes do Harry Potter, virou investidor imobiliário. Um dos seus projetos não foi bem aceito na comunidade rural da cidadezinha de Kimpton.

 

O Ruivinho do Harry Potter, como também é carinhosamente conhecido o personagem Ron Weasley dos filmes da Série, arranjou briga com os vizinhos de uma de suas propriedades na zona rural de Kimpton, Hertfordshire.

O ator Rupert Grint ficou milionário com o dinheiro recebido pelo trabalho – cerca de 40 milhões de libras ou 300 milhões de reais – e investiu grande parte em imóveis. Recentemente, apresentou um plano para as autoridades locais de Kimpton para transformar um celeiro contruído no século 18 em uma de suas aquisições. Além dos vizinhos, foram contra o conselho da cidade (Câmara de Vereadores) e um grupo de proteção da vida selvagem.

No local do celeiro, a ideia seria construir um conjunto de casas “ecológicas”. Entre as objeções dos opositores, a principal está no tráfego de veículos que a modificação traria para o entorno do pequeno vilarejo, mas também a falta de projeto ambiental para a área e a derrubada de vegetação.

Diante dos problemas, o ator tentou revender a propriedade por 6 milhões de libras, sem sucesso.

A invasão urbana é um assunto e briga recorrente na Inglaterra, onde o progresso leva junto profundas alterações na vida dos agricultores, propriedades vizinhas que viram sítios para turismo, acúmulo de lixo e invasão de terras.

Veja também

EXCLUSIVE: Harry Potter star Rupert Grint enrages neighbours of his £5.4m country mansion with plans to turn a barn behind his 18th century residence into THREE residential houses


23 de março de 2021

Heineken tenta lacrar com “Dia Sem Carne” e leva invertida nas redes


heineken

heineken

Bola fora da Heineken

A cerveja Heineken fez uma postagem em sua conta brasileira do Instagram no último sábado, dia 20 de março, para enaltecer o Dia Mundial Sem Carne. A publicação gerou a ira de diversos segmentos do Agro, políticos e do público em geral.

Se marcas pequenas e médias muitas vezes ficam nas mãos de agências que usam a imagem dos clientes para militar em causa própria – especialmente com estes “efemérides” – não é o caso aqui com esta mega empresa que tentou lacrar de caso pensado, fazendo bonito com um uma minoria que não apenas deixa de consumir produtos de origem animal, mas tem sérias convicções sobre quem consome.

Depois da repercussão negativa nas redes no início da semana, a Heineken tentou dar uma “equilibrada”, postando uma imagem que diz “Um brinde ao respeito por todas as escolhas”. Uma contradição, basta perguntar aos veganos o que eles pensam sobre “carnívoros”. Nos círculos mais radicais, vai de “comer carne é assassinato” até “leite vem de vacas estupradas”.

 

 

As redes iniciaram a semana com diversas postagens de protesto, hashtags “Churrasco sem Heineken” e vídeos de consumidores jogando a cerveja no vaso sanitário.

O que significa especificamente este “Dia Mundial Sem Carne” no 20 de março?

Segundo o próprio site do movimento:

Desde 1985, o MeatOut se tornou a maior campanha educacional anual do mundo, dedicada a remover carne, e muito mais, de nossos pratos. Em 20 de março, pessoas compassivas de todo o mundo, incluindo os Estados Unidos e mais de 20 países, dão as boas-vindas à primavera com eventos para homenagear os animais. Vários países lançaram seus próprios sites MeatOut com o objetivo de ajudar os consumidores em todo o mundo a evoluir para uma dieta mais saudável, não violenta e baseada em vegetais.
As atividades vão desde simples mesas de informação, exposições, degustações de comida e demonstrações de culinária até recepções e festivais elaborados. Nos últimos anos, membros do Congresso e sua equipe foram presenteados com um almoço anual baseado em plantas em Washington DC. Dezenas de governadores e prefeitos de grandes cidades fizeram proclamações sobre o MeatOut . A mensagem do MeatOut foi promovida em outdoors, cartazes de ônibus, anúncios de TV e dezenas de cartas aos editores de jornais locais. Confira as manchetes do MeatOut ao longo dos anos .

Os destaques em negrito são por nossa conta. Tirem suas conclusões.

Veja também

Bill Gates quer que países ricos consumam apenas carne sintética


21 de março de 2021

Angelica Larsson, a caminhoneira mais famosa da Suécia


Angelica Larsson é sueca, tem 31 anos e dirige caminhões desde os 19, além de dominar escavadeiras e praticar esportes radicais. A loira compartilha sua rotina através das redes sociais desde 2012.

Como não poderia deixar de ser, Angelica Larsson dirige Volvo e Scanias pelas estradas da Europa desde a década passada. Isso quando não está na Suécia, operando – do alto dos seus 1,5 metro de altura – escavadeiras e outros equipamentos pesados, qualidade “herdada” do pai, que também trabalha no ramo. Famosa também nas redes sociais, compartilha no Youtube, Instagram e Facebook um pouco das suas aventuras para milhares de seguidores.

Angelica Larsson

 

Angelica Larsson

 

Angelica Larsson

 

Angelica Larsson

 

 

Angelica no Youtube

 

Hoje, Angelica conta com mais de 950 mil seguidores no Facebook, 300 mil no Instagram e 34 milhões de visualizações no Youtube. Aparecer nas redes sociais virou um negócio e a moça toca em paralelo seu pequeno empreendimento de marketing digital, além de serviços como modelo e participações em eventos da área também nos Estados Unidos. Definitivamente, é a caminhoneira mais famosa da Suécia, talvez até da Europa.


19 de março de 2021

Instagram e WhatsApp fora do ar nesta sexta, 19 de março de 2021


Instagram e WhatsApp fora do ar

Instagram e WhatsApp fora do ar

O Instagram e o WhatsApp saíram do ar por volta das 14h30 desta sexta, 19 de março. O problema ocorre nos aplicativos e também na versão web das duas plataformas. No browser, o Instagram dá o erro “5xx Server Error” na tentativa de acesso.

Por todos os serviços ainda no ar, vários usuários brasileiros reclamam do mesmo problema.

 


18 de março de 2021

Homem explode motor de Jeep Wrangler ao rebocar engatado na reduzida


Jeep Wrangler

Um americano residente no estado da Flórida conseguiu a façanha de explodir o motor de um Jeep Wrangler Unlimited  Rubicon zerinho, rebocando o veículo engatado na tração 4-Low

Por imperícia ou distração, o feliz proprietário de um Jeep Wrangler Rubicon teve uma ingrata surpresa. Ao mandar rebocar o veículo, deixou o câmbio na posição 4L (4-Low ou low range). Esta reduzida é indicada para terrenos extremos, com o máximo de torque e baixa velocidade, tipicamente em terrenos com muitas pedras, lama ou neve. Segundo a Jeep, a velocidade máxima recomendada neste modo é de 40 km/h. Quem rebocou não se importou com o peso e nem conferiu o câmbio antes do trabalho.

Rubicon Engine

O Jeep Wrangler virou uma bomba

Com o veículo rebocado (e na velocidade do rebocador, provavelmente 80 km/h), o Jaloponic – um dos sites que comentaram o acontecimento – calculou que o motor do Jeep Wrangler foi forçado a girar em incríveis 54 mil RPM, muito além dos esperados 6600 RPM na velocidade máxima. O resultado? O motor foi praticamente desintegrado.

 

white rubicon

Saiba mais

Jeep Wrangler Engine Explodes After Owner Tows Vehicle In Gear And Revs It To 50,000 RPM 

DRIVING A 4X4


16 de março de 2021

Vereador gaúcho sugere usar aviões para pulverizar a cidade com álcool


vereador gaúcho

alberi dias

Vereador Gaúcho tem a solução

O vereador gaúcho Alberi Dias, do MDB, que também é presidente da Câmara na cidade de Canela, teve uma brilhante ideia para combater o coronavírus na cidade turística, famosa por sua arquitetura e clima frio: pulverizar o município com álcool, usando aviões ou helicópteros.

“… quem sabe… nós poderia (sic) pulverizar pelo menos a nossa cidade de avião né? Nós temos aí vários empresários que têm… são donos de helicóptero, avião. Sei lá, não sei se existe o álcool gel líquido, alguma coisa. Pulverizar, por que o vírus tá no ar né? É uma coisa de outro mundo. De outro mundo. Mas eu já vi… pulveriza lavouras. Não pulveriza lavouras, de avião? Talvez seja uma ideia também. Eu não sei a tecnologia pra isso. Pulverizar, que o álcool gel não faz mal”

Acima, o vídeo para quem não acreditar.

Não se sabe se foi uma brincadeira (provavelmente não), mas espanta – além do óbvio – o fato do edil não conhecer álcool em sua versão líquida. Com a palavra, os amigos da pulverização. Uma solução, digamos, explosiva.

Veja também

China usa drones para combater coronavírus


13 de março de 2021

Plano Collor Rural: suspensão dos processos judiciais é retirada


Plano Collor Rural

Plano Collor Rural

Novidades no Plano Collor Rural

Um boa notícia para os nossos agricultores. O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal – STF – retirou a suspensão dos processos judiciais de produtores rurais que pedem a devolução de valores do Plano Collor Rural referentes à diferença das taxas de juros dos financiamentos bancários na década de 1990.
A medida permitirá o prosseguimento das ações para que produtores rurais recebam os créditos referentes à diferença de índices verificadas no mês de março de 1990. Na época, os agricultores viram as taxas de juros dos financiamentos no Banco do Brasil saltarem de 41,28% para 84,32%. Espero que agora cessem os recursos judiciais de um processo que se arrasta há anos e finalmente os produtores de todo Brasil possam receber os valores que pagaram a mais.

Via divulgação – Senador Luis Carlos Heinze.

Plano Collor Rural

O Plano Collor foi o nome dado ao conjunto de reformas econômicas e planos para estabilização da inflação criados durante a presidência de Fernando Collor de Mello entre 1990 e 1992.

O plano era oficialmente chamado de Plano Brasil Novo, porém, foi tão associado a figura do presidente Collor, que ficou conhecido apenas por “Plano Collor”, sendo instituído em 16 de março de 1990 (um dia depois de Collor assumir a presidência), impondo medidas radicais para estabilização da inflação.

Em meio à crise financeira e os altos índices de inflação que o Brasil enfrentava na década de 90, foi editado o Plano Collor na versão rural, que da noite para o dia, reajustou de 41,28% para 84,32% os índices dos contratos de financiamento agrícola e de crédito rural firmados entre os agricultores e o Banco do Brasil. Saiba mais, aqui.


11 de março de 2021

DAMMANN-trac DT 3500, um pulverizador gigante


DAMMANN-trac

DAMMANN-trac

DAMMANN-trac DT 3500

A Herbert Dammann GmbH, fabricante do DAMMANN-trac, é uma empresa da Alemanha especializada em pulverização. Além das máquinas agrícolas, atua também com equipamentos para aeroportos (descongelamento de pistas), limpeza urbana e pulverização para ferrovias, com uma versão de pulverizador montada em um UNIMOG que anda nos trilhos.

O destaque aqui é o maior modelo da linha agrícola nos autopropelidos, o DAMMANN-trac DT 3500H S5
EcoDrive™, com seus 12 mil litros de capacidade, motor Mercedes Benz OM 936, 6 rodas (4 delas direcionáveis) e uma bomba hidráulica de 205 l/min.

pulverização noturna

O Dammann na pulverização noturna.

pulverizador

 

As especificações completas de todos os pulverizadores da empresa você encontra nesta brochura em PDF (em inglês).

Os pulverizadores da marca fazem sucesso na América do Norte. No Canadá, a alta capacidade do tanque é muito bem vinda, possibilitando mais horas de trabalho no campo, sem paradas para reabastecimento.

 


9 de março de 2021

Fendt é a marca campeã no DLG-ImageBarometer 2020


DLG-ImageBarometer

DLG-ImageBarometer

DLG-ImageBarometer

Todo ano, os agricultores da Alemanha avaliam a a “imagem” das empresas de maquinário agrícola de sete áreas diferentes, através da DLG-ImageBarometer, pesquisa organizada pela DLG (Sociedade Agrícola da Alemanha). A edição 2020 começou a ser realizada em agosto e ouviu por telefone 712 agricultores e gerentes de propriedades, sobre como estes avaliam a força das marcas.

O resultado

DLG-ImageBarometer

 

A Fendt ficou na frente, com 59 pontos (mesma pontuação de 2019), seguida por John Deere com 51 (59 em 2019) e Claas com 51 (56 em 2019). Na sequência, aparecem as marcas Amazone, Lemken, Horsch, Deutz-Fahr, Kverneland, Krone e Pöttinger.

 

marcas de tratores - fendt

“Estamos satisfeitos que os agricultores mais uma vez votaram na marca Fendt para o primeiro lugar na pesquisa DLG independente ”, disse Christoph Gröblinghoff, Presidente do Conselho de Administração da AGCO / Fendt. “Mesmo na avaliação das quatro regiões, desta vez conseguimos levar a primeira posição. Em nossa região natal, o sul, bem como no norte e no oeste, fomos novamente eleitos o número um. No ano passado, no entanto, gerentes de fazendas e agricultores no leste também deram à marca Fendt a pontuação mais alta.”. 

Segundo a Fendt, os participantes da pesquisa avaliam as empresas em quatro categorias: Conscientização, Lealdade, Satisfação e Imagem, podendo atribuir no máximo 25 pontos por categoria. Portanto, a pontuação máxima na avaliação é de 100 pontos no total.

Em comparação com outros anos, a pesquisa foi realizada bem no final do ano. O período anterior da pesquisa, começou em agosto e foi no meio da safra, então o novo período da pesquisa desonra os agricultores. A idade média dos entrevistados este ano foi de 51 anos. Em média, os participantes tinham um diploma de mestrado ou diploma universitário e cultivavam 268 hectares de terras agrícolas convencionais.

Veja também

As melhores e piores marcas de tratores segundo os distribuidores da Europa


8 de março de 2021

Molnupiravir é a pílula da Merck contra o Coronavírus


molnupiravir

molnupiravir

Molnupiravir é a aposta da Merck para combater o coronavírus, depois de problemas com a sua tentativa de emplacar uma vacina

A Merck anunciou recentemente que o molnupiravir, sua medicação para combater o coronavírus produzido em parceria com a empresa Ridgeback, atingiu os objetivos esperados em uma nova fase de testes.

A Merck foi a criadora da Ivermectina, história que contamos aqui em Ivermectina, de droga lucrativa a esperança contra a COVID-19 em janeiro. Vale a pena a leitura.

Quem é a Ridgeback?

Segundo o seu site, a Ridgeback Biotherapeutics é “uma empresa de biotecnologia focada no tratamento e cuidado de populações de pacientes que precisam de terapias transformacionais, com foco atual em doenças infecciosas emergentes. Nosso objetivo é inovar e acelerar soluções que mudam e salvam vidas para a saúde e segurança da população global. Para esse fim, a Ridgeback tem dois produtos de pipeline de estágio avançado em desenvolvimento – ansuvimabe para o tratamento de Ebola e molnupiravir para o tratamento de COVID-19“.

O remédio

O Molnupiravir (que era chamado de EIDD-2801) inibe a replicação de múltiplos vírus do tipo RNA, entre eles o SARS-CoV-2, causador da COVID-19. A real criadora da droga é uma terceira, a Emory’s DRIVE, empresa sem fins lucrativos que fechou parceria com a Ridgeback em março de 2020.

emory

A novidade é que o remédio mostrou resultados animadores com 200 pacientes não hospitalizados, reduzindo a carga viral em sintomáticos no quinto dia de tratamento. Os pacientes que tomaram o remédio foram a 0% e o grupo do placebo ficaram em 24%.

Tecnicamente falando [alerta de termos técnicos que quase ninguém entende], o EIDD-2801 é uma forma oralmente biodisponível de um análogo de ribonucleosídeo altamente potente que inibe a replicação de vários vírus de RNA, incluindo SARS-CoV2. Em estudos de laboratório e animais de dois coronavírus distintos (SARS-CoV1 e MERS), a forma bioativa de EIDD-2801 demonstrou melhorar a função pulmonar, diminuir a perda de peso corporal e reduzir a quantidade de vírus no pulmão. Espera-se que o EIDD-2801 comece os testes clínicos para SARS-CoV2 e influenza no segundo trimestre de 2020. Além da atividade contra SARS-CoV2, o EIDD-2801, em estudos de laboratório, demonstrou atividade contra vírus sincicial respiratório, influenza, chikungunya , Ebola, vírus da encefalite equina venezuelana e vírus da encefalite equina oriental.

O remédio ainda precisa passar por mais fases de testes. Provavelmente, o verbete da Wikipedia fará uma compilação segura do progresso nos próximos meses.

 

 


6 de março de 2021

Alemanha adota queimadas para conter javalis em reserva ambiental


alemanha adota queimadas

alemanha adota queimadas

Alemanha adota queimadas

Apesar dos discursos e políticas ambientais que alteram a vida dos próprios agricultores e interferem nos interesses internacionais, parece que a Alemanha adota práticas que em outros locais considera ruins.

Só para lembrar: em setembro de 2020, Alemanha, Reino Unido, França, Itália, Dinamarca, Noruega, Países Baixos e Bélgica enviaram carta de protesto para o vice-presidente Hamilton Mourão, sobre as queimadas na Amazônia. Na época, o evento tinha outra escala, obviamente.

A autoridade ambiental do distrito de Oder-Spree mandou queimar (em parceria com alguns órgãos ambientais) quatro hectares de juncos na área protegida conhecida como Neuzeller Niederung, para conter o avanço de javalis, É quase como o IBAMA, em pareceria com a Secretaria do Meio Ambiente do Rio Grande do Sul mandar queimar (de forma controlada) um pedaço do Taim. Ou o Pantanal, com as autoridades de lá.

cerca para javali

Cercas usadas na região para conter o avanço dos javalis.

Os javalis costumam se esconder nas áreas de junco, dificultando as caçadas para extermínio em um momento de preocupação das autoridades com a Peste Suína Africana. Na região, existem cercas construídas para impedir a passagem dos animais entre a Alemanha e a Polônia.

Alemanha adota queimadas

Entre os argumentos para a manutenção da prática estão o baixo custo (queimar é mais barato que cortar) e a afirmação de que os juncos rebrotam facilmente – até mais densos – depois da queimada. Há também o destaque para o fato de que a Alemanha adota queimadas em cooperação com entidades ambientais, executadas por empresas especializadas e com todo o apuro técnico exigido, até o uso de drones.

Nem todo mundo de acordo

A Associação Alemã de Caça lembrou que a adoção de queimadas não é ambientalmente aceitável, por conta das emissões e pede que no futuro seja usado o corte, mesmo sendo mais caro.

 

Veja também

Juncos nas terras baixas de Neuzeller são queimados de maneira controlada (em alemão)


4 de março de 2021

John Deere lança novos modelos de tratores na Série 9


John Deere Lança novos

John Deere Lança novos

De tempos em tempos, a John Deere lança novos tratores e este ano tudo está diferente, com pandemia, ausência da presença física em feiras agrícolas e muito investimento online. O início do mês de março trouxe novidades para a Série 9, com destaque para os modelos 9R 640 e 9RX 640. Os tratores ficaram mais fortes, eficientes e inteligentes, segundo o marketing da empresa.

novo motor john deere

Destaque: novo motor PowerTech 13.6 litros de 640 hp nos modelos principais (entre 390 e 590 no resto da série 9). Quando necessário, o sistema hidráulico inteligente do trator entrega ainda mais 50 hp, útil nas subidas e em pontos complicados do terreno.

Uma cabine mais espaçosa e confortável também é novidade. Todos os modelos por padrão possuem o sistema JDLink e receptor StarFire 6000, além do  display CommandCenter de quarta geração.

É claro que é uma série de tratores para poucos, dedicada a trabalhos em grandes propriedades, muitas vezes com uma janela de trabalho bem apertada. Mas nada impede que qualquer amante de máquinas agrícolas dê um passeio pelos vídeos da John Deere, observando cada detalhe. Abaixo, os vídeos do canal no Youtube publicados por ocasião do lançamento da nova série (em inglês, mas o Youtube pode traduzir).

Acima: novidades da Série 9, novo motor e cabine.

Veja também

Arquivos John Deere – Blog do Farmfor


2 de março de 2021

Globo Rural provoca Flávio Bolsonaro com tweet sobre laranjas e mansão


Globo Rural Provoca

Globo Rural Provoca

Globo Rural Provoca

O Globo Rural é um tradicional programa de TV brasileiro especializado em notícias do mundo rural. Sua versão impressa – a Revista Globo Rural – aparenta ter a mesma missão. Já a conta do Twitter que divulga as informações da revista, aparentemente tem outras funções.

Nesta terça, 2 de março, a notícia da compra de uma mansão em Brasília pelo filho do presidente Jair Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro, tomou conta do noticiário em todas as mídias. Mesmo não sendo um assunto do agro, foi parar no Twitter oficial da revista, em forma de indireta jocosa:

mansão bolsonaro laranja

“Quantos pés de laranja cabem no quintal de uma mansão de R$ 6 milhões?” pergunta o tweet que pode ser visto neste link. A mensagem aponta para uma notícia real sobre o plantio de cítricos, publicada em maio de 2020, portanto requentada para fazer a piada.

Não é a primeira vez (nem a segunda)

Em agosto de 2019, o Twitter do Globo Rural chamou o eleitorado bolsonarista de gado. Em dezembro de 2018, fez piada com uma declaração da então futura ministra do governo, Damares Alves, no caso do “pé de goiaba”. Desta vez, o tweet foi apagado.

É interessante observar o movimento do grupo Globo ao usar canais não convencionais para falar de política. Melhor dizendo, atacar políticos. Resta saber do resultado destas ações no público-alvo da pauta rural da Globo, o agricultor de todos os portes e todo o agro brasileiro. O Globo Rural provoca, mais uma vez.



Publicidade